Fatos Morais Objetivos

1
1482

Por Richard Carrier

Existe uma moralidade objetivamente verdadeira?

A pergunta geralmente desvia-se quando aqueles que a pedem ou respondem deixam de esclarecer o que eles querem dizer com “objetivamente verdade”. Na verdade, as pessoas que fazem ou respondem a essa pergunta quase nunca definem o que elas querem dizer com isso. E, mesmo quando o fazem, nunca estabelecem porque sua definição é pertinente. Alguém fazendo a pergunta pode dar um sentido de objetivo, um sentido de “verdadeiro”, como não sendo algo inventado, que sabemos, pensamos ou acreditamos que algo é verdade. Então, alguém que as responde pode agir como se “objetividade” significasse algo baseado em uma autoridade externa, ou não acessado através da experiência subjetiva. Quando, na verdade, isso não é o que o questionador estava perguntando. Às vezes as pessoas confundem “objetivo” como sendo o oposto do “relativo”, quando, de fato, muitas verdades relativas são, também, objetivamente verdadeiras; Ou confundem “objetivo” com “absoluto, sem exceções”, quando, na verdade, as exceções podem ser tão objetivamente verdadeiras quanto a regra.

Então, antes de debater esta questão com alguém, você precisa ler sobre isto. Porque você precisa resolver isto primeiro. Você tem que saber sobre o que é que você está realmente debatendo. Antes que você possa evitar de falar um sobre o outro ou esquivar-se do problema real.

Objetivo versus subjetivo

Tudo no universo é acessado por nós somente através da experiência subjetiva. No entanto, ainda há uma diferença entre o que é verdadeiro sobre essa experiência (que eu vejo uma certa forma, que eu sinto uma certa maneira, que eu acho uma certa coisa), e o que podemos inferir ser verdade sobre o mundo a partir dessa experiência. (Eu vejo uma maçã, meu sentimento de medo indica que estou em perigo, o que eu estou pensando é verdade). Em certo sentido, as cores só existem subjetivamente; Não há tal coisa como “vermelho” no mundo externo. É inteiramente um produto evocado do nosso cérebro, uma ficção que nossa mente usa para tentar acompanhar o que existe no mundo externo, que é uma rede de átomos estruturados de tal forma que absorvem predominantemente todos os fótons, exceto aqueles que vibram em frequências de cerca de 450 terrahertz, que são transmitidos ou refletidos, e os fótons transmitidos ou refletidos atingem células de cone em nossos olhos, iniciando uma reação química, produzindo um sinal elétrico correspondente para o cérebro. Em nenhuma parte há nada de cor vermelha. A vermelhidão só é experimentada; Nada existe que seja vermelho.

Há, pelo menos, um fato objetivo sobre as cores, que é que, onde quer que exista um certo sistema físico, a experiência das cores existirá, como uma propriedade inalienável desse sistema. E mesmo que não fosse esse o caso, mesmo se o fisicalismo ou o epifenomenalismo fossem falsos, seria ainda o caso que “as cores existirem” é um fato objetivamente verdadeiro do mundo – porque nossa experiência delas é uma parte do mundo; Portanto, este mundo contém experiência de cor, seja qual for a sua forma. Se sabemos ou acreditamos nisto ou não, continua a ser verdade. Assim, mesmo algo tão radicalmente subjetivo quanto a existência da cor vermelha ainda é um fato objetivo. Então, o que exatamente queremos dizer quando queremos saber se a moral possuem fatos objetivos? São como as cores? Ou são como os fótons? Ou são como algo mais? Existe alguma maneira que elas poderiam ser, ou não ser, um fato objetivo do mundo?

Tipicamente, a distinção objetivo / subjetivo é feita entre “opiniões / sentimentos / emoções” (fatos subjetivos) e “o que pode ser observado ou medido independentemente” ou “o que existe independentemente do que pensamos ou sentimos” (fatos objetivos). Mas, nós temos certos sentimentos ou opiniões que podem ser observados independentemente (por exemplo, por uma futura tecnologia de varredura cerebral, porque sentimentos e opiniões são uma propriedade física, objetiva, ou um estado de nosso cérebro). E eles existem independentemente do que qualquer outra pessoa pensa ou sente. Assim, o fato de nós sentirmos alguma coisa ou termos uma certa opinião é um fato objetivo do mundo.

E ainda há um fato objetivamente verdadeiro do mundo aqui: Seus sentimentos sobre uma música, de certa maneira, se manifestará em um arranjo físico, e seu estado cerebral pode, a princípio, ser observado por um terceiro devidamente informado, sem nunca ter que perguntam o eles estavam achando da música. Também pode haver propriedades objetivamente verdadeiras da música que, uma vez chamados à atenção delas, muda sua opinião sobre ela; Mas, mesmo assim, sua opinião ainda só se transforma em reação a seus próprios sentimentos e respostas individuais e não a qualquer coisa que seja verdadeira do mundo, além de si mesmos e de suas próprias idiossincrasias (veja Musical Aesthetics; e a parte VI do meu livro, Sense and Goodness without God). Em última análise, pode ser simplesmente o caso de um indivíduo não ter adquirido as estruturas neurais que tornem essa música agradável para eles. E geralmente estamos bem com isso – e é por isso que “a beleza está no olho do espectador” é um provérbio amplamente respeitado.

