Dente antigo finalmente revela se os neandertais eram carnívoros

0
200
Este antigo molar rendeu novas perspectivas sobre a dieta de um neandertal. (Créditos:: Lourdes Montes)

Traduzido por Julio Batista
Original de Russell McLendon para o ScienceAlert

Apesar de tudo o que descobrimos sobre nossos primos neandertais próximos ao longo do século passado, ainda há muitas perguntas pendentes. Sabemos que os neandertais eram caçadores proficientes, por exemplo, mas ainda não temos certeza até que ponto eles suplementavam sua dieta com plantas… se é que suplementavam.

Ao estudar o tártaro dental retirado de restos neandertais descobertos na Península Ibérica, os pesquisadores agora tendem a suspeitar que pelo menos alguns neandertais eram onívoros, consumindo uma variedade de plantas e cogumelos.

Outros estudos contestaram essa conclusão, no entanto, sugerindo que os neandertais em outros locais comiam uma quantidade significativa de carne, principalmente na forma de veados, mamutes e rinocerontes-lanudos.

Na esperança de esclarecer a questão da carnivoria neandertal, uma equipe internacional de pesquisadores usou novos métodos analíticos para examinar o esmalte dentário de um neandertal do Paleolítico Médio, cujos restos foram encontrados na caverna de Gabasa, na Espanha.

Tradicionalmente, os cientistas que esperam descobrir a posição de um animal extinto na cadeia alimentar devem extrair proteínas e analisar isótopos de nitrogênio do colágeno ósseo – proporções mais altas de nitrogênio-15 em comparação com nitrogênio-14 são indicativas de maiores quantidades de consumo de carne.

Essa técnica tem limites, porém, e pode funcionar apenas em espécimes de climas temperados e, mesmo assim, funciona melhor em espécimes que morreram nos últimos 50.000 anos. Também poderia ser enganoso se o próprio animal consumisse uma dieta vegetal que tivesse mais nitrogênio-15 do que o esperado.

Embora a análise de isótopos de nitrogênio tenha esclarecido alguns outros restos de neandertais, ela não funcionaria no dente de Gabasa, então os pesquisadores testaram as proporções de isótopos de zinco no esmalte.

Este método tira proveito das mudanças na concentração de zinco no esmalte a cada degrau na cadeia alimentar, uma característica demonstrada em restos modernos e alguns ossos de animais antigos. Esta é a primeira vez que o zinco foi usado para avaliar os hábitos alimentares de um neandertal, no entanto.

Liderados por Klervia Jaouen, do Centro Nacional Francês de Pesquisa Científica (CNRS), os pesquisadores conduziram a análise de isótopos de zinco no molar neandertal, bem como em ossos de várias espécies animais contemporâneas encontradas nas proximidades, incluindo herbívoros e carnívoros.

Proporções mais baixas de isótopos de zinco-66 nos ossos de um animal tendem a corresponder a uma maior probabilidade de o animal ser carnívoro, explicaram os pesquisadores.

E com base na assinatura de isótopos de baixo zinco encontrada neste molar neandertal, Jaouen e seus colegas concluem que provavelmente veio de um comedor de carne dedicado.

Sua assinatura sugere que “de um carnívoro de alto nível”, escreveram eles, “semelhante ao observado para isótopos de nitrogênio em outros locais com ocupação neandertal”. De todos os grupos de animais estudados em Gabasa, acrescentam, o neandertal “exibe facilmente a menor” proporção de isótopos de zinco.

Embora este neandertal possa ter sido um predador na Península Ibérica Paleolítica, há algumas evidências que sugerem diferenças alimentares em comparação com outros carnívoros.

Muitos carnívoros contemporâneos nesta região provavelmente consumiram os ossos e o sangue de suas presas, o que poderia ter aumentado sua assinatura isotópica de zinco, observaram os pesquisadores.

Como esse neandertal tem uma assinatura isotópica de zinco tão baixa, Jaouen e seus colegas suspeitam que o indivíduo comeu muita carne animal, mas não o sangue ou os ossos (possivelmente nada além da medula óssea – o tutano).

Outras evidências químicas sugerem que esse neandertal desmamou antes dos dois anos e meio de idade, acrescentaram os pesquisadores, e provavelmente morreu na mesma área onde nasceu.

Embora essas descobertas apoiem as evidências existentes das tendências carnívoras dos neandertais, ainda são necessárias mais pesquisas para nos ajudar a entender toda a gama de dietas neandertais.

Assim como eles provavelmente caçavam animais diferentes em lugares diferentes com base na disponibilidade local, permanece plausível que algumas populações neandertais possam ter suplementado suas dietas com plantas e fungos mais do que outras.

Esse tipo de análise de isótopos de zinco facilita a identificação de animais como carnívoros ou onívoros, disseram os pesquisadores, e em breve poderá ajudar a resolver essa questão para os neandertais de forma mais ampla.

Jaouen e seus colegas esperam realizar análises semelhantes em outros neandertais de outros locais, observaram, incluindo o sítio arqueológico Payre, rico em fósseis, no Vale do Ródano, na França.

O estudo foi publicado na PNAS.