Construído por uma cultura desconhecida, este é o mais antigo observatório solar das Américas

0
243
O Templo Fortificado em Chankillo. Créditos: Janine Costa / Agence France-Presse via Getty Images.

Por Carly Cassella
Publicado na ScienceAlert

Muito antes dos incas chegarem ao poder no Peru e começarem a celebrar seu deus sol, uma civilização pouco conhecida estava construindo o mais antigo observatório astronômico conhecido nas Américas.

Embora não sejam tão antigas quanto sítios arqueológicos como Stonehenge, essas ruínas antigas, conhecidas como Chankillo, são consideradas uma “obra-prima do gênio criativo humano“, com características únicas não vistas em nenhum outro lugar do mundo.

Com sede no deserto costeiro do Peru, o sítio arqueológico contém uma fileira de 13 torres de pedra, que juntas traçam o horizonte de uma colina, de norte a sul, como um sorriso cheio de dentes.

As Treze Torres de Chankillo. Créditos: David Edgar / Wikimedia Commons.

Além dessa estrutura notável, conhecida como as Treze Torres, as ruínas do observatório também incluem um complexo de muralhas triplas chamado Templo Fortificado e dois complexos de edifícios chamados Observatório e Centro Administrativo.

Concluído há mais de 2.300 anos e abandonado no primeiro século da era comum, o local permaneceu um mistério para os viajantes por séculos.

Somente quando as escavações oficiais começaram na virada do século 21, os arqueólogos perceberam o que estavam vendo.

Vista aérea das torres. Créditos: Janine Costa / Agence France-Presse via Getty Images.

Contra uma paisagem desértica estéril e em plena luz do dia, as estruturas de pedra no topo da colina, que se estendem por cerca de 300 metros, não parecem muita coisa. Mas é outra história ao amanhecer e ao anoitecer.

À medida que o Sol nasce no leste, um orbe de luz emerge em algum lugar ao longo do cume das torres. À medida que o ano avança, o mesmo acontece com a posição do nascer do Sol, quase como se a luz estivesse passando o fio dental no horizonte cheio de dentes.

No solstício de verão, por exemplo, o nascer do Sol surge à direita da torre mais à direita. Enquanto no solstício de inverno, o nascer do Sol surge à esquerda da torre mais à esquerda.

As Torres de Chankillo foram erguidas com tanto cuidado em tais posições que, quando um observador fica em um ponto de observação específico abaixo do cume, ele pode prever a época do ano em dois ou três dias com base apenas no nascer ou no pôr do sol. O ponto de observação voltado para oeste em direção ao cume – esta é a estrutura do Observatório – aproveitava o pôr do sol. No que se acredita ser o ponto de observação leste, tudo o que resta é o contorno de pedra incompleto de uma sala, mas está em um local simétrico e teria aproveitado o nascer do Sol.

O equinócio de setembro, por exemplo, é definido quando o Sol se põe entre a sexta e a sétima torre, conforme capturado na imagem abaixo.

O pôr do sol do equinócio de setembro. Créditos: World Monuments Fund / YouTube.

A antiga civilização que projetou o observatório solar é pouco conhecida, mas teria sido uma das culturas mais antigas das Américas. Na verdade, esta cultura antecede a cultura Inca, que também se destacou em astronomia, por mais de 1.000 anos.

Como as ruínas de Chankillo atribuídas a essa civilização estão localizadas no deserto costeiro entre o rio Casma e o rio Sechin, no Peru, os construtores originais são agora conhecidos como a cultura Casma-Sechin.

Semelhante aos Incas, esta civilização provavelmente teria considerado o Sol uma espécie de divindade. As escadas que levam a cada torre sugerem fortemente que o local já foi usado para rituais.

De acordo com escavações arqueológicas, o observatório provavelmente foi construído entre 500 e 200 a.C. Então, por algum motivo, o local foi abandonado e as torres viraram ruínas. Em seu auge, os arqueólogos dizem que as estruturas teriam sido pintadas com as cores amarelo, ocre ou branco e decoradas com grafite ou com marcas de dedos.

Mesmo quando despidas de decoração e caindo aos pedaços, no entanto, os restos dessas torres de pedra ainda registram fielmente os dias do ano. Esforços de conservação estão em andamento para manter a precisão do calendário antigo.

Em 2021, o Complexo Arqueoastronômico de Chankillo foi ingressado oficialmente na Lista do Patrimônio Mundial da UNESCO por seu excelente artesanato e sua preservação sobre a visão de mundo das sociedades antigas.

“Ao contrário dos alinhamentos arquitetônicos sobre um único alvo astronômico encontrado em muitos locais antigos ao redor do mundo, a linha de torres abrange todo o nascer e pôr do sol anual, conforme visto, respectivamente, de dois pontos de observação distintos, um dos quais ainda é claramente visível acima do terreno”, como se lê na descrição da UNESCO. “O observatório solar de Chankillo é, portanto, um testemunho da culminação de uma longa evolução histórica das práticas astronômicas no Vale do Casma”.

Você pode ler ainda mais detalhes sobre este observatório no Portal do Patrimônio Astronômico.