Defendendo a cruzada de Stephen Jay Gould contra o Determinismo Biológico

3
1067
Na imagem, o biólogo Stephen Jay Gould.

Por John Horgan
Publicado na Scientific American

Eu costumava ser duro com Stephen Jay Gould, o grande biólogo evolutivo, que morreu em 2002. Eu o achava hipócrita e pomposo, pessoalmente e nas páginas. Em um perfil de agosto de 1995 para a Scientific American, resumi sua visão de mundo, que enfatiza o papel da aleatoriedade ou “contingência”, na formação da vida, como “merda acontece”.

Mas admirei a oposição feroz de Gould ao determinismo biológico, que ele definiu como a visão de que “as diferenças sociais e econômicas entre os diferentes grupos – principalmente raças, classes e sexos – surgem de distinções hereditárias e inatas e que a sociedade, neste sentido, é uma reflexão precisa da biologia”. Também detesto o determinismo biológico, e devo defender Gould contra acusações de que ele era um “charlatão” falsificador, como afirmou o antropólogo Ralph Holloway, da Universidade de Columbia.

O insulto de Holloway é baseado em uma crítica feita por ele e outros cinco antropólogos do famoso trabalho de Gould, The Mismeasure of Man (WW Norton & Co., 1981), em que Gould expôs o caso depois de um terrível caso de cientistas nos últimos dois séculos “provando” a inferioridade biológica de certas raças, bem como criminosos, pobres, “imbecis” e mulheres. Um capítulo focou no trabalho de um médico do século 19, Samuel George Morton, que acumulou uma coleção de quase 1.000 crânios ao redor do mundo. Morton estimou o tamanho do cérebro de diferentes grupos raciais, despejando sementes e chumbo nos crânios. Ele concluiu que os brancos têm cérebros maiores em média do que os negros, confirmando sua suspeita de que as raças não compartilhavam uma ascendência comum, mas derivavam de diferentes raízes evolutivas.

Defensores da escravidão adotaram o trabalho de Morton. Depois que ele morreu, um editorial no Charleston Medical Journal and Review declarou: “Nós, no Sul, devemos considerá-lo nosso benfeitor, por ajudar mais materialmente em dar ao negro sua verdadeira posição como uma raça inferior”. Em Mismeasure, Gould reanalisou as medidas do crânio de Morton e concluiu que os tamanhos médios dos crânios dos negros e brancos eram aproximadamente equivalentes. Gould sugeriu que a tendência racial de Morton o levara, provavelmente inconscientemente, a “descobrir” os resultados em consonância com suas crenças.

Em “The Mismeasure of Science: Stephen Jay Gould versus Samuel George Morton on Skulls and Bias”, publicado em 7 de junho na PLoS Biology, Holloway e cinco colegas de outras instituições declararam que a própria análise de Morton feita por Gould “é provavelmente o exemplo mais forte de um viés influenciando os resultados”. O grupo informou que suas re-medições dos crânios na coleção de Morton apoiam mais as conclusões de Morton do que as de Gould.

Comentando a afirmação de Gould de que o viés frequentemente influencia a ciência, um editorial não assinado no The New York Times comentou com rapidez: “Agora parece que ele provou seu ponto, apenas não como ele pretendia”. O antropólogo e blogueiro John Hawks afirma que a análise “direta” de Holloway et al. mostra que Gould claramente se envolveu em “total fabulação”. Hawks acrescentou: “Alguns dos erros de Gould são ultrajantes, que com outros é difícil para mim, acreditar que as distorções não eram falsas declarações deliberadas”.

Algumas ressalvas estão aqui em ordem. Em primeiro lugar, Holloway e seus colegas analisaram menos da metade dos crânios na coleção de Morton. Em segundo lugar, sua análise, longe de ser “direta”, foi altamente técnica e baseou-se em vários julgamentos, assim como os de Gould e Morton. Os resultados divergentes dependem, em parte, da inclusão ou exclusão de certos crânios que podem esvaziar indevidamente as estimativas dos tamanhos de cérebro. Em terceiro lugar, nem Morton nem Holloway et al. corrigiram suas medidas quanto à idade, gênero ou estatura, todos os quais estão correlacionados com o tamanho do cérebro.

Finalmente, pelo menos um dos autores da PLoS, Holloway, é obviamente tendencioso contra Gould. O Times citou Holloway dizendo: “Eu simplesmente não confiei em Gould. Tive a sensação de que sua posição ideológica era suprema”. Holloway criticou Gould porque ele “nunca sequer se incomodou em mencionar” um artigo de 1988 de John S. Michael que descobriu que as conclusões de Morton eram “razoavelmente precisas”. Mas Holloway e seus co-autores declararam que o artigo de Michael, escrito quando era um graduando na Universidade da Pensilvânia, “tem múltiplas falhas significativas tornando-o não informativo”.

Talvez Gould estivesse errado de que Morton interpretou erroneamente seus dados, mas ele estava absolutamente certo de que o determinismo biológico era e continua a ser uma ideologia pseudocientífica perigosa. O determinismo biológico está prosperando hoje: vejo isso na afirmação de pesquisadores como o antropólogo Richard Wrangham, da Universidade de Harvard, de que as raízes da guerra humana chegam até a nossa ascendência comum com chimpanzés. Na afirmação de cientistas, como Rose McDermott da Brown University, que certas pessoas são especialmente suscetíveis a agressões violentas porque elas carregam um “gene guerreiro”. No entusiasmo de alguns jornalistas científicos pelo gene guerreiro e outras ligações frágeis de genes a traços humanos. Na insistência do biólogo evolutivo Jerry Coyne e do neurocientista Sam Harris, o livre arbítrio é uma ilusão porque nossas “escolhas” são realmente predeterminadas pelos processos neurais que se realizam abaixo do nível de nossa consciência. Na disputa de James Watson, co-descobridor da dupla hélice, que os problemas da África subsaariana refletem a inferioridade inata dos negros. Na dura crítica de muitos pesquisadores modernos a valentes antideterministas como Gould e Margaret Mead.

O determinismo biológico é uma praga na ciência. Implica que a maneira como as coisas são é a maneira como elas devem ser. Que nós temos menos opções em como vivemos nossas vidas do que pensamos. Esta posição é errada, empiricamente e moralmente. Se você duvida de mim sobre este ponto, leia o Mismeasure, que, mesmo descontando o capítulo sobre Morton, abunda em evidências de como a ciência pode se tornar um instrumento de ideologias malignas.

CONTINUAR LENDO
Artigo anteriorRelatividade Geral, a mais bela teoria científica
Próximo artigoAstrônomos dizem ter encontrado muitos dos átomos desaparecidos do Universo
Avatar
Cético desde que me entendo por gente, quando comecei a questionar se Deus tinha face. Headbanger nas horas vagas, técnico em informática - buscando aperfeiçoamento - e em dúvida quanto a seguir carreira pública, acadêmica ou privada. Ávido autodidata. Interessado por filosofia da ciência (com ênfase às ciências naturais), história da filosofia, história da ciência, filosofia política, política geral, economia, direitos humanos, psicologia, psiquiatria (incluindo forense) e cultura em geral. Crítico das ditas "modas anti-intelectuais" tais como as pseudociências e correntes filosóficas como o existencialismo, a fenomenologia, diversas vertentes de idealismo, as correntes de pensamento "pós-modernas" e culturas comerciais. Buscador de um mundo moderno, mais justo e igualitário através da ciência e da tecnologia. Onde o charlatanismo e o "macaneo", que em espanhol platino é gíria para "embuste", ou mesmo, "delírio", não encontram lugar.