Como as plantas colonizaram o ambiente terrestre?

Publicado na Investigación y Ciencia
Estudo publicado na Proceedings of the National Academy of Sciences

Uma equipe formada por pesquisadores do Centro John Innes, em Norwich, da Universidade de Wisconsin-Madison e de outros centros, descobriram como uma alga primitiva conseguiu sobreviver ao ambiente terrestre antes de converter-se na primeira planta do mundo que habitou e colonizou nosso planeta.

Até agora, assumia-se que a alga, depois de chegar-se a Terra, tinha desenvolvido a capacidade de obter nutrientes essenciais através de uma estreita associação com um tipo benéfico de fungo denominado micorriza arbuscular (AM), que ainda existe hoje e que ajuda as raízes das plantas a captar nutrientes e a transformar a água do solo em carbono.

A descoberta prévia de esporos fossilizados de 450 milhões de anos de idade similares as esporas de micorriza arbuscular faz pensar que este fungo havia estado presente no ambiente onde encontravam-se as primeiras plantas terrestres. Também descobriram restos de um fungo pré-histórico no interior das células dos macrofósseis vegetais mais antigos, o que reforça tal ideia. Contudo, os cientistas não sabiam como a alga antepassada das plantas terrestres tinha sobrevivido tempo o suficiente para mediar um acordo quid pro quo com um fungo. A nova descoberta aponta que a alga tinha desenvolvido esta capacidade fundamental enquanto ainda vivia nas águas de nosso planeta.

Os autores do estudo analisaram o DNA e o RNA de algumas das plantas terrestres e algas verdes mais primitivas conhecidas e encontraram evidências de que o antepassado comum que vivia nas águas da Terra detinha o conjunto de genes, ou vias simbióticas, que necessitava para detectar e interagir com o benéfico fungo micorrízico.

Os pesquisadores acreditam que esta capacidade foi fundamental para que a alga pudesse sobreviver fora da água e colonizar a terra. Ao colaborar com o fungo em busca do sustento, a alga mostra uma clara vantagem evolutiva que foi selecionada para prosperar em um ambiente muito diferente e aparentemente estéril.

CONTINUAR LENDO
Artigo anteriorA composição química do cosmos é universal
Próximo artigoAs matemáticas não conseguem resolver um problema de física
Douglas Rodrigues Aguiar de Oliveira
Sou fundador do Universo Racionalista | Graduando em Tecnologia em Redes de Computadores pela Universidade de Franca | Pós-graduando em Ethical Hacking e Cybersecurity do Centro de Inovação VincIT (UNICIV) pela Faculdade Eficaz | Especializando em Cybersecurity pela Rochester Institute of Technology (edX MicroMasters Programs) | Especialização em Fundamentals of Computing Network Security pela University of Colorado System (Coursera Specialization) | Especialização em Journey of the Universe: A Story for Our Times pela Yale University (Coursera Specialization) | Graduação interrompida em Licenciatura em Filosofia pela Universidade de Franca | Colaborador do Instituto Ética, Racionalidade e Futuro da Humanidade | Colunista da Climatologia Geográfica | Membro da Rede Brasileira de Astrobiologia | Membro do Science Vlogs Brasil | Interesse em Divulgação Científica das ciências fáticas em geral | Interesse em Filosofia da Ciência no problema da demarcação entre Ciência e Pseudociência e da justificação entre Realismo e Antirrealismo | Estudando também o problema entre Tecnologia e Pseudotecnologia na Filosofia da Tecnologia | Interesse em Segurança Defensiva e Segurança Ofensiva em sites, servidores e redes de computadores | Endereço do Currículo Lattes e do LinkedIn.