Cromossomos não têm a aparência que você imagina. Agora temos uma imagem 3D do visual real

0
166
Metáfase na ponta de uma raiz de cebola. Créditos: Ed Reschke / Getty Images.

Por Peter Dockrill
Publicado na ScienceAlert

Se você já estudou química ou biologia, há uma boa chance de ter encontrado a representação pictórica comum de como um cromossomo deve se parecer.

Como milhões de alunos do ensino médio e universitários irão atestar, é uma forma de X comprida e esbelta  – representado como duas cromátides unidas se parecem depois que a replicação do DNA ocorre, mas antes que a divisão celular esteja completa, que é o ponto em que elas se separaram para se tornarem seus próprios cromossomos individuais.

Infelizmente, há um pequeno problema com esse símbolo onipresente, dizem os cientistas, pelo menos em termos de quão precisa é sua representação.

“90 por cento do tempo, os cromossomos não existem assim”, disse o cientista e médico Jun-Han Su, ex-integrante da Universidade de Harvard.

Em um estudo publicado este ano, Su e sua equipe desenvolveram uma nova maneira de imaginar a organização 3D da cromatina em células humanas, fornecendo-nos uma compreensão muito mais meticulosa da química dos cromossomos do que o icônico X.

Imagem multicolorida da cromatina, usando hibridização in situ de fluorescência multiplexada e microscopia de super resolução. Crédito: Laboratório de Xiaowei Zhuang.

“É muito importante determinar a organização 3D”, diz o pesquisador sênior Xiaowei Zhuang, “para entender os mecanismos moleculares subjacentes à organização e também entender como essa organização regula a função do genoma”.

Usando um novo sistema de imagem 3D de alta resolução – que envolveu a junção de várias imagens de loci genômicos ao longo de cadeias de DNA -, os pesquisadores foram capazes de visualizar os cromossomos de perto de uma maneira nunca antes vista, e até mesmo vislumbrar aspectos da atividade de transcrição.

As aulas de ensino médio e as videoaulas de Internet nunca mais serão as mesmas. A equipe está compartilhando seus dados online para que outros pesquisadores possam levar sua análise mais longe e para que possamos explorar essa parte (quase) invisível de nós mesmos ainda mais no futuro.

“Prevemos uma ampla aplicação dessa tecnologia de imagem de alto resolução, multiescala e multimodal, que fornece uma visão integrada da organização da cromatina em seu contexto estrutural e funcional nativo”, explica a equipe.

Os resultados foram publicados na revista Cell.