Crianças na Nova Zelândia descobriram um fóssil de pinguim gigante com pernas longas

0
67
Crédito: Simone Giovanardi.

Por Tessa Koumondouros
Publicado na ScienceAlert

A antiga Nova Zelândia foi o lar de uma incrível variedade de pássaros absurdamente grandes. Isso incluiu um papagaio que batia na altura da cintura, apelidado de Squawk-zilla (Heracles inexpectatus) – o maior papagaio já conhecido na Terra que possivelmente caçava animais há cerca de 20 milhões de anos.

A moa-gigante-da-Ilha-Sul, que voava com seus dois metros de altura, também vivia lá, junto com seus predadores, as águias-de-haast (Hieraaetus moorei), com uma envergadura monstruosa de 3 metros, cerca de 2 milhões de anos atrás.

Agora, os pesquisadores adicionaram um novo pinguim gigante a este zoológico gloriosamente superdimensionado – descoberto por um grupo sortudo de crianças em 2006.

“É meio surreal saber que uma descoberta que fizemos quando crianças há tantos anos está contribuindo para a academia hoje. E, inclusive, é uma espécie nova”, disse Steffan Safey, que era uma das crianças na viagem de campo do Clube Naturalista Júnior de Hamilton na época. “Claramente, o dia gasto para retirá-lo do arenito foi muito bem gasto!”

Dentro de uma camada agora solidificada do que antes era solo lamacento, os alunos descobriram os restos fossilizados do torso, perna e ossos do braço do pinguim.

A paleontóloga Simone Giovanardi da Universidade de Massey e seus colegas examinaram e descreveram formalmente a descoberta, encontrada em uma rocha de cerca de 30 milhões de anos atrás, em Kawhia Harbor, na Ilha Norte da Nova Zelândia.

“O pinguim é semelhante aos pinguins gigantes Kairuku descritos inicialmente em Otago, mas tem pernas muito mais longas, que os pesquisadores usaram para chamar o pinguim de waewaeroa – Te reo Māori para ‘pernas longas'”, explicou o zoólogo Daniel Thomas da Universidade de Massey.

“Essas pernas mais longas teriam deixado o pinguim muito mais alto do que outros Kairuku enquanto caminhava na terra, talvez cerca de 1,4 metros de altura, e podem ter influenciado a velocidade com que ele poderia nadar ou mergulhar fundo”.

Uma análise de membros vivos e extintos das árvores genealógicas dos pinguins sugere que essas espécies alcançaram suas grandes proporções independentemente umas das outras. A seleção natural parece ter um hábito interessante de transformar pássaros em gigantes quando estão isolados em um habitat livre de predadores.

De alguma forma, quando Zelândia se separou de Gonduana 80 milhões de anos atrás, ela estava (ou logo se tornou) livre de mamíferos predadores, tornando-se um espaço ideal para tais experimentos evolutivos.

Pelo menos 10 conhecidos antigos pinguins gigantes foram encontrados neste continente, incluindo o de 60 milhões de anos de idade e 1,6 metros de altura Crossvallia waiparensis, descoberto em 2019, e o de 30 milhões de anos de idade Waitaki Kairuku, que está relacionado com o novo achado.

Alguns pesquisadores suspeitam que, após terem sobrevivido à extinção de dinossauros não-aviários há 66 milhões de anos, os pinguins foram capazes de tirar proveito da falta de predadores marinhos gigantes.

Deixados com abundantes recursos necessários para sustentar corpos maiores, eles foram capazes de se expandir para novos nichos ecológicos – um fenômeno ecológico chamado liberação de mesopredadores.

Isso quase coincidiu com sua mudança para se tornarem mergulhadores que não voam – o voo também teria limitado seu tamanho. E sem mamíferos terrestres predadores por perto, os pinguins gigantes tinham um lugar mais seguro para se reproduzir na Zelândia.

Comparando o fóssil com outras espécies, Giovanardi e a equipe observam que após K. waewaeroa houve uma tendência de pernas mais curtas neste grupo de pinguins. A mudança no comprimento do corpo pode diminuir a relação superfície/volume da ave e a área de superfície para parasitas, o que reduziria o arrasto para seu nado subaquático.

Uma vez que outros predadores marinhos, como tubarões e mamíferos marinhos, cresceram durante o Eoceno e o Oligoceno, qualquer vantagem fornecida por nadar mais rápido teria se tornado uma vantagem vital novamente para essas aves.

Kairuku waewaeroa é emblemático por muitos motivos”, explicou Thomas. “O fóssil do pinguim nos lembra que compartilhamos Zelândia com linhagens animais incríveis que se estendem pelo tempo, e esse compartilhamento nos dá uma importante lição.

“A maneira como o fóssil de pinguim foi descoberto, por crianças em contato com a natureza, nos lembra da importância de encorajar as gerações futuras a se tornarem kaitiaki [guardiãs]”.

Esta pesquisa foi publicada no Journal of Vertebrate Paleontology.