Criatura com tentáculos de 560 milhões de anos pode ser o primeiro predador conhecido do reino animal

O fóssil foi descoberto no Reino Unido.

0
131
Esta criatura bizarra existia antes da Explosão Cambriana. (Créditos: Fotografia - Simon Harris; Arte - Rhian Kendall; Serviço Geológico Britânico, UKRI, 2021)

Traduzido por Julio Batista
Original de para a Live Science

Uma criatura bizarra com tentáculos que viveu nas profundezas do oceano há 560 milhões de anos parecia uma taça cheia de dedos se contorcendo. Pode ser um parente antigo das águas-vivas modernas e o mais antigo predador conhecido no reino animal, sugere a análise de um fóssil recém-descrito.

Mais de uma década atrás, os cientistas descobriram um fóssil do suposto parente da água-viva em um afloramento de rochas vulcânicas e sedimentares chamado Formação Bradgate em Leicestershire, Inglaterra. Localizado na Floresta de Charnwood, o afloramento formou-se há cerca de 557 milhões a 562 milhões de anos, durante o período Ediacarano (635 milhões a 541 milhões de anos atrás).

Isso significa que o fóssil recém-identificado é anterior à explosão cambriana, um episódio de 55 milhões de anos em que a vida na Terra se diversificou rapidamente. Durante o período Cambriano (541 milhões a 485,4 milhões de anos atrás), muitas formas animais evoluíram, incluindo ancestrais artrópodes de insetos, aranhas e crustáceos; braquiópodes semelhantes a moluscos e com casco duro; e cordados — criaturas com um cordão nervoso espinhal.

É quase inédito que os fósseis pré-cambrianos se assemelhem a formas vistas em animais vivos hoje, então a descoberta de um animal ediacarano semelhante a uma água-viva é excepcional, disse Philip Donoghue, professor de paleobiologia da Universidade de Bristol, na Inglaterra, que não esteve envolvido em o estudo. “Eles encontraram um animal, um membro de um grupo moderno de animais, no Pré-Cambriano, onde classicamente não deveria ser encontrado”, disse Donoghue à Live Science. (Embora não esteja envolvido no novo trabalho, Donoghue foi anteriormente o orientador de doutorado de vários autores do paper.)

Até o momento, a grande maioria dos fósseis ediacaranos não compartilha características estruturais com nenhum animal vivo, então geralmente acredita-se que pertençam a grupos de animais extintos, disse Donoghue. “Este fóssil é provavelmente o mais antigo reconhecido, com evidências bastante convincentes, como membro de um dos filos vivos”, ou grandes grupos de animais relacionados, disse Donoghue.

Os pesquisadores nomearam a criatura recém-identificada Auroralumina attenboroughii e descreveram o animal em um novo estudo, publicado segunda-feira (25 de julho) na revista Nature Ecology & Evolution. O nome do gênero, Auroralumina, se traduz em “lanterna do amanhecer” em latim e faz referência à antiguidade do fóssil e seu formato de tocha. O nome da espécie homenageia o apresentador e biólogo Sir David Attenborough por “seu trabalho de conscientização sobre os fósseis ediacaranos da floresta de Charnwood”, escreveram os autores em seu relatório.

O predador mais antigo conhecido do mundo? 

A equipe de pesquisa descobriu A. attenboroughii durante uma expedição de 2007 na floresta de Charnwood, mas as primeiras grandes descobertas de fósseis datam da década de 1950, quando duas crianças, primeiro uma garota chamada Tina Negus e um garoto chamado Roger Mason, tropeçaram em um fóssil em forma de samambaia em uma pedreira, de acordo com a Universidade de Reading na Inglaterra. Esse organismo, chamado Charnia masoni, foi o primeiro fóssil que pode ser datado com segurança no período ediacarano e, desde sua descoberta, muitos paleontólogos viajaram para Charnwood para caçar registros semelhantes da vida pré-cambriana.

Em sua expedição de 2007, os cientistas concentraram sua busca em uma face rochosa que se erguia do chão da floresta em um ângulo de 45 graus com uma espessa camada de líquen e terra. A equipe cavou na rocha enquanto se segurava em cordas, usando escovas de dentes, palitos e jatos de água de alta pressão para expor quaisquer fósseis escondidos sob a lama.

