Descoberta pode reduzir drasticamente a busca por criaturas espaciais

0
258
Ilustração de uma estrela anã vermelha orbitada por um exoplaneta hipotético. As anãs vermelhas entram em erupção com intensas rajadas que podem destruir a atmosfera de um planeta próximo ao longo do tempo, ou tornar a superfície inóspita à vida como a conhecemos. (Créditos: NASA/ESA/STScI/G. Bacon)

Traduzido por Julio Batista
Original de Jules Bernstein para a UC Riverside

Um planeta parecido com a Terra orbitando uma anã M – o tipo mais comum de estrela no Universo – parece não ter atmosfera alguma. Essa descoberta pode causar uma grande mudança na busca por vida em outros planetas.

Como as anãs M são tão onipresentes, essa descoberta significa que um grande número de planetas que orbitam essas estrelas também podem não ter atmosferas e, portanto, é improvável que abriguem seres vivos.

Os trabalhos que levaram às revelações sobre o planeta sem atmosfera, denominado GJ 1252b, estão detalhados no Astrophysical Journal Letters.

Este planeta orbita sua estrela duas vezes durante o curso de um único dia na Terra. É um pouco maior que a Terra e está muito mais perto de sua estrela do que a Terra está do Sol, tornando o GJ 1252b intensamente quente e inóspito.

“A pressão da radiação da estrela é imensa, o suficiente para dizimar a atmosfera de um planeta”, disse Michelle Hill, astrofísica da UC Riverside e coautora do estudo.

A Terra também perde parte de sua atmosfera ao longo do tempo por causa do Sol, mas as emissões vulcânicas e outros processos de ciclo de carbono tornam a perda quase imperceptível, ajudando a repor o que foi perdido. No entanto, em maior proximidade de uma estrela, um planeta não pode continuar repondo a quantidade perdida.

Em nosso Sistema Solar, este é o destino de Mercúrio. Ele tem uma atmosfera, mas extremamente fina, composta de átomos expelidos de sua superfície pelo Sol. O calor extremo do planeta faz com que esses átomos escapem para o espaço.

Ilustração da atmosfera sendo soprada para longe de um planeta por uma estrela próxima. (Créditos: NASA)

Para determinar que GJ 1252b não tem atmosfera, os astrônomos mediram a radiação infravermelha do planeta quando sua luz foi obscurecida durante um eclipse secundário.  ste tipo de eclipse ocorre quando um planeta passa por trás de uma estrela e a luz do planeta, bem como a luz refletida de sua estrela, é bloqueada.

A radiação revelou as temperaturas diurnas escaldantes do planeta, estimadas em 1228 graus Celsius – tão quentes que ouro, prata e cobre derreteriam no planeta. O calor, juntamente com a suposta baixa pressão de superfície, levou os pesquisadores a acreditar que não há atmosfera.

Mesmo com uma quantidade enorme de dióxido de carbono, que retém o calor, os pesquisadores concluíram que o GJ 1252b ainda não seria capaz de manter uma atmosfera. “O planeta poderia ter 700 vezes mais carbono do que a Terra, e ainda não teria uma atmosfera. Ela se acumularia inicialmente, mas depois diminuiria e corroeria”, disse Stephen Kane, astrofísico da UCR e co-autor do estudo.

As estrelas anãs M tendem a ter mais erupções e atividade do que o Sol, reduzindo ainda mais a probabilidade de que os planetas que as cercam possam manter suas atmosferas.

“É possível que a condição deste planeta possa ser um mau sinal para planetas ainda mais distantes deste tipo de estrela”, disse Hill. “Isso é algo que aprenderemos com o Telescópio Espacial James Webb, que observará planetas como esses”.

O trabalho de Hill neste projeto foi apoiado por uma bolsa do programa Future Investigators in NASA Earth and Space Science and Technology.

Existem 5.000 estrelas na vizinhança solar da Terra, a maioria delas anãs M. Mesmo que os planetas que as orbitam possam ser totalmente descartados, ainda existem cerca de 1.000 estrelas semelhantes ao Sol que podem ser habitáveis.

“Se um planeta estiver longe o suficiente de uma anã M, ele poderia reter uma atmosfera. Ainda não podemos concluir que todos os planetas rochosos ao redor dessas estrelas foram reduzidos ao destino de Mercúrio”, disse Hill. “Continuo otimista.”