Criaturas marinhas que parecem alienígenas são descobertas em um enorme ‘cemitério jurássico’

0
188
Antigo pedaço do fundo do mar preservado em uma placa de pedra calcária. Crédito: Museu de História Natural, Londres.

Por Brandon Specktor
Publicado na Live Science

Paleontologistas descobriram um enorme cemitério fóssil de criaturas marinhas jurássicas mais parecidas com alienígenas sob uma pedreira de calcário na região de Cotswolds, no Reino Unido.

A descoberta fóssil inclui talvez dezenas de milhares de invertebrados marinhos chamados equinodermos – que significa “pele de ouriço” em grego, e incluindo os ancestrais das estrelas-do-mar, pepinos-do-mar, ouriços-do-mar e lírios-do-mar modernos – preservados imaculadamente em todos os estágios de seus ciclos de vida, disseram os pesquisadores em um comunicado.

Mas bem quando as criaturas estavam prosperando, a comunidade do fundo do mar teve um fim cataclísmico; uma catástrofe misteriosa – talvez um deslizamento de terra desencadeado por um terremoto – prendeu e sepultou os animais por 167 milhões de anos.

“O que temos aqui é uma espécie de Pompeia Jurássica”, disse Neville Hollingworth, um caçador de fósseis amador que descobriu os fósseis em uma caminhada com sua esposa Sally, à BBC.

“[As criaturas] tentaram se proteger, adotando a posição de estresse de esticar os braços, mas foi tudo em vão”, disse Tim Ewin, paleontólogo e curador sênior do Museu de História Natural de Londres à BBC.

“Eles foram empurrados para o sedimento e enterrados vivos”.

Uma das placas de calcário. Crédito: Museu de História Natural, Londres.

O local data do período jurássico médio (cerca de 200 milhões a 145 milhões de anos atrás), quando saurópodes gigantescos e dinossauros terópodes sedentos de sangue dominavam a terra. No mar, as coisas estavam em transição; pelo menos metade de todas as espécies marinhas morreram em um evento de extinção no final do período Triássico, e equinodermos de braços delgados estavam evoluindo loucamente para preencher esse vazio oceânico.

Famosos por membros que se estendem para fora de seus corpos em conjuntos de cinco, os equinodermos se tornaram muito bem-sucedidos em pegar comida que esbarra em seus braços espinhosos, de acordo com os pesquisadores. Alguns, como estrelas-do-mar e pepinos-do-mar, podiam tatear o caminho ao longo do fundo do oceano. Outros, como lírios-do-mar, ancoraram-se no lugar e esperavam que as refeições chegassem.

Este local no fundo do mar era provavelmente bem raso, medindo cerca de 20 a 40 metros de profundidade, disse a equipe. Considerando que estava localizada no centro da Inglaterra hoje, a área estava mais próxima do que hoje é o Norte da África no Jurássico médio, e as águas eram muito mais quentes do que agora.

Embora seja impossível saber o que exatamente condenou esta enorme comunidade, os pesquisadores, por um lado, agradecem o que quer que tenha sido; se não fossem preservadas sob os sedimentos sufocantes, essas criaturas antigas provavelmente teriam sido devoradas por necrófagos, deixando pouco para estudar, disse a equipe.

Com milhares e milhares de espécimes diversos para examinar, os pesquisadores esperam aprender mais sobre a evolução dos equinodermos durante o Jurássico – incluindo a descrição de várias novas espécies. Ao lado dos animais, a equipe também encontrou nas rochas amostras preservadas de madeira e pólen, o que poderia revelar mais detalhes sobre as mudanças climáticas da época.

“Vamos descrever em detalhes as novas espécies e descrever a variabilidade das plantas e animais que encontramos no local”, disse Ewin no comunicado. “Haverá outro projeto olhando para a dinâmica populacional de grupos de equinodermos específicos e o que isso nos diz sobre sua ecologia”.