Como o corpo e a mente conversam entre si para entender o mundo

0
250

Você já foi surpreendido por alguém de repente falando com você quando pensou que estava sozinho? Mesmo quando essa pessoa se desculpa por te surpreender, seu coração continua batendo acelerado. Você está muito consciente dessa sensação. Mas que tipo de experiência é essa, e o que ela pode nos dizer sobre as relações entre o coração e o cérebro?

Quando consideramos os sentidos, tendemos a pensar em visão e som, gosto, tato e olfato. No entanto, estes são classificados como sentidos exteroceptivos, isto é, eles nos dizem algo sobre o mundo exterior. Em contraste, a interocepção é um sentido que nos informa sobre nossas sensações corporais internas, como a batida do nosso coração, o bater de borboletas no estômago ou a sensação de fome.

O cérebro representa, integra e prioriza informações interoceptivas do corpo interno. Estes são comunicados através de um conjunto de caminhos neurais e humorais distintos (isto é, transmitidos pelo sangue). Essa percepção dos estados internos do corpo faz parte da interação entre o corpo e o cérebro: mantém a homeostase, a estabilidade fisiológica necessária à sobrevivência; fornece os principais motivadores como a fome e a sede; explicitamente representa sensações corporais, como a distensão da bexiga. Mas isso não é tudo, e aqui reside a beleza da interocepção, pois nossos sentimentos, pensamentos e percepções também são influenciados pela interação dinâmica entre corpo e cérebro.

A formação da experiência emocional através da fisiologia interna do corpo é reconhecida há muito tempo. O filósofo americano William James argumentou em 1892 que os aspectos mentais da emoção, os “estados sentimentais”, são um produto da fisiologia. Ele inverteu nossa causalidade intuitiva, argumentando que as próprias mudanças fisiológicas dão origem ao estado emocional: nosso coração não bate porque estamos com medo; o medo surge do nosso coração batendo. Experiências contemporâneas demonstram a representação neural e mental das sensações corporais internas como integrantes da experiência das emoções; aqueles indivíduos com interocepção maior tendem a vivenciar emoções com maior intensidade. A ínsula anterior é uma área essencial do cérebro, processando tanto as emoções quanto os sinais viscerais internos, apoiando a ideia de que essa área é fundamental para processar as sensações corporais internas como um meio de informar a experiência emocional. Indivíduos com interocepção maior também têm maior ativação da ínsula durante o processamento interoceptivo e aumentam a densidade de massa cinzenta desta área.

Então, o que é interocepção aprimorada? Algumas pessoas são mais precisas do que outras em sentir suas próprias sensações corporais internas. Enquanto a maioria de nós talvez esteja ciente do nosso coração batendo quando estamos assustados ou apenas corremos para o ônibus, nem todo mundo pode sentir com precisão seus batimentos cardíacos quando em repouso. A precisão interoceptiva pode ser testada no laboratório; nós monitoramos sinais fisiológicos e medimos com que precisão eles podem ser detectados. Historicamente, a pesquisa se concentrou no coração, pois são sinais discretos que podem ser facilmente quantificados. Por exemplo, um experimento típico pode envolver a apresentação de um estímulo externo periódico (por exemplo, um tom auditivo) que fica preso ao batimento cardíaco, de modo que cada tom (‘bipe’) ocorre quando o coração está batendo ou entre batimentos cardíacos. Os participantes afirmam se esse estímulo externo é sincrônico ou assíncrono com o próprio coração. A precisão interoceptiva de um indivíduo é um índice de quão bem eles são capazes de fazer isso.

Também é possível medir índices subjetivos de quão precisas as pessoas pensam em detectar sensações corporais internas, verificadas por meio de questionários e outras medidas de autorrelato. Meu trabalho mostra que os indivíduos podem ser interoceptivamente precisos (ou seja, bons nesses testes de percepção do batimento cardíaco) sem estarem conscientes de que estão. Desta forma, os sinais interoceptivos podem guiar e informar sem penetrar plenamente na percepção consciente.