“Assim que limpamos toda a sujeira, de repente, em vez de apenas alguns fósseis fragmentados, havia mil fósseis nesta superfície”, disse o paleobiólogo Philip Wilby, líder da equipe de paleontologia do Serviço Geológico de Britânico e autor sênior. do estudo. Os fósseis, que provavelmente representam 20 a 30 espécies diferentes, foram preservados como impressões na rocha; excluindo A. attenboroughii, muitos dos fósseis se assemelhavam às criaturas semelhantes a frondes encontradas anteriormente em rochas pré-cambrianas.

“Estavam lindamente preservados – alguns deles eram absolutamente impressionantes”, disse Wilby à Live Science.

A equipe fez moldes de borracha da face rochosa cheia de fósseis e transportou os moldes de volta ao laboratório. Essas impressões podem ser difíceis de trabalhar “porque elas são todas achatadas”, o que torna a anatomia interna e as formas do corpo dos animais difíceis de interpretar, disse Donoghue. Para criar modelos 3D de seus moldes de fósseis planos, os pesquisadores usaram uma técnica que envolvia iluminar os moldes de diferentes ângulos e tirar muitas fotos; essas fotos foram então compiladas em um modelo 3D virtual que pode ser manipulado digitalmente.

Essas reconstruções revelaram que uma das criaturas fósseis se assemelhava a um candelabro simples, com duas estruturas semelhantes a taças se ramificando de um único nó. “Eles parecem ter realmente brotado um do outro”, disse Wilby. As pontas dos tentáculos curtos podiam ser vistas cutucando a borda de cada taça, como dedos grossos saindo do centro de uma taça. As cristas que subiam pelas laterais do fóssil sugerem que essas “taças” eram sustentadas por um esqueleto rígido.

“Esta é a primeira criatura, o primeiro animal que conhecemos que realmente desenvolveu um esqueleto”, disse Wilby. Sua estrutura de tentáculos sugere que A. attenboroughii provavelmente se alimentava de plâncton e protistas, o que o tornaria o primeiro predador conhecido no reino animal.

A. attenboroughii compartilha muitas características centrais com fósseis cambrianos de Medusozoa, um grupo que inclui águas-vivas modernas e outros animais que se transformam em criaturas em forma de sino que nadam livremente pelo mar durante parte de seu ciclo de vida. “Isso é o que nos leva a acreditar que é um Medusozoário”, disse Wilby. Embora o fóssil possa não parecer uma água-viva à primeira vista, é importante notar que, durante parte de seu ciclo de vida, os medusozoários também não. Por um capítulo de suas vidas, os animais se ancoram no fundo do mar para se reproduzir assexuadamente. Durante este estágio da vida eles se assemelham a anêmonas – e a A. attenboroughii.

Se A. attenboroughii for de fato um membro de Medusozoa, ele pertenceria a um grupo mais amplo de organismos conhecidos como cnidários, que também inclui corais, plumas-do-mar e anêmonas-do-mar. Antes do novo estudo, evidências fósseis sugeriam que a “estrutura” básica para os cnidários não surgiu até o período cambriano. No entanto, “o que podemos mostrar aqui é que, pelo menos 20 milhões de anos antes disso, o modelo para os cnidários foi realmente definido”, disse Wilby.

Isso não apenas retrocede a história evolutiva dos cnidários, mas também fornece dicas sobre quais animais devem ter vindo antes deles, disse Donoghue. Pesquisas anteriores sugerem que cnidários e bilatérios – um grupo de animais que inclui humanos – se separaram de um ancestral comum. Se A. attenboroughii existiu há 560 milhões de anos, é possível que a divisão já tenha ocorrido e os primeiros bilatérios já estivessem vagando pelo planeta.

“O fóssil não é importante apenas para nos mostrar, claramente, que os cnidários estavam aqui – por implicação, sua linhagem-irmã também deve ter evoluído nessa época”, disse Donoghue.