Então, realmente, o que está realmente em questão quando as pessoas fazem essa distinção, entre a verdade objetiva e não objetiva, é se os outros devem se sentir obrigados a concordar com um julgamento. Se aceitarmos que “esta música é uma merda” é simplesmente uma descrição de como o agente se sente, então todos nós podemos concordar que é um fato objetivamente verdadeiro do mundo que é assim que eles se sentem. Não temos de concordar que “devemos” sentir a mesma coisa. Isso requer uma etapa extra de raciocínio. Exige, de fato, que “essa música merda” não seja simplesmente uma descrição de como o agente se sente. Tem de estar descrevendo outra coisa, que outros observadores podem concordar que é verdade.

E é geralmente neste quesito que as pessoas ficam confusas quando discutem se a moralidade é objetiva ou subjetiva. O que elas realmente querem dizer é se elas devem concordar com uma afirmação moral ou não. Mas então confundam essa questão, com a questão inteiramente diferente de saber se seu acesso às verdades objetivas do mundo é mediado pela experiência subjetiva. Mas, uma vez que todas as verdades objetivas são mediadas através da experiência subjetiva, essa questão é totalmente discutível. Como você se sente é uma coisa (por exemplo, que você sente medo); Se esse sentimento corresponde a algo que você deve realmente agir sobre é outra coisa inteiramente diferente (por exemplo, se algo verdadeiramente perigoso está se aproximando). Ambos são, simultaneamente, fatos objetivos e subjetivos do mundo. O medo é um fato objetivo sobre o seu cérebro. E o perigo só é conhecido por existir através da sua experiência subjetiva do mundo.

Da mesma forma, dor e sofrimento são sentimentos inteiramente subjetivos. São como nossas opiniões sobre a música. O que provoca dor em uma pessoa pode ser diferente do que causa dor em outra pessoa. Eles podem ter Estresse Pós-Traumático, ou um estado corporal em uma condição diferente, ou uma história passada diferente que faz algumas coisas mais dolorosas do que outras, ou apenas geneticamente têm uma dor tolerância diferente do que você [tolera]. No entanto, a dor e o sofrimento de qualquer pessoa são 100% subjetivos, todos os “simples sentimentos” são diferentes de pessoa para pessoa, mas ainda há um fato objetivamente verdadeiro de que algo está causando dor. Mesmo os Cristãos ao estilo da “teoria do comando divino” devem concordar que, o fato da dor ser pura e somente um “sentimento” não a torna irrelevante para o julgamento moral de terceiros. Ao contrário, o julgamento moral é sempre 100% dependente de se isso é verdade, se algo que você faz irá causar qualquer dor ou sofrimento.

Consequentemente, essa informação sobre fatos morais é sempre acessada subjetivamente, e de modo algum pode-se argumentar que fatos morais objetivos não existem. Não mais do que se pode argumentar que você não deve temer um urso prestes a atacar você; Ou pior, que um urso não está prestes a ataca-lo você quando você observa agindo como tal. Já que essa observação só pode ser subjetiva. No entanto, resta um fato objetivo sobre se um urso está realmente prestes a atacar você – e se você deve temer isso. Além disso, causar um sentimento puramente subjetivo de medo pode ser objetivamente errado, mesmo dentro do ramo mais fundamentalista da metaética. Pois, o que fará com que a experiência subjetiva e o que essa experiência subjetiva causará no sujeito que a experimenta são os fatos objetivos do mundo.

Objetivo vs. Relativo

Então, essa distinção não nos leva a lugar algum. A próxima confusão em que as pessoas caem é pensar que o oposto de “objetivamente verdadeiro” é “meramente relativo”, o que quer que isso signifique. Defensores do objetivismo moral irão contra o “relativismo cultural”, por exemplo, quando eles imaginam ser a crença de que a moral é apenas verdadeira dentro de culturas específicas, de modo que uma cultura não pode criticar a moralidade de uma outra cultura (e há tolos que, na verdade, acreditam que isto é apenas um espantalho, mas torna-se um espantalho, no entanto, quando se supõe que se é relativista dessa forma). Ou eles trilham contra algum tipo de relativismo biogênico (“especismo“, como eles chamam: Veja o Sense and Goodness without God, index). Ou o relativismo individual (em que cada indivíduo tem sua própria verdade moral, então é moralmente verdadeiro para eles). Ou relativismo situacional (o que moralmente verdadeiro é relativo e, portanto, muda com as circunstâncias). Como quiserem.

