Como a ciência transformou o mundo em 100 anos e por que devemos estar envolvidos

A descoberta da estrutura do DNA foi um grande momento da ciência.

Por Sir Venki Ramakrishnan
Presidente da Sociedade Real de Londres para o Avanço da Ciência Natural
Publicado na BBC

Se pudéssemos transportar milagrosamente as pessoas mais inteligentes de meados de 1900 para o mundo presente, ficariam maravilhadas ao ver que agora compreendemos coisas que desconcertaram os humanos durante séculos.

Há um pouco mais de cem anos, as pessoas não tinham ideia de como herdamos e transmitimos nossos traços ou como uma única célula poderia converter-se em um organismo.

Não sabíamos que os átomos tinham estrutura: a própria palavra significava indivisível.

Não sabíamos que a matéria tinha propriedades muito estranhas que desafiam o senso comum.

Ou por que há gravidade.

E eles não tinham ideias de como surgiram as coisas, tanto a vida na Terra como o próprio Universo.

Hoje em dia, graças a descobertas fundamentais, podemos despejar ou, pelo menos, começar a desvendar esses mistérios.

Isso transformou a forma como vemos o mundo e, muitas vezes, a nossa vida diária.

Muito do que consideramos hoje concedido é o resultado de uma interação entre ciência e tecnologia, com um impulsionando o outro adiante.

As invenções modernas são muitas vezes baseadas em descobertas de algumas centenas de anos, diz Venki Ramakrishnan. Créditos: Royal Society.

Quase todas as invenções modernas têm um ou várias descobertas fundamentais que as tornaram possíveis.

Às vezes, essas descobertas fundamentais foram feitas há centenas de anos.

Nem os motores a jato nem os foguetes seriam possíveis sem o conhecimento das leis do movimento de Issac Newton, por exemplo.

Há grandes momentos na ciência, como a descoberta da estrutura da DNA que mudou nossas perspectivas.

Mas mesmo essa descoberta foi um marco que se baseou no trabalho de Charles Darwin e Gregor Mendel, e também presumiu a biotecnologia de hoje, em que todo o DNA de um ser humano, o genoma humano, foi sequenciado.

Alguém do início do século passado ficaria espantado com tudo o que sabemos agora. Créditos: Getty Images.

Isso, por sua vez, nos deu a capacidade de descobrir como as doenças genéticas ocorrem e, potencialmente, como solucioná-las.

Recentemente, os cientistas puderam modificar os genes de uma menina para curar seu câncer.

Já não somos uma caixa preta completa, embora nossa complexidade seja tal que estamos apenas começando a entender como nossos genes regulam o corpo e como eles interagem com nosso ambiente.

Podemos deduzir que o universo começou com um Big Bang a partir de um único ponto. Créditos: SPL.

É provável que as tecnologias genéticas enfrentem questionamentos importantes sobre a forma como nos vemos e por que queremos usar nossa maior compreensão e capacidade.

Isso também é verdade sobre a grande teoria do Big Bang de como o Universo surgiu.

Há cem anos, mistérios como a maneira que o Universo surgiu eram, para muitos, firmemente uma questão de fé.

Estimulados pela observação de que o Universo não é constante, mas que as galáxias estão em expansão, afastando-se uma das outras, poderíamos determinar que o Universo começou com um Big Bang a partir de um ponto.

Esse conhecimento nos dá uma ideia sobre o que talvez seja o mais importante de todas as perguntas: de onde veio tudo?

A ideia faz com que nosso pequeno ponto azul pareça cada vez menor, mas nossa busca pelo conhecimento do que está fora não mostra sintomas de um complexo de inferioridade.

Os avanços na exploração espacial nos deixam mais curiosos sobre o que permanece desconhecido. Créditos: NASA.

Das missões Apollo até a sonda Cassini, do telescópio Hubble até a busca de ondas gravitacionais e exoplanetas, todos os avanços parecem nos deixar cada vez mais curiosos sobre o espaço.

Hoje, grande parte de como vemos o mundo é através de uma tela eletrônica.

Os computadores em todas suas formas variadas são fontes de conhecimento, mas também são cada vez mais a maneira como nos apresentamos ao resto do mundo e interagimos com os outros.

