Arqueólogos descobrem emocionante ‘cápsula do tempo’ de artefatos da Idade do Ferro na Inglaterra

0
208
Um fecho. Crédito: Projeto de Pesquisa de Poulton.

Por Jacinta Bowler
Publicado na ScienceAlert

Por mais de 25 anos, um grupo em Poulton, Inglaterra, procura por uma abadia cisterciense perdida. Em vez disso, ao longo das décadas, a equipe encontrou centenas de esqueletos medievais e artefatos romanos que estiveram em muitos lugares. Agora, eles descobriram o que chamam de “a imagem mais bem preservada da vida pré-histórica tardia já encontrada [no Noroeste da Inglaterra]”.

Nos últimos oito anos, a equipe do Projeto de Pesquisa de Poulton descobriu 10 casas redondas (um tipo de casa com um plano circular e geralmente com um telhado cônico) e mais de 5.000 achados, fornecendo evidências de uma comunidade rica e grande, o que poderia dissipar a visão dominante de que o noroeste da Inglaterra era escassamente povoado durante a Idade do Ferro.

“Muito pouco se sabia sobre as comunidades de alto status da Idade do Ferro no noroeste da Inglaterra até agora”, disse Kevin Cootes, arqueólogo da Universidade John Moores de Liverpool e consultor do Projeto de Pesquisa de Poulton. “Podemos dizer pelo que descobrimos que esta comunidade era muito rica, pelo comércio ao longo do rio. Poulton é uma cápsula do tempo bem preservada de milhares de anos de vida. Não é uma descoberta única para esse século, é uma descoberta única em milênios. É absolutamente fascinante e um privilégio estar envolvido”.

Uma visão aérea do local. Crédito: Projeto de Pesquisa de Poulton.

As próprias pistas para encontrar este assentamento da Idade do Ferro – que abrange potencialmente 800 anos – são bastante fascinantes. Os pesquisadores do Projeto de Pesquisa de Poulton encontraram originalmente mais de 900 esqueletos de uma capela medieval tardia. Mas os esqueletos estavam ao lado de artefatos que pareciam muito anteriores aos sepultamentos: parecia que as sepulturas haviam sido