Um paraíso tropical ou um inferno escaldante? Uma breve história da exploração e da busca por vida em Vênus

0
801

Por Ezzy Pearson
Publicado no Sky at Night

Desde que os astrônomos notaram pela primeira vez as nuvens espessas girando acima de Vênus, eles se perguntaram se florestas tropicais cheias de vida ou mesmo uma civilização alienígena avançada poderiam estar escondidas sob elas.

Na Terra, nuvens significam chuva, então a suposição era de que Vênus era um mundo úmido rico em vegetação. Como Vênus também era o planeta mais próximo da Terra e o mais semelhante a ela em termos de tamanho, também parecia mais provável que se assemelhasse à Terra na superfície.

Ao longo dos séculos, astrônomos e cientistas voltaram seus telescópios e, em seguida, suas espaçonaves robóticas em direção a Vênus na tentativa de descobrir mais sobre este planeta intrigante e se ele poderia suportar vida.

Procurando vida em Vênus da Terra

Mas não eram apenas os autores de ficção científica que imaginavam vida alienígena prosperando sob as nuvens de Vênus. Em 1947, o cientista soviético Gavriil Adrianovich Tikhov se tornou o primeiro ‘astrobotânico’ quando montou um departamento no Observatório Alma Ata no Cazaquistão para estudar as plantas que ele tinha certeza de que cresciam em Marte e Vênus.

Tikhov observou cuidadosamente o planeta e seu clima e previu que sua temperatura seria entre 60 e 76ºC: quente, certamente, mas ainda frio o suficiente para permitir oceanos líquidos na superfície. Ao mesmo tempo, ele estava explorando o planeta Terra, procurando os ambientes mais extremos para ver como diferentes organismos sobreviviam em condições aparentemente inóspitas.

Do Ártico congelado aos gêiseres ferventes, Tikhov encontrou vida. Se as bactérias pudessem sobreviver sob as temperaturas de ebulição de um gêiser, certamente poderiam sobreviver aos mares escaldantes de Vênus?

O ambiente infernal de Vênus

O sonho de exuberantes florestas tropicais venusianas não iria durar, entretanto. Na década de 1960, tanto a astronomia planetária remota quanto a exploração espacial estavam se tornando mais desenvolvidas e revelaram que Vênus era mais quente do que qualquer estimativa anterior. Era muito mais quente. Talvez até 300ºC. Todas as esperanças de encontrar oceanos e civilizações alienígenas evaporaram.

Quando as sondas Venera soviéticas chegaram no planeta ao longo dos anos 60 e 70, elas revelaram que Vênus era muito mais inóspito do que qualquer um poderia imaginar. As temperaturas chegavam a 470ºC, a pressão era 92 vezes maior que a da Terra e as nuvens que envolviam o planeta em mistério eram agora conhecidas por serem feitas de ácido sulfúrico. Parecia que a esperança de encontrar vida em Vênus estava condenada. Na superfície, pelo menos.

Exploração humana de Vênus

Nos últimos anos, a exploração planetária passou a se concentrar muito em Marte, mas nem sempre foi assim. Nos primeiros dias da Era Espacial, Vênus era visto como um alvo planetário igualmente desejável, mas como a NASA estava ocupada explorando a Lua, coube à União Soviética partir para Vênus.

Entre 1961 e 1985, os soviéticos lançaram dezenas de missões a Vênus como parte da campanha de Venera. Enquanto algumas falharam, a maioria chegou ao planeta, tornando Venera um dos projetos de maior sucesso da Corrida Espacial.

A primeira espaçonave a atingir a atmosfera de Vênus

As primeiras missões Venera foram lançadas em 1961 no auge da Corrida Espacial, quando a publicidade era tudo. Enquanto o primeiro sobrevoo de outro planeta capturaria algumas manchetes, o primeiro pouso em outro planeta receberia muito mais e, portanto, a missão foi projetada para ser um módulo de pouso.

A primeira tentativa, Venera 1, foi um impactor, o que significa que ele iria propositalmente colidir com o planeta enquanto fazia e transmitia medições da atmosfera até o último segundo. Uma falha significava que a Venera 1 acabaria perdendo o planeta por completo, então os soviéticos redesenharam a sonda para lançar uma sonda que aproveitaria a espessa atmosfera de Vênus, usando um paraquedas para descer à superfície.

