Como procurar por vida em Marte?

0
301

Por Tia Ghose

SÃO FRANCISCO – A vida deixou a sua marca em praticamente qualquer lugar neste planeta verdejante.

O ambiente da Terra molda não só as formas de vida que evoluem, mas o planeta realmente evolui e muda em resposta a esses organismos. Então, se a vida estiver à espreita em Marte, os pesquisadores precisam procurar evidências de vida modificando habitats do planeta vermelho, disse Nathalie Cabrol em 14 de dezembro na palestra Carl Sagan na American Geophysical Union’s.

“Foi só recentemente que entendemos não só que o ambiente muda, mas [também] a vida tem um impacto sobre a forma como o ambiente pode mudar”, disse Cabrol, que é uma cientista de pesquisa sênior e diretora do Centro Carl Sagan do Instituto SETI na Califórnia, e que deu a palestra.

No entanto, não será fácil observar as evidências de mudanças causadas por formas de vida, disse Cabrol. Em qualquer exploração em Marte é preciso olhar para a escala certa para encontrar evidências de vida modificando seu habitat, disse ela.

Habitabilidade versus habitat

Viagens recentes a Marte têm rendido provas bastante conclusivas de que o Planeta Vermelho abriga áreas teoricamente habitáveis, como as crateras Gusev e Gale. Por exemplo, a exploração química revelou que em diferentes pontos da história marciana, o planeta tinha uma abundância de blocos de construção da vida, tais como dióxido de carbono, azoto, ácido clorídrico e metano, disse Cabrol. Deltas de rios e depósitos de tsunamis antigos revelam que Marte tinha uma coluna de água e até mesmo, brevemente, um oceano primevo. Erosão em rochas e atividade geológica hidrotermal podem ter fornecido a energia química necessária para a vida, disse ela.

Mas ser habitável é muito diferente de realmente ter um habitat, disse ela.

“O nosso planeta é bio-óbvio”, disse Cabrol. Quando se observa assinaturas do espaço de vida em toda parte, elas são visíveis em toda parte, disse Cabrol. “Há uma forte mensagem emanando de nosso planeta:” Eu estou vivo.”

Por outro lado, a Marte também está enviando uma forte mensagem de que a vida não tem feito uma grande impressão sobre o planeta vermelho, disse ela.

Uma breve janela de oportunidade

A evidência sugere que a atmosfera marciana estava em declínio em uma época tão remota quanto 4,1 bilhões de anos atrás, e qualquer água na superfície provavelmente secou há muito tempo. Com uma atmosfera fina, bombardeios de radiação cósmica mortal e, provavelmente, ausência de água corrente, qualquer forma de vida em Marte provavelmente surgiu muito cedo na história do planeta, durante um tempo conhecido como o período Noachiano (entre 4,1 bilhões e 3,7 bilhões de anos atrás), disse Cabrol. Se Marte ainda suporta vida, ele provavelmente é subterrânea, protegida do ambiente hostil atual do planeta, disse ela.

“A janela de tempo era muito pequena”, disse Cabrol.

Para entender quais tipo e formas de vida marciana procurar, os pesquisadores precisam entender melhor a vida no período Noachiano em Marte que é equivalente ao período Archeano da Terra, entre 4 e 2 bilhões de anos atrás. Durante esse período, toda a vida na Terra consistiu de primitivas criaturas unicelulares que não tinham núcleos.

Naquela época, tapetes microbianos de cianobactérias estavam em piscinas rasas de grãos de água presos em sedimentos para construir uma espécie de habitação rochosa. Extensões enormes de estruturas rochosas bulbosas de bilhões de anos foram encontrados na Terra. Outras formas primitivas de vida foram escavadas em torno de fontes hidrotermais, criando estruturas em forma de cone, disse Cabrol.

Análogos da Terra

Outra maneira de determinar o que procurar é encontrar o maior número de lugares de Marte – como na Terra. O deserto hiper-árido e de grande altitude, o Atacama, onde cai apenas 0,6 polegadas (15 milímetros) de chuva por ano – e que costumava ser muito mais úmido – é exposto à radiação ultravioleta e tem recursos geotérmicos ativos, tais como fontes termais.

“Se você quiser encontrar micróbios, você tem que considerar micróbios muito antigos, que precisam de abrigo e que necessitem de se adaptar para sobreviver”, disse Cabrol. Micróbios também teriam que “organizar-se em torno de oásis de forma muito rápida.”

Estes oásis de Marte poderiam ser semelhantes, em alguns aspectos, aos lagos de evaporação, salinas e fontes termais do Atacama, disse Cabrol.

Criaturas antigas nesses ambientes marcianos seriam provavelmente extremófilos ou superbactérias que são altamente adaptáveis ​​e são, possivelmente, muito rápidas em formar comunidades simbióticas, disse Cabrol.

Embora as estruturas que poderiam fornecer habitats microbianos possam ser encontradas em Marte, os pesquisadores terão que saber onde procurar, em primeiro lugar, disse Cabrol. Eles não terão muitas oportunidades para vasculhar em muitos lugares, disse ela. Encontrar as ferramentas com a resolução certa para identificar os habitats também vai ser um desafio, acrescentou Cabrol.

No entanto, drones que poderão voar para cima e para baixo observando a área em diferentes escalas poderiam revelar alguns dos detalhes finos que forneceriam pistas para a vida antiga, ela disse.

E algumas ferramentas que já estão prontas para a missão Mars 2020 podem revelar indícios de potenciais habitats. Por exemplo, Cabrol mostrou imagens da cratera Gusev. Fotos antigas careciam de resolução para revelar qualquer indício de habitat. Mas, a observação de espectros de luz refletida pode ser uma peça fundamental para observar esses indícios. “Os espectros estão nos dizendo que isso é algo que poderia estar relacionado com atividade hidrotermal “, disse Cabrol. “Só há uma maneira de saber – é para voltar.”

Traduzido e adaptado de LiveScience

CONTINUAR LENDO
Compartilhar
Artigo anteriorLivros polêmicos e provocantes!
Próximo artigoObservado espectro de luz de antimatéria pela primeira vez no CERN
Graduado em Física pela UEPB. Mestrando em Cosmologia, gravitação e física das partículas pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico e experiência na área de artes, com ênfase em pinturas e desenhos realistas. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229

Deixe um comentário

Seja o Primeiro a Comentar!

Notify of
avatar
wpDiscuz