Depósito gigante de artefatos egípcios antigos releva os segredos perdidos da mumificação

0
184
Potes encontrados no poço de embalsamamento de Abusir. Créditos: Instituto Tcheco de Egiptologia / Peter Košárek.

Por Marianne Guenot
Publicado no Business Insider

Um depósito de centenas de ferramentas de embalsamamento descoberto em Abusir, Egito – provavelmente o maior já encontrado – oferece pistas sobre um funeral luxuoso que possivelmente ocorreu há cerca de 2.600 anos.

O depósito de pelo menos 370 potes de cerâmica – alguns dos quais carregavam cabeças para representar divindades animais sagradas – poderia fornecer informações sem precedentes sobre o processo de mumificação, disseram especialistas ao Business Insider.

“Esta é uma descoberta realmente emocionante e importante”, disse Wojciech Ejsmond, um egiptólogo do Projeto Múmia de Varsóvia que não esteve envolvido no estudo, ao Business Insider por e-mail. “Conhecemos centenas de múmias, mas nosso conhecimento sobre o processo de embalsamamento ainda tem muitas lacunas”.

O local de embalsamamento, visto da superfície. Créditos: Instituto Tcheco de Egiptologia / Peter Košárek.

Os poços ou locais de embalsamamento eram comumente usados ​​no Egito Antigo, disse Miroslav Bárta, arqueólogo principal da missão e professor de arqueologia na Universidade Carolina de Praga.

Ele disse ao Business Insider que eles eram usados ​​para armazenar qualquer ferramenta, recipiente ou objeto que entrasse em contato com o corpo durante o processo de embalsamamento de 70 dias.

Os poços de Abusir, um cemitério para as antigas elites egípcias da cidade vizinha de Mênfis, são particularmente ricos em artefatos.

Esses locais ricos em artefatos “podem ser chamados de ‘livro de receitas’ para fazer múmias”, disse Ejsmond.

Outro poço de embalsamamento de Abusir, da tumba de Menekhibnekau, um general de alto escalão, continha cerca de 300 potes.

Em comparação, o poço de embalsamamento do rei Tutancâmon, um faraó do auge da prosperidade do antigo Egito, continha apenas cerca de uma dúzia, disse Ejsmond.

Um pote encontrado no poço de embalsamento de Abusir. Créditos: Instituto Tcheco de Egiptologia / Peter Košárek.

O poço de embalsamamento de Menekhibnekau “forneceu detalhes fascinantes, especialmente porque não há nenhum texto antigo detalhando o processo de mumificação”, disse ele. “A atual descoberta feita pela missão tcheca tem um grande potencial. Como disse o Prof. Bárta, pode elucidar a sequência de eventos no processo de embalsamamento”.

O poço de embalsamamento recém-descoberto tem cerca de 5 metros de largura e 15 metros de profundidade. Isso é extraordinariamente grande, segundo Bárta.

Uma tumba ao lado do poço também é enorme, com cerca de 14 metros de largura e mais de 20 metros de profundidade.

Esta tumba ainda não foi escavada e não se sabe muito sobre a pessoa enterrada lá.

Mas por causa do local onde está a tumba e da prodigalidade do poço de embalsamamento, é provavelmente o local de descanso de um dos mais altos dignitários do seu tempo, por volta do século VI a.C.

Ele era talvez um sacerdote, general ou oficial do sexo masculino próximo ao faraó, disse Bárta.

O nome “Wahibre-mery-Neith”, que se traduz em “rei amado pela deusa Neite”, foi encontrado em um dos potes, e é “altamente provável” que este fosse o nome dele, disse Ladislav Bareš, arqueólogo da escavação e professor de egiptologia, também da Universidade Carolina de Praga.

Essa demonstração de enorme riqueza e devoção vista em Abusir pode ter a ver com a tensa situação política da época no Egito, segundo Bárta.

“Este cemitério de poços em Abusir é um exemplo maravilhoso de uma sociedade em colapso que está desesperada por encontrar novos meios para evitar seu colapso”, disse ele.

Por volta do século VI a.C., a civilização egípcia estava em declínio. Gregos, persas e núbios próximos estavam tentando assumir o controle da região, ameaçando o modo de vida egípcio.

Isso coincidiu com um renascimento de antigos ritos sagrados, incluindo a recriação de funerais históricos elaborados e o retorno à adoração de muitos tipos de animais sagrados diferentes, disse Bárta.

“Os antigos egípcios estavam fazendo o que toda cultura faz quando está sob ataque de fora: eles voltam às suas raízes”, disse Bárta. “O que, claro, é um comportamento antropológico altamente interessante, mas na maioria dos casos falha, e também falhou no caso dos antigos egípcios”.