Comida não-saudável ‘ultraprocessada’ ligada ao envelhecimento avançado em nível celular, conclui estudo

0
380
Créditos: Karl Tapales / Getty Images.

Por Marlowe Hood
Publicado na ScienceAlert

Pessoas que comem muita “besteira” industrialmente processada têm maior probabilidade de apresentar uma mudança em seus cromossomos associada ao envelhecimento, de acordo com uma pesquisa apresentada na terça-feira em uma conferência médica online.

Três ou mais porções dos chamados “alimentos ultraprocessados” por dia dobraram as chances de que fitas de DNA e de proteínas chamadas telômeros, encontradas na extremidade dos cromossomos, seriam mais curtas em comparação com as pessoas que raramente consumiam esses alimentos, relataram os cientistas na Conferência Europeia e Internacional sobre Obesidade.

Telômeros curtos são um marcador de envelhecimento biológico no nível celular, e o estudo sugere que a dieta é um fator que leva as células a envelhecerem mais rápido.

Embora a correlação seja forte, no entanto, a relação causal entre comer alimentos altamente processados ​​e telômeros diminuídos permanece especulativa, advertiram os autores.

Cada célula humana possui 23 pares de cromossomos que contêm nosso código genético.

Os telômeros não carregam informações genéticas, mas são vitais para preservar a estabilidade e a integridade dos cromossomos e, por consequência, do DNA de que todas as células do nosso corpo dependem para funcionar.

À medida que envelhecemos, nossos telômeros encurtam naturalmente porque cada vez que uma célula se divide, parte do telômero é perdida.

Essa redução no comprimento há muito tempo é identificada como um dos marcadores da idade biológica.

Cientistas liderados pelos professores Maria Bes-Rastrollo e Amelia Marti, ambos da Universidade de Navarra, na Espanha, queriam explorar uma possível conexão entre o consumo regular de comida altamente processada e a diminuição dos telômeros.

Não é alimento de verdade

Estudos anteriores apontaram para uma possível ligação desse envelhecimento com bebidas adoçadas com açúcar, carnes processadas e outros alimentos carregados com gorduras saturadas e açúcar, mas os resultados foram inconclusivos.

Alimentos ultraprocessados são substâncias manufaturadas industrialmente compostas de uma mistura de óleos, gorduras, açúcares, amido e proteínas que contêm pouco ou nenhum alimento integral ou natural.

Eles geralmente incluem aromatizantes artificiais, corantes, emulsificantes, conservantes e outros aditivos que aumentam a vida útil das substâncias e as margens de lucro das empresas.

Essas mesmas propriedades, no entanto, também significam que esses alimentos são nutricionalmente pobres em comparação com alternativas menos processadas, disseram os pesquisadores.

Estudos anteriores mostraram fortes correlações entre alimentos ultraprocessados ​​e hipertensão, obesidade, depressão, diabetes tipo 2 e algumas formas de câncer.

Essas condições estão frequentemente relacionadas à idade, na medida em que estão ligadas ao estresse oxidativo e à inflamação que influenciam no comprimento dos telômeros.

Marti e seus colegas analisaram dados sobre a saúde de quase 900 pessoas com 55 anos ou mais que forneceram amostras de DNA em 2008 e, também, dados detalhados sobre seus hábitos alimentares a cada dois anos a partir de então.

Os 645 homens e 241 mulheres foram divididos igualmente em quatro grupos, dependendo do consumo de alimentos ultraprocessados.

Aqueles no grupo de alta ingestão eram mais propensos a ter uma história familiar de doença cardiovascular, diabetes e gorduras anormais no sangue.

Eles também consumiram menor consumo de alimentos associados à dieta mediterrânica – fibras, azeite, frutas, vegetais e nozes.

Em comparação com o grupo que comeu menos alimentos ultraprocessados, os outros três mostraram uma probabilidade aumentada – 29, 40 e 82 por cento, respectivamente – de diminuição dos telômeros.

As descobertas foram publicadas no início deste ano no American Journal of Clinical Nutrition.