Em 18 de outubro de 1967, a Venera 4 lançou com sucesso sua sonda na atmosfera de Vênus, dando à humanidade a primeira visão do ar acima de outro planeta. Os instrumentos revelaram inicialmente uma atmosfera rica em dióxido de carbono com uma temperatura semelhante à da Terra. Mas à medida que a espaçonave caiu, a temperatura aumentou e, com ela, a pressão.

A última medição da Venera 4 colocou a temperatura em fortes 271ºC e a pressão em 22 vezes maior que o nível do mar na Terra, antes de parar abruptamente de funcionar 20 km acima da superfície. Provavelmente seria ainda pior perto da superfície.

Embora provavelmente tenha sido a pressão que matou a Venera 4, foi a temperatura que mais preocupou os engenheiros: não pela sonda em si, mas pelo fato de que ela derreteria os cabos que prendiam o paraquedas, derrubando as sondas enquanto ainda estavam a vários quilômetros de altura.

As Venera 5 e 6 já estavam sendo construídas, mas a sonda e o paraquedas foram reforçados para sobreviver pelo menos um pouco mais. Quando chegaram ao planeta em janeiro de 1969, duraram 53 e 50 minutos, respectivamente, antes de expirar. Como temido, elas revelaram que a pressão mais baixa na atmosfera pode chegar a 100 atmosferas.

Construindo uma sonda melhor

Se os soviéticos quisessem pousar em Vênus, a Venera precisaria de um redesenho completo e, por isso, eles convocaram os especialistas em sobreviver sob pressão: engenheiros de submarinos.

As recomendações resultantes exigiam a usinagem de titânio – um metal que só recentemente tinha se tornado utilizável e que ninguém na equipe da Venera havia usado antes – em uma esfera perfeita. A equipe aceitou o desafio e construiu uma sonda capaz de suportar pressões de 180 atmosferas e temperaturas de 540ºC.

Finalmente, a Venera 7 pousou na superfície de Vênus em 15 de dezembro de 1970, mas tombou de lado. Apesar disso, a espaçonave mediu a pressão da superfície em impressionantes 92 atmosferas com temperatura de 474ºC.

19 meses depois, quando a próxima janela de lançamento para Vênus chegou, a Venera 8 teve sucesso em tirar as primeiras fotos da superfície de outro mundo. Para as próximas sondas Venera, os soviéticos estavam mais preocupados em explorar a superfície, mas eles continuaram medindo a atmosfera durante a descida.

Eles descobriram que a atmosfera do planeta tinha 96% de dióxido de carbono e 3% de nitrogênio, polvilhada com uma mistura tóxica de compostos de enxofre e cloro e apresentando nuvens ácidas tão espessas que bloqueavam 95% da luz solar.

Para ver se o planeta estava tempestuoso, bem como escuro, as sondas Venera 11 e 12 carregaram microfones com elas para ouvir o rolar de um trovão distante. O sensor de luz da Venera 11 mediu 30 descargas elétricas em um único segundo, enquanto a Venera 12 detectou um trovão que retumbou por 15 minutos e foi tão alto que a espaçonave foi capaz de ouvi-lo do outro lado do planeta.

Exploração de Vênus pela NASA

Nessa época, a NASA estava finalmente voltando sua atenção para o planeta nublado com sua Pioneer Venus Multiprobe, que também chegou em 1978. A espaçonave tinha uma grande sonda, bem como três menores, todas destinadas a examinar a atmosfera do planeta. Duas das pequenas sondas foram lançadas em pontos diferentes no lado diurno do planeta, enquanto mais uma foi lançada no lado noturno.

Como uma noite de Vênus dura quase 300 dias terrestres, os astrônomos se perguntaram se o clima poderia ser muito diferente, mas a sonda noturna encontrou pouca diferença com o dia, sugerindo um sistema de vento misturando o ar quente do lado do dia com o frio da noite.

Explorando Vênus com um balão

Em 1982, a Venera 13 obteve as primeiras imagens coloridas da superfície de Vênus, mas estava se tornando absurdamente claro para todo mundo que a superfície era muito difícil de explorar e, portanto, a atenção se voltou para a atmosfera do planeta.