Esta é realmente uma falsa distinção. Mesmo que cada um desses “relativismos” seja verdadeiro, a moralidade ainda é um fato objetivo. Se o relativismo biogênico é verdadeiro, então é um fato objetivo do mundo que certas morais são verdadeiras para uma espécie e não para outra. E se há fatos morais para os seres humanos que não são verdadeiros para outros animais como tubarões ou macacos, não há nenhum argumento para dizer que devemos agir como tubarões ou macacos, quando na verdade devemos agir como seres humanos, um tipo específico de animal. Permanece objetivamente verdadeiro, nesse caso, que certos fatos morais são verdadeiros para nós, que não são verdadeiros para tubarões ou macacos.

Da mesma forma, o relativismo individual ou cultural: Ainda há fatos morais objetivamente verdadeiros para cada cultura e indivíduo; O que difere pelo indivíduo ou pela cultura não é diferente do que sua difere por sua linguagem ou roupas. Ainda é objetivamente verdade que sua linguagem e roupas são diferentes. E o relativismo situacional não é menos objetivo. Minha velocidade é relativa ao meu carro, que pode ser zero, ao mesmo tempo, em relação à estrada à frente, ser sessenta milhas por hora. No entanto, ambos permanecem fatos objetivamente verdadeiros do mundo. E eles permanecem verdadeiros independentemente do que eu penso, sinto ou acredito. Assim, como muitos estudantes da moral concordariam, se “é moral matar” depende da situação (homicídio como autodefesa, por exemplo), isso é fator objetivamente verdadeiro do mundo: Que matar é aprovado na situação A, mas não na situação B. Com os sistemas diferindo fisicamente (por exemplo, entre homicídio e autodefesa), e diferindo de formas objetivamente observáveis ​​e mensuráveis.

O que as pessoas parecem estar realmente preocupadas com acusações alarmistas como “relativismo” é que o “relativismo” soa como se pudéssemos simplesmente inventar qualquer moralidade que desejarmos. E, “portanto”, não há nenhuma verdade moral. A moral é, então, apenas como histórias de ficção. Nós podemos inventar qualquer coisa que gostamos. Não há sentido em que um seja melhor do que o outro. E é nisso que geralmente as pessoas ficam presas quando discutem se a moralidade é objetiva ou relativa. O que elas realmente querem dizer é se alguém deve concordar ou não com uma afirmação moral; Se elas são pessoas diferentes ou vivem em culturas diferentes, de alguma forma, torna-se imune a condenação ou a correção. Mas, então, elas confundem essa questão, com a questão inteiramente diferente de se há um fato objetivamente verdadeiro sobre como essa outra pessoa se comporta – mesmo que seja diferente de como devemos nos comportar.

Por exemplo, as leis de trânsito são, obviamente, culturalmente relativas. Como as histórias de ficção, elas são completamente inventados por cada cultura, como quiserem. E ainda há um fato objetivo da matéria que eles percebem. Há sistemas de tráfego melhores e piores, quando medidos pelo padrão pelo qual foram inventados. E isso permanece apenas independentemente de suas opiniões, sentimentos ou crenças. Por exemplo, o sistema em que foi imposto a que lado que as estradas de dupla via devem estar para se dirigir, para causar muito menos colisões de tráfego, sendo algo universalmente reconhecido (e universalmente necessário). Assim, em algumas culturas, os veículos são esperados para dirigir à direita; Em outros, à esquerda. O que é completamente arbitrário. E, em completa consequência com relação à que cultura na qual você está inserido no momento. No entanto, é um fato objetivamente verdadeiro que todos devem conduzir num mesmo lado da estrada – qualquer que seja o lado, culturalmente – se eles querem evitar colisões de trânsito.

Assim, o relativismo cultural não permite apenas quaisquer regras ou costumes que desejarem. Não há nenhum fato objetivamente verdadeiro que os carros devem dirigir à direita e não à esquerda para reduzir as colisões. Há, entretanto, um fato objetivamente verdadeiro que todos os carros devem dirigir à direita ou à esquerda para reduzir colisões. Além disso, embora seja culturalmente relativo, se você dirige à direita ou à esquerda, quando você está em uma cultura que dirige à direita, você deve dirigir à direita. O lado em que você deve dirigir é um fato objetivo de um sistema cultural na qual você está atravessando naquele tempo. Assim, o relativismo não tem qualquer influência sobre a existência de uma moralidade objetiva. A moral objetiva pode existir – e ser relativa, para o indivíduo, cultura, situação ou espécie.

Então, chegando realmente ao ponto…

Sempre que você entrar em um debate sobre ou ver um argumento sobre se os fatos morais objetivos existem, pare tudo até que você verifique sobre o que você ou os outros estão realmente discutindo.