Mesmo um objeto onipresente, como um smartphone, depende de muitas descobertas fundamentais.

Seu computador potente depende de chips integrados formados por transistores, cuja a descoberta depende da compreensão da mecânica quântica.

O GPS em um smartphone depende da correção do tempo dos satélites usando as teorias especial e geral da relatividade, teorias que as pessoas pensaram não ter qualquer valor prático.

Me pergunto quantos entendem todas as descobertas que fazem essa pequena caixa funcionar.

As máquinas com a capacidade de aprendizagem nos levam aos primeiros carros sem motorista. Créditos: Getty Images.

Os computadores também estão gerando desenvolvimentos que continuarão a desafiar nossa visão do mundo.

As máquinas que aprendem já estão entre nós e estão mudando a realidade em que vivemos.

Elas oferecem um grande potencial que incluem cuidados médicos e a melhoria de outros serviços públicos, e, em breve, podem resultar em carros sem motoristas e robôs muito sofisticados.

Mas devemos tomar decisões conscientes sobre como queremos que as máquinas inteligentes permitam que a humanidade prospere.

As descobertas em si são moralmente neutras, mas o uso que fazemos dela não são neutras.

Uma descoberta que mudou nossa visão de mundo em duas direções claramente divergentes foi a fissão nuclear.

Sua descoberta levou ao desenvolvimento das armas mais destrutivas já conhecidas.

Alguns argumentam que o medo da destruição tem sido um poderoso motivador para a paz, mas essa não é uma solução estável, como pode ser visto com a situação atual com a Coreia do Norte.

Por outro lado, a fissão nuclear também prometeu uma fonte confiável de energia que, uma vez, foi predita com otimismo que era “demasiada barata para medir”.

O medo da destruição pode ter atuado como dissuasor alguma vez, mas não garante uma situação estável. Créditos: AFP.

A ciência é a busca de conhecimento sobre nós mesmos e o mundo que nos rodeia.

Essa busca pelo conhecimento também moldou a forma como vemos o mundo, bem como a aplicação do conhecimento. Em geral, transformou nossas vidas para melhor.

Hoje vivemos quase o dobro do tempo que nossos antepassados em 1900 e a qualidade de nossas vidas é muito melhor do que era antes.

Mas o uso da ciência e da tecnologia não depende apenas da ciência e dos cientistas. Depende de uma interação de fatores culturais, econômicos e políticos.

A ciência é um triunfo do conhecimento humano e todos podemos compartilhar essa emoção.

Ao mesmo tempo, entender seus múltiplos usos pode nos ajudar a nos envolver nas decisões que nos afetam.

CONTINUAR LENDO
Artigo anteriorA misteriosa nuvem radioativa de origem desconhecida que cobriu a Europa por mais de 15 dias
Próximo artigoAmor e ódio de Einstein pela mecânica quântica
Douglas Rodrigues Aguiar de Oliveira
Sou fundador da Universo Racionalista | Graduando em Tecnologia em Redes de Computadores pela Universidade de Franca | Especialista em Fundamentals of Computing Network Security ( • Design and Analyze Secure Networked Systems • Basic Cryptography and Programming with Crypto API • Hacking and Patching • Secure Networked System with Firewall and IDS ) pela University of Colorado | Especialização em andamento em Cybersecurity ( • Computer Forensics • Network Security • Cybersecurity Fundamentals • Cybersecurity Risk Management • Cybersecurity Capstone ) pela Rochester Institute of Technology | Certificação em Information Security Specialist ( • InfoSec Foundation • Ethical Hacking Essentials • Computer Forensics Foundation ) pela ITCERTS | Certificação em Information Security Analyst ( • Information Security Policy Foundation • Vulnerability Management Foundation ) pela ITCERTS | Cursei integralmente as disciplinas teóricas em Licenciatura em Filosofia pela Universidade de Franca, mas não realizei o estágio supervisionado para a obtenção do diploma de Ensino Superior | Especialista em Journey of the Universe: A Story for Our Times pela Yale University | Colaborador do Instituto Ética, Racionalidade e Futuro da Humanidade | Colunista da Climatologia Geográfica | Membro da Rede Brasileira de Astrobiologia | Abaixo, segue o endereço do currículo na plataforma Lattes e LinkedIn.