Enquanto conversava com cientistas soviéticos em um coquetel no final da década de 1970, o pioneiro espacial francês Jacques Blamont percebeu que em 1985 seria possível lançar uma sonda em Vênus e, em seguida, continuar para encontrar o próximo visitante do Sistema Solar interno, o Cometa de Halley.

No entanto, não era um módulo de pouso que Blamont tinha em mente, mas um balão. O que começou como um cenário discutido durante as bebidas, acabou se tornando as missões Vega, um esforço internacional liderado pela União Soviética com a ajuda de mais de uma dezena de outros países.

As duas missões Vega caíram no lado noturno do planeta em junho de 1985, inflaram seus balões de 3,5 m de largura e começaram sua missão flutuando pela atmosfera 54 km acima da superfície. Infelizmente, essa acabou sendo uma das missões mais turbulentas na atmosfera de Vênus. Ventos de 240 km/h empurraram os balões para frente e para trás, enquanto bolsas de ar fariam com que os balões despencassem 2 km por vez.

Ambas as sondas Vega duraram dois dias antes que suas baterias morressem. Eventualmente, os balões teriam flutuado para o lado do dia, onde o calor do Sol faria com que eles se expandissem e estourassem.

Retornando a Vênus

As missões Vega marcaram o fim da era de ouro da exploração de Vênus, pelo menos até recentemente. Conforme a tecnologia foi aprimorada e mais países e empresas entraram na era espacial, as pessoas estão começando a voltar seu olhar para Vênus.

Em novembro de 2005, a Agência Espacial Europeia lançou o Venus Express, sua primeira nave enviada para estudar o planeta. Seu objetivo era estudar a superfície e a atmosfera de Vênus, examinando as interações entre as duas.

A Organização de Pesquisa Espacial da Índia está atualmente desenvolvendo um balão atmosférico, o Shukrayaan-1, enquanto a agência espacial russa e a NASA estão unindo forças em uma missão conjunta proposta para a superfície.

Com a notícia de potenciais biomarcadores nas nuvens acima de Vênus, de repente iluminando o planeta, podemos estar prestes a ver muito mais planos de missões futuras com o objetivo de explorar os céus de nosso planeta vizinho mais próximo. Fala-se até no desenvolvimento de um tipo especial de rover que poderia resistir às condições extremas de Vênus.

Vida nas nuvens de Vênus?

A busca por vida em Vênus se voltou para as nuvens acima da superfície do planeta. Sabe-se que as nuvens da Terra fervilham de vida na forma de bactérias, esporos de fungos e algas, então não é inconcebível que as de Vênus também possam.

No entanto, as nuvens de água da Terra são muito mais hospitaleiras do que as nuvens tóxicas, venenosas e corrosivas acima de Vênus. As bactérias venusianas poderiam sobreviver nessas condições? Talvez.

Bactérias foram encontradas vivendo em lagos vulcânicos feitos de ácido sulfúrico quase puro, então é possível que algo possa evoluir para sobreviver em um ambiente aparentemente inabitável.

Um ingrediente chave que as nuvens possuem é a água, embora em níveis 10.000 vezes mais baixos do que a atmosfera da Terra. Também é possível que processos vulcânicos na superfície do planeta (passados ​​ou talvez até presentes) forneçam nutrientes para a vida microscópica.

Existe alguma evidência de vida em Vênus?

A atmosfera tóxica de Vênus há muito foi descartada como um local potencial para encontrar vida, mas dois avanços recentes tornaram a ideia muito mais confiável. Em 2019, astrônomos observando o planeta em ultravioleta descobriram manchas escuras aparecendo nas nuvens. Embora existam teorias concorrentes quanto às suas causas, uma sugestão é que elas são causadas por microrganismos que crescem na atmosfera, semelhante a uma proliferação de algas nos oceanos da Terra.

Então, em 2020, os astrônomos anunciaram que encontraram um biomarcador potencial, a fosfina, na atmosfera de Vênus. Na Terra, esse produto químico só é produzido naturalmente por bactérias que prosperam em ambientes livres de oxigênio: exatamente o tipo de ambiente que você encontra nas nuvens acima de Vênus. Veremos a confirmação da vida fora da Terra em nossas vidas? Quem sabe, mas atualmente Vênus parece um lugar muito promissor para continuar a busca.