Algumas pessoas querem que fatos morais existam de forma externa e transcendente aos seres humanos. Como as pessoas que querem que a posição das estrelas em nossos nascimentos influenciem nossas personalidades, elas só vão ter que aceitar estar decepcionadas. O mundo não funciona dessa maneira, e nunca funcionou assim. Todas as evidências de milhares de anos de história confirmam o fato. Fatos morais são fatos sobre seres humanos. Portanto, eles não podem, mesmo em princípio, existir fora e transcendente aos seres humanos. São as propriedades dos seres humanos (especialmente o que nos causa dano e sofrimento e o que não) que implicam fatos morais. Se fôssemos diferentes (por exemplo, se a violência nunca nos causasse dano, mas, na verdade, sempre nos fizessem mais felizes e saudáveis), os fatos morais sobre nós seriam diferentes.

Mas algumas pessoas querem ser capazes de dizer sinceramente que todos devem concordar com o que é moralmente verdadeiro – e que quando não o fazem, alguém está errado. Eles querem ser capazes de dizer que os nazistas e os sulistas proprietários de escravos dos EUA e os israelitas bíblicos eram imorais – e, de fato, isso deveria ser um fato incontestável. Eles querem ser capazes de dizer que houve progresso moral na história humana – o que exige que haja alguma verdadeira moralidade a que nos estamos aproximando. Isto é o que a maioria das pessoas realmente querem dizer, quando dizem que têm de haver alguma moralidade objetivamente verdadeira. Não basta apenas dizer que não gostamos dos nazistas e dos sulistas proprietários de escravos e dos israelitas bíblicos. Porque, qualquer um que queira ser como eles pode simplesmente dizer “E daí?”. Assim, como alguém que discorda conosco sobre que tipo de música gostava, nossa declaração de que eles eram imorais seria um gesto sem sentido e inútil – e totalmente ineficaz para qualquer propósito. Nós poderíamos mais chamá-los de imorais por agir assim, como não podemos chamá-los de imorais por gostar de uma música diferente.

Mas esta é uma péssima tática para responder a alguém que diz que há fatos objetivos, “mas os valores são subjetivos”. Isso, de forma alguma, implica que não há um fato objetivamente verdadeiro da questão quanto a quais valores todos nós devemos ou não ter. É igualmente impertinente insistir que a moralidade é simplesmente apenas relativa. Porque, isso só é verdade se for objetivamente verdade que diferentes moralidades são obtidas para pessoas diferentes. O que obriga você a verificar tal situação. É realmente o caso que culturas diferentes devem se comportar de maneiras diferentes? É realmente o caso que cada sistema moral é inteiramente igual a qualquer outro e nunca pode haver qualquer razão para criticar qualquer um deles? É realmente o caso que não existe um sistema moral que, implementado em qualquer lugar por qualquer um, faria do mundo um lugar melhor, mesmo por seus próprios padrões?

Portanto, não podemos apenas dizer que as coisas são relativas e subjetivas. Isso nem sequer aborda a questão do que é realmente verdadeiro. E a questão de saber se os fatos morais objetivos existem é simples e somente a questão de se quaisquer fatos morais são verdadeiros. Sim, isso significa não apenas algo verdadeiro para aquele que está fazendo o julgamento; Mas verdadeiro para aqueles que querem julgar. Verdadeiro, em outras palavras, para basicamente todos. Mas esse pode ser o caso, mesmo se os fatos morais fossem inteiramente relativos e envolvidos por fatos subjetivos da experiência humana.

A distinção de valores de fato: Não tão pertinente quanto você pensa

O que isso muitas vezes se resume a alguém que tenta argumentar que fatos e valores são totalmente diferentes – que os valores não são fatos, e por isso não pode haver qualquer “fatos” morais, só pode haver fatos sobre moralidade. Por exemplo, se o aborto mata uma pessoa, ou o casamento gay destrói o tecido da sociedade: essas questões podem ser respondidas empiricamente e cientificamente (a resposta em ambos os casos é não), mas essa questão ainda depende da suposição de que valorizamos as pessoas e O bem-estar da sociedade. E não apenas se fazemos, mas se devemos. E essa pergunta, dizem-nos, não pode ser respondida empiricamente ou cientificamente.

As pessoas que dizem que estão erradas.

Claro, você valoriza algo é um fato objetivo do universo. Isso não deve ser controverso em dizer. O que você valoriza é redutível a uma estrutura física em seu cérebro, de modo que se você mudar essa estrutura, você mudaria o que você valoriza e nenhuma mudança em seus valores seria possível sem mudanças correspondentes na estrutura do seu cérebro. Mas, como os valores são, nesse sentido, fatos empíricos, mesmo determináveis ​​cientificamente (afinal, a antropologia, a sociologia, a psicologia e a ciência cognitiva estão empenhados em determinar empiricamente o fato objetivamente verdadeiro do que certos grupos e indivíduos valorizam) sobre o que devemos fazer (como fazem os fatos sobre aborto e casamento gay, uma vez conjugados com um certo conjunto de valores), também implicam em coisas sobre o que devemos valorizar.