Diferenças individuais na interocepção também podem ser investigadas usando métodos de imagem cerebral, como por meio da representação cerebral de sinais aferentes (por exemplo, potenciais evocados por batimentos cardíacos expressos em um sinal neural de EEG). A neuroimagem funcional também pode ser usada para investigar quais áreas do cérebro são mais ativas quando se focaliza um sinal interoceptivo (por exemplo, o coração) em relação a um sinal exteroceptivo (por exemplo, um tom auditivo).

Nossos corações não batem com regularidade e, embora possamos identificar que nossos corações corram com medo ou exercício, talvez não apreciemos plenamente a complexidade da estrutura temporal subjacente a nossos batimentos cardíacos. Por exemplo, as assinaturas cardíacas também estão associadas a estados como antecipação. Esperar que algo aconteça pode fazer com que nossa frequência cardíaca diminua: isso acontecerá nos semáforos, ao esperar que fiquem verdes. Esses efeitos de antecipação, potencialmente facilitando o corpo e a mente a adotarem um estado pronto para ação, destacam a composição significativa dos sinais corporais internos.

Sinais corporais internos podem ser profundamente informativos, e é por isso que detectá-los pode fornecer um canal extra de informações para influenciar a tomada de decisões. Instinto ou intuição durante um jogo de cartas também pode ser guiado por interocepção. As assinaturas corporais (frequência cardíaca, resposta de condutância da pele) podem sinalizar quais cartas são boas (isto é, mais provavelmente associadas a um resultado positivo), mesmo na ausência de conhecimento consciente de que um cartão é bom. Assim, o coração “sabe” o que a mente ainda não percebeu, e o acesso a essa assinatura corporal pode guiar a tomada de decisão intuitiva para um resultado melhor. Em uma extrapolação do mundo real, visitei a Bolsa de Valores de Londres para trabalhar com operadores de alta frequência. Esses comerciantes alegavam que suas decisões eram muitas vezes dirigidas pelo instinto, quando se deparavam com informações velozes que o cérebro consciente ainda não conseguia processar. Meus colegas e eu demonstramos que a precisão interoceptiva foi reforçada naqueles comerciantes que eram mais hábeis em negociar, potencialmente fundamentando seus instintos intuitivos na capacidade de sentir mudanças informativas em sinais corporais internos.

Uma apreciação de que os sinais corporais podem guiar a emoção e a cognição fornece potenciais mecanismos interoceptivos pelos quais esses processos podem ser interrompidos. A alexitimia, definida como uma capacidade prejudicada para detectar e identificar emoções, está associada à redução da precisão interoceptiva. Indivíduos autistas, que muitas vezes têm dificuldade em compreender as emoções, também demonstraram ter uma precisão interoceptiva prejudicada. A representação neural das assinaturas corporais é alterada no transtorno de personalidade borderline (também conhecido como transtorno de personalidade emocionalmente instável), e as intervenções destinadas a focalizar o corpo, como a atenção plena, demonstraram reduzir a ansiedade. O insight sobre a natureza desses mecanismos incorporados abre caminhos potenciais para maior compreensão e intervenção direcionada.

Além de nos contar sobre nossas próprias emoções, nossos corpos respondem à alegria, dor e tristeza dos outros. Nosso coração, por exemplo, pode acelerar rapidamente se nos depararmos com entes queridos em alguma experiência de medo, e nossos alunos podem adotar uma assinatura fisiológica de tristeza em resposta à tristeza dos outros. Se você prestar atenção ao seu coração e às respostas corporais, eles poderão lhe dizer como estão se sentindo e compartilhar as emoções dos outros. A interocepção pode aumentar a profundidade de nossas próprias emoções, nos vincular emocionalmente àqueles que nos rodeiam e guiar nossos instintos intuitivos. Agora estamos aprendendo o quanto a maneira como pensamos e sentimos é moldada por essa interação dinâmica entre corpo e cérebro.

Sarah Garfinkel é professora de neurociência e psiquiatria na Universidade de Sussex.

CONTINUAR LENDO