Coronavírus: não há nenhuma evidência de possíveis efeitos benéficos da nicotina

O Ministério da Saúde alertou que os estudos publicados sobre possíveis efeitos benéficos da nicotina na COVID-19 são muito preliminares e não levam em consideração os danos da nicotina e da fumaça no trato respiratório dos fumantes e em seu sistema imunológico. Por outro lado, a pesquisa mostra que o tabagismo tem um risco 133 vezes maior de desenvolver uma forma grave de seus sintomas.

Crédito: Pixabay.

Publicado no Servicio de Información y Noticias Científicas

Não há nenhuma evidência científica que demonstre os possíveis efeitos protetores da nicotina contra a COVID-19. Isso já foi esclarecido pelo Ministério da Saúde, que destaca como esses estudos não levam em consideração os efeitos nocivos do tabagismo na saúde, que danificam o trato respiratório e o sistema imunológico.

Nos últimos dias, foram publicadas pesquisas realizadas em outros países que abordam o possível efeito benéfico que a nicotina poderia ter no processo de infecção do vírus causador da COVID-19.

Nesses trabalhos, propriedades anti-inflamatórias são atribuídas à nicotina nos pacientes, o que está relacionado a um dos sintomas da doença – uma condição inflamatória aguda que causa uma piora do processo infeccioso.

No entanto, esses estudos são muito preliminares e não passaram pelo processo de revisão por pares. Além disso, os danos causados ​​pela nicotina e pela fumaça do tabaco no trato respiratório e no sistema imunológico não são levados em consideração, consequências sobre as quais existem abundantes evidências científicas.

Estudos anteriores também mostraram que o uso de tabaco piora o curso das doenças respiratórias. No caso da COVID-19, existem investigações que mostram uma pior evolução da doença em pacientes fumantes e indicam que o tabagismo tem um risco 133 vezes maior de desenvolver uma forma grave dos sintomas do que os não fumantes.

Os fumantes são os mais vulneráveis

Atualmente, as análises da relação entre tabagismo e progressão da COVID-19 concluem, com base nas evidências atuais, que o tabagismo está associado à progressão negativa e a resultados adversos da doença.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), os fumantes, provavelmente, serão mais vulneráveis ​​à infecção causada pelo coronavírus, como resultado do manuseio do cigarro e do contato labial.