Pode ser objetivamente verdade que você deve se comportar de uma maneira diferente da que você pensa que seja melhor, quando fazer o que você acha que é melhor for auto-destrutivo – isso prejudicaria as coisas que você realmente valoriza. Você pode não saber ou acreditar que isso é o que você deve fazer, mas continua sendo verdade que você o deve – porque você simplesmente não percebeu como seu comportamento, de outra forma, está destruindo as coisas que você valoriza, em vez de mantê-las. Mas, uma vez que você percebeu isso, você concordaria que seu comportamento estava errado, mesmo por seus próprios padrões. De modo que você deve se comportar de determinada maneira é um fato objetivamente verdadeiro sobre você. Segue-se do que você realmente valoriza, e como suas ações servem ou frustram aquelas coisas que você valoriza. Mesmo isso não deve ser controverso para dizer. Deve ser bastante evidente, de fato.

O que pode ser surpreendente dizer é que isso também vale para os valores. Pode ser objetivamente verdade que você deve valorizar certas coisas, quando valorizar outras coisas, em vez disso, é auto-destrutivo – porque valorizar as coisas faz com que você as persiga, e persegui-las pode prejudicar as coisas que você mais valoriza. Você pode não saber ou acreditar que você deve valorizar essas coisas, mas continua sendo verdade que você deveria – porque você simplesmente não percebeu como sua valorização de outras coisas leva você a destruir as coisas que você valoriza ainda mais, ao invés de defendê-las. E, uma vez que você percebeu isso, você concordaria que seus valores estavam errados, mesmo por seus próprios padrões. De modo que ‘você deve valorizar certas coisas’ também é um fato objetivamente verdadeiro sobre você. Segue-se do que você mais valoriza e como seus outros valores servem ou frustram o que você mais valoriza.

Considere um exemplo:

Suponha que você priorize ganhar dinheiro, e o faça porque você valoriza o dinheiro acima de tudo. Que você deve fazer e valorizar isto ainda pode ser falso. Porque mesmo se você disser isso, mesmo se você acreditar [nisto], não é realmente verdade sobre você que você deve valorizar o dinheiro acima de tudo. Porque isso é impossível. Se você pensou sobre isso, o dinheiro realmente não tem valor para você, exceto no que diz respeito ao que você recebe com ele. Em outras palavras, você só valoriza o dinheiro porque você valoriza algo mais. Se você pudesse obter todas essas coisas, as coisas que você realmente mais valoriza, sem precisar de dinheiro – ou pior, se o dinheiro realmente fizesse com que você as perdesse, e assim não ganhando tais coisas – então você não mais valorizaria o dinheiro.

E, no entanto, a questão de saber se o dinheiro lhe dá as coisas que você mais deseja, ou de fato, lhe dá menos dessas coisas do que com outras abordagens, é uma questão empírica que pode ser respondida cientificamente. Assim, a ciência pode, de fato, dizer que é empiricamente falso que você deve valorizar o dinheiro acima de tudo. E o faria simplesmente apontando para os fatos empíricos reais sobre você (e, claro, o mundo) que revelam que a busca do dinheiro está prejudicando-o ao invés de ajudá-lo a ganhar as coisas que você realmente valoriza. E, na verdade, isso é, muitas vezes, o que se passa na terapia cognitiva: Um cientista verifica empiricamente o que você realmente valoriza mais e, em seguida, mostra empiricamente que suas prioridades estão minando seus próprios valores e ajuda a ajustar suas prioridades para que elas se alinhem a seus valores reais.

Sim, isso significa que, o que uma pessoa realmente valoriza mais será, em última análise, um fato subjetivo sobre elas. Embora ainda possa ser um fato que elas têm falsas crenças – como a pessoa querer dinheiro a todo custo, que não percebem que elas querem muitas outras coisas mais, coisas que podem ser mais eficientes e confiáveis de se obter, e, às vezes, só podem ser obtidas quando deixam de priorizar o dinheiro. Este é, portanto, um fato objetivamente verdadeiro de si mesmos e, portanto, do mundo. Não é como eles se sentem sobre a música. A verdade não reside no que acontece quando pensamos ou sentimos algo em qualquer momento aleatório. Reside no que pensaríamos e sentiríamos quando plenamente nos informamos e raciocinamos sem falácias.

Mas, será que não há pelo menos algum valor final, que é realmente a coisa que valorizamos acima de tudo? Sim. Necessariamente, de fato. Mas, esse valor final não poderia ser diferente para diferentes grupos ou indivíduos, de modo que o sistema de valores que uma pessoa deve adotar diferirá de uma pessoa para outra? Sim. E permanece, mesmo assim, um fato objetivamente verdadeiro que sistema de valores uma pessoa deve adotar. E podemos determinar qual sistema de valores é, empírica e cientificamente. Porque será um fato objetivamente verdadeiro sobre eles, observável a um terceiro (pelo menos em princípio). Embora também seja possível que o que os seres humanos finalmente valorizem seja universalmente o mesmo – como estar satisfeito com nós mesmos e com nossas vidas, como nossa situação pode permitir. Sendo que somos a mesma espécie, com as mesmas propriedades e necessidades fundamentais, vivendo no mesmo ambiente físico, pode muito bem acontecer que todos nós valorizamos a mesma coisa. E, se for esse o caso, então cada um de nós deve adotar o mesmo sistema de valores centrais. Mas, de qualquer maneira, existem fatos morais objetivos – sejam eles fatos universais sobre todos os seres humanos, ou fatos relativos a indivíduos ou tipos de indivíduos.

A volta sem Deus

Eu já esbocei sobre o que os fatos morais são e por que eles são totalmente empíricos e acessíveis à ciência – se nos incomodássemos em aplicar a ciência à tarefa (o meu caso peer-reviewed está em “Fatos Morais Existem Naturalmente (E a ​​Ciência pode encontrá-los) , “em John Loftus, ed., The end of Christianity, o caso coloquial compreende a Parte V de Sense and Goodness Without God). Ainda não fizemos muito. Ao contrário das afirmações de proponentes excessivamente zelosos desta ideia, como Michael Shermer e Sam Harris, ainda não descobrimos cientificamente o que devemos valorizar ou fazer. Eles confundem a alegação de que a ciência teoricamente poderia fazer isso, com a alegação de que já o faz. E, como resultado, eles (ou pelo menos Shermer), às vezes, propõem baboseiras pseudocientíficas sobre o que nossos valores morais devem ser, alegando falsamente que a ciência o diz (veja, por exemplo, o debate Shermer vs. Pigliucci sobre a Ciência Moral). Mas essa é sua própria loucura. Essa ciência poderia fazer e isso certamente permanece verdadeiro.

Na ausência de ciência colocada na tarefa de uma maneira metodologicamente relevante (e depois acumulando décadas de resultados, como precisaríamos, no mínimo), ainda temos acesso aos fatos morais empiricamente, apesar de não cientificamente. A maioria de nós carece dos recursos para aplicar rigor científico à questão, e aqueles que têm os recursos não estão aplicando-os à tarefa. Mas cada argumento moral em que você esteve provavelmente assumiu o acesso empírico a uma verdade moral objetiva que estava disponível. Você sempre argumenta a partir de valores do seu oponente para uma conclusão sobre o seu comportamento, ou por seus próprios valores para uma conclusão sobre o que eles devem valorizar. E esses são, todos, fatos objetivos do mundo.

O primeiro caso é o menos controverso: Quando você argumenta mostrando que, mesmo concedendo os valores que eles afirmam (por exemplo, valorizar o bem-estar das pessoas reais e da sociedade), eles devem se comportar de forma diferente (por exemplo, não impedir o acesso ao aborto ou ao casamento gay) dos fatos empíricos do mundo (por exemplo, fetos não são realmente pessoas, algumas mulheres que precisam de abortos para sobreviver, e a legalização do casamento gay não vai prejudicar a sociedade, enquanto se opor a isto sim). Você está argumentando unicamente a partir de fatos objetivos do mundo. Não só os fatos do mundo (sobre fetos, mulheres, pessoas gays, sistemas sociais…), mas fatos da pessoa com quem você está discutindo. Você está assumindo que eles valorizam o bem-estar das pessoas e da sociedade. E, se o fizerem, então isso é um fato objetivo sobre eles e, portanto, sobre o mundo. E, portanto, o que vocês concluem que deveriam fazer, dado seu próprio sistema de valores subjetivamente acessado, é um fato moral objetivo (para eles).

Mesmo que os fatos morais sejam diferentes para você, porque você valoriza coisas diferentes – que não importariam mais com a verdade objetiva de como deveriam se comportar, do que o fato de medir sua velocidade em relação ao carro em que você está dirigindo ou o motorista ao lado, que não importa para a verdade objetiva o quão rápido você está indo, pois ambas as velocidades são objetivamente verdadeiras. Se nada mudar, você não vai colidir com o volante, mas você irá colidir com um carro parado a sua frente: Ambos são 100% objetivamente verdadeiros. Da mesma forma, se eles deveriam fazer X, e você deveria fazer Y: Ambos serão 100% objetivamente verdades. Diferentes fatos morais são verdadeiros para cada um de vocês nesse caso. Contudo, eles ainda são fatos morais objetivamente verdadeiros.

Embora seja que, possuir os mesmos valores, seja como falar sobre o mesmo quadro de referência na descrição de sua velocidade: Os mesmos fatos morais serão, então, objetivamente verdadeiros para ambos. Do mesmo modo, “os mesmos valores morais”, nesse sentido, podem significar não apenas o que você valoriza e compartilha em comum, mas, de fato, o que você deveria valorizar – se, por exemplo, seu sistema de valores atual for autodestrutivo, um realinhamento estaria disponível por meio do qual seus valores subordinados iriam ser úteis, ao invés de minar o que você mais valoriza, e seria objetivamente verdade que você deveria realinhar seus valores dessa forma. Do mesmo modo, apontando que as ações de alguém contradizem seus próprios valores, elas deveriam se comportar de maneira diferente; Assim, também indicando que seus valores subordinados contradizem seus valores centrais, implicando que você deve valorizá-lo de forma diferente.

Isso é importante perceber, porque você pode se perder no enquadramento errado da questão do que verdadeiros fatos morais objetivos – e valores morais objetivamente verdadeiros – são.

Steve Novella observa, com razão, que as pessoas que usam a afirmação de “fatos morais objetivos” geralmente defendem alguma forma de teísmo (veja seu artigo Objective vs Subjective Morality). E isso finalmente fracassa (como eu expliquei em The Moral Bankruptcy of Divine Command Theory). Novella argumenta que os fatos morais não são nem objetivos nem subjetivos, e que os teístas estão criando uma falácia de falsa dicotomia na tentativa de racionalizar sua falsa moralidade. Realmente, ele argumenta, os fatos morais são uma composição de fatos objetivos e subjetivos. Novella pensa que a parte subjetiva são os valores motivadores; A parte objetiva é o que é necessário para realizar tais valores em ação (as leis da física, psicologia, sistemas sociais, etc.). Mas, como eu acabei de mostrar, é realmente mais complexo do que isso.

Embora os valores sejam normalmente acessados ​​apenas como fatos subjetivos (o que os indivíduos sentem, pensam e desejam), esses fatos subjetivos são, realmente, totalmente redutíveis a fatos objetivos: A estrutura física do cérebro de um indivíduo (incluindo estruturas universais compartilhadas entre todos os cérebros); E os fatos objetivos do que causam certos sentimentos em um sujeito, e o que esses sentimentos, então, causam no sujeito. Em outras palavras, que eu valorizo algo é um fato objetivo do universo (a princípio observável por um cientista olhando a estrutura do meu cérebro, se tivéssemos as informações neurológicas necessárias, algo que eventualmente teremos no futuro) exatamente da mesma maneira que meu cabelo é marrom ou que eu tenho 47 anos de idade são fatos objetivos do universo. Da mesma forma, se se verificar que todos os seres humanos valorizam a mesma coisa, isso também seria um fato objetivo do universo (assim como todos os seres humanos que precisam de alimento, água e ar para sobreviver são um fato objetivo do universo). E independentemente das diferenças entre você e eu no que nos faz sentir certas coisas, e que sentimento essas coisas então causam em nós, permanecem fatos objetivos, empiricamente e cientificamente acessíveis, sobre o que nos fará sentir uma certa maneira, E o que esses sentimentos causarão em nós.

Por isso, argumento que existem fatos morais objetivos. Mas não estou dizendo quais são os críticos de Novella – não tenho interesse nas falsas dicotomias irracionais dos teístas. Estou dizendo que há um fato objetivo do mundo sobre não apenas o que Novella concorda que existe (como as consequências reais de diferentes ações e escolhas – em outras palavras, o que precisamos fazer para realizar nossos valores), mas também sobre o que ele chama de fato subjetivo dos valores humanos. O que você realmente mais valoriza a qualquer momento é um fato objetivo do universo exatamente no mesmo sentido em que seu cérebro e sua estrutura são um fato objetivo do universo – porque um é inteiramente redutível a este último sem restante. Mas os fatos morais não seguem o que você acaba de valorizar mais a qualquer momento, porque você pode estar errado sobre o que você deve valorizar naquele momento. E eu não quero dizer ‘errado’ por algum padrão objetivo externo a você. Eu quero dizer errado, mesmo pelo seu próprio padrão interno subjetivo. Porque há, também, um fato objetivo do mundo sobre o que você valorizaria mais quando totalmente informado e usando o raciocínio sem falácias.

E, uma vez que isso é o que você valorizaria quando tem crenças verdadeiras, e verdadeiros fatos morais só podem se seguir de crenças verdadeiras, há um fato moral objetivo da questão quanto ao que você deve valorizar, não apenas um fato objetivo, mas quanto ao que você oferecer valor. E não deriva de qualquer padrão ou autoridade externa (como um Deus, ou uma Cultura, ou qualquer coisa cósmica). Deriva inteiramente de você. Mas isso permanece como um fato objetivo sobre você – e como você é um fato objetivo do universo, fatos objetivos sobre você são fatos objetivos sobre o universo. Novamente, assim como sua idade ou cor de cabelo ou preferências de música o são.

A questão que as pessoas querem saber é, ainda assim, obviamente, se esses fatos morais objetivos para você são os mesmos para eles, ou qualquer outra pessoa. Existe um conjunto de factos morais objetivos que seja verdadeiro para todos? Essa é uma questão diferente do fato de serem fatos objetivamente verdadeiros. Porque poderia haver um conjunto diferente de fatos morais objetivos para todos. No entanto, eles ainda seriam fatos morais objetivamente verdadeiros. Por exemplo, um observador plenamente informado e racional teria que concordar que os fatos morais que são verdadeiros para você realmente são os fatos morais que são verdadeiros para você, mesmo que não sejam os fatos morais que seja verdadeiro para ele. Em outras palavras, o observador não teria nenhuma base para criticar sua moralidade com base no que era verdade para eles, contanto que você estivesse seguindo a moralidade que era verdadeira para você. Mas eles poderiam criticar sua moralidade com base no que é verdade para você. E é aí que a maioria das pessoas se engana – por exemplo, eles podem concordar plenamente que a Regra de Ouro é verdadeira e, em seguida, inventar um sistema moral que rotineiramente a viola (como a condenação ao aborto ou à homossexualidade). Mesmo que a Regra de Ouro fosse apenas verdadeira para você, um observador externo. Eu (como um alienígena espacial sociopático que não tinha nenhuma razão para valorizar a Regra de Ouro) poderia ainda validamente criticar sua condenação da homossexualidade como violando seus próprios valores morais objetivamente verdadeiros.

E é assim que toda a crítica moral atua. Nós sempre criticamos qualquer uma dessas duas coisas: Ou argumentamos que um agente moral tem a ideia errada sobre quais são as consequências de uma ação (“permitir que a homossexualidade destrua a sociedade”), que é uma questão, de fato, acessada direta e empiricamente, ou nós argumentamos que um agente moral age contra seus próprios valores (“a Regra de Ouro implica tratar os homossexuais da mesma forma que os heterossexuais”). Assim, sempre apelamos para alguns valores que assumimos que o agente já tem. E, se realmente acreditarmos que eles não têm valores que os motivem a se envolver em qualquer comportamento moral, nós os declaramos um monstro, um inimigo da humanidade. E tal é o caso. Gostaríamos de tratá-los em conformidade. E plenamente devemos fazê-lo.

Conclusão

É tautologicamente o caso que, o que você deve fazer, acima de tudo, é o que alcance o que você quer, acima de tudo. Seguem-se fatos morais do que você deve fazer para conseguir isso, ao considerar que você tem que viver com você mesmo, com a verdade e com a sociedade, em seguida. No final, não queremos, afinal, ser pessoas terríveis – ser crueis, indiferentes, irracionais e desonestas. Se isso é verdade, e para quem é verdade, é uma questão empírica cientificamente testável. Portanto, fatos morais são fatos científicos. Nós apenas não aplicamos à ciência para responder às perguntas necessárias para ter respostas científicas da questão.

“Com o que você deve concordar, e o que você deveria valorizar e fazer, quando você já está plena e corretamente informado e usando de raciocínios sem falácias?” Não é uma questão que qualquer estudo científico tem tentado verificar, em você ou qualquer pessoa. Muito menos se a resposta seria a mesma para todos. A ciência nem sequer perguntou seriamente o que é que os seres humanos querem, afinal – o que, como explicou Aristóteles, é a coisa que buscamos, que é a razão pela qual buscamos ou valorizamos qualquer outra coisa. Nem mesmo dos indivíduos. Muito menos de todos nós, para determinar se é a mesma coisa para todos – e, se não, como e por que isso difere. A ciência poderia chegar a todas essas perguntas. Mas exigiria muito esforço especializado, desenvolvendo e aplicando novas metodologias. Isso implicaria bilhões de dólares e centenas de cientistas trabalhando sem parar por décadas.

Até que isso aconteça, temos apenas um acesso não-científico aos fatos empíricos relevantes, e temos que nos contentar com isso. A verdade moral é o que você faria se estivesse inteiramente informado e raciocinando sem falácias. E essa é uma generalização do que você vai fazer quando você está totalmente informado e usando de raciocínios sem falácias. E, como todos os outros conhecimentos empíricos, você procura aproximações cada vez mais precisas a isto com as melhores evidências disponíveis. Assim, como o que você deveria crer ser verdadeiro é o que você acreditaria ser verdadeiro se você estivesse plenamente informado e usando de raciocínio sem falácias, e apenas como que é uma generalização do que você vai acreditar ser verdadeiro quando você está plenamente informado e usando de raciocínios sem falácias. Um é uma definição do outro. E embora nem sempre estejamos plenamente informados e plenamente racionais, mesmo em qualquer outro ramo da ciência, ainda podemos chegar a aproximações cada vez mais precisas, com conhecimento provisório e revisável, obtido através dos melhores métodos empíricos e informações disponíveis, para reduzir se nunca eliminar a probabilidade de estarmos errados.

É por isso que o conhecimento moral é tão objetivo quanto qualquer outro conhecimento científico sobre a natureza de quem você é e de como o mundo funciona. Mas uma pesquisa científica séria nessa direção ainda não começou.

CONTINUAR LENDO