Como os hábitos de acasalamento com moscas da areia estão ajudando a combater doenças tropicais em um projeto de 2,5 milhões de libras

0
146
Crédito: Organização Mundial da Saúde.

Por Gillian Whitworth
Publicado na EurekAlert

A doença tropical Leishmaniose está sendo combatida pela captura de flebotomíneos fêmeas que carregam o parasita causador da doença.

Cientistas liderados pelo Dr. Orin Courtenay da Universidade de Warwick e Professor Gordon Hamilton da Universidade de Lancaster, desenvolveram o conceito como parte de um projeto de 2,5 milhões de dólares financiado pelo Wellcome Trust e publicado na revista PLOS Neglected Tropical Diseases.

Atualmente, há planos de comercializar a pesquisa, que envolve o uso de uma cópia sintética de um feromônio masculino para atrair moscas femininas para áreas tratadas com inseticida.

Globalmente, mais de 350 milhões de pessoas estão em risco de infecção por Leishmaniose, com até 300.000 novos casos por ano e aproximadamente 4.500 mortes por ano apenas no Brasil. Crianças com menos de 15 anos são afetadas desproporcionalmente.

Na América Latina, Europa, Norte da África e partes da Ásia Central e Oriental, o parasita Leishmania é transmitido de cães infectados por moscas da areia quando eles mordem pessoas. A leishmaniose visceral afeta os órgãos internos e é fatal se não for tratada, pois não há vacina humana para a doença.

No Brasil, os cães são sacrificados se forem encontrados infectados, mas isso tem pouco efeito no número de casos humanos. Coleiras impregnadas de inseticida podem ser usadas para proteger cães, mas são caras demais para muitas pessoas e, como o abate de cães, a cobertura protetora é irregular.

O professor Hamilton disse: “Queríamos desenvolver um método menos dispendioso para capturar grandes quantidades de flebotomíneos para reduzir o número de cães infectados, que por sua vez atuam como fonte de infecção para as pessoas”.

Os pesquisadores introduziram uma saqueta do feromônio da mosca da areia para atrair moscas fêmeas para galpões de frango já pulverizados com inseticida.

“Isso matou um grande número de moscas da areia”.

Os efeitos benéficos desse método de “atrair e matar” reduziram os flebotomíneos femininos em 49% em comparação com 43% no colar apenas com inseticida.

O Dr. Orin Courtenay, da Escola de Ciências da Vida e do Instituto Zeeman da Universidade de Warwick comenta: “Os efeitos benéficos do método de atrair e matar foram mais visíveis ao reduzir a incidência de infecção confirmada e a carga clínica de parasitas em cães em cerca de 50%, além de reduzir a abundância de moscas da areia.

“Nossa abordagem será muito mais barata e produzirá um resultado tão bom quanto o colar de inseticida”.

O próximo estágio é trabalhar com a indústria para sintetizar o feromônio a granel, pronto para uso nas áreas afetadas.

CONTINUAR LENDO