Depois de quase um século, a Terra finalmente tem 5 oceanos oficiais

0
152
Um delineamento geral da Convergência Antártica. Créditos: Apcbg / Wikimedia Commons.

Por Tom Metcalfe
Publicado na Live Science

A Terra finalmente alcançou o reconhecimento popular e oficial de seu quinto oceano, com uma decisão da National Geographic Society de adicionar o Oceano Antártico ao redor da Antártica ao lado dos quatro já reconhecidos: os oceanos Atlântico, Pacífico, Índico e Ártico.

Embora a designação das águas geladas ao redor do continente gelado do sul como um oceano separado tenha sido difundida por quase 100 anos e seja amplamente usada por cientistas, até agora não teve apoio popular.

Mas em 8 de junho – Dia Mundial dos Oceanos – a sociedade anunciou que, de agora em diante, irá rotular o Oceano Antártico como o quinto oceano em seus mapas de nosso planeta.

“O Oceano Antártico há muito tempo é reconhecido pelos cientistas, mas como nunca houve um acordo internacional, nunca o reconhecemos oficialmente”, disse o geógrafo oficial da sociedade, Alex Tait, ao site da National Geographic. “É uma espécie de nerdice geográfica em alguns aspectos”.

Um dos maiores impactos seria na educação, disse ele: “Os alunos aprendem informações sobre o mundo oceânico por meio de quais oceanos você está estudando. Se você não incluir o Oceano Antártico, então você não aprenderá os detalhes dele e quão importante é”.

Corrente antártica

A National Geographic começou a fazer mapas em 1915, mas a sociedade só havia reconhecido formalmente apenas quatro oceanos, que definiu pelos continentes que os circundavam.

Em contraste, o Oceano Antártico é definido não pelos continentes que o cercam, mas pela Corrente Circumpolar Antártica (CCA) que flui de oeste para leste. Os cientistas acreditam que a CCA foi criada há 34 milhões de anos, quando o continente da Antártica se separou da América do Sul, permitindo que a água fluísse livremente pela “parte inferior” do mundo.

A Corrente Circumpolar Antártica (CCA), que viaja de oeste para leste, define os limites do Oceano Antártico. Crédito: Shutterstock.

Hoje, a CCA flui por todas as águas que circundam a Antártica até cerca de 60 graus ao sul, exceto pela Passagem de Drake e o Mar da Escócia, que estão aproximadamente entre o Cabo Horn da América do Sul e a Península Antártica.

As águas da CCA – e, portanto, a maior parte do Oceano Antártico – são mais frias e um pouco menos salgadas do que as águas do oceano ao norte.

A CCA puxa água dos oceanos Atlântico, Pacífico e Índico para ajudar a conduzir uma “correia transportadora” global que transporta calor ao redor do planeta, enquanto a água densa e fria da CCA afunda e ajuda a armazenar carbono nas profundezas do oceano. E milhares de espécies marinhas vivem apenas dentro da CCA, de acordo com a National Geographic.

Águas antárticas

Exatamente o que constitui um oceano não é um consenso, exceto que eles são os maiores corpos de água. Uma definição comum divide o oceano global em quatro ou cinco partes, de acordo com os continentes que os cercam.

No entanto, o termo “Oceano Antártico” foi usado para descrever as águas na parte do inferior do mundo desde que foram vistas pela primeira vez pelo explorador espanhol Vasco Núñez de Balboa no início do século 16, e seu uso continuou à medida que os oceanos se tornaram rotas vitais para comunicações internacionais e comércio nos séculos que se seguiram.

No século 19, muitas nações marítimas estabeleceram autoridades “hidrográficas” para publicar informações sobre os oceanos para suas marinhas e navios mercantes, e o termo “Oceano Antártico” apareceu nas primeiras publicações da Organização Hidrográfica Internacional (OHI) que eles formaram em 1921.

Mas de acordo com o livro Southern Ocean: Oceanographers Perspective (Ice Press, 2015), o OHI rescindiu a designação em 1953: “A maioria das opiniões recebidas… são no sentido de que não existe uma justificativa real para aplicar o termo Oceano a este corpo de água”, escreveu o OHI nas diretrizes que publicou naquele ano.

Os cientistas não concordaram, no entanto, e o termo tem sido cada vez mais usado, à medida que a importância e a singularidade do Oceano Antártico se tornaram mais claras. O Conselho de Nomes Geográficos dos Estados Unidos começou a usá-lo em 1999, e a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA) do país oficialmente começou a usá-lo este ano.

O “oceano” original na Terra era, na verdade, um rio – nomeado pelos antigos gregos em homenagem ao titã Oceano, um deus do rio que era filho de Urano e Gaia e irmão e marido de Tétis, a deusa das águas primordiais que alimentou a Terra.

Os antigos gregos pensavam originalmente que este rio “Oceano” circundava o mundo e eles imaginavam que ele terminava em algum lugar a oeste da Europa e a leste da Ásia. Eventualmente, o termo seria usado para descrever as diferentes partes do oceano global.

O termo relacionado “Sete Mares”, entretanto, é muito mais antigo do que muitos oceanos modernos. Ninguém sabe onde o conceito se originou, mas o termo aparece nos escritos antigos de gregos, romanos, árabes, hindus, persas e chineses, embora muitas vezes descrevesse mares inteiramente diferentes – alguns deles míticos – para pessoas diferentes.

De acordo com o site do World Atlas, os Sete Mares hoje são considerados os sete maiores corpos de água oceânicos: Ártico, Atlântico Norte, Atlântico Sul, Índico, Pacífico Norte, Pacífico Sul e Oceano Antártico ou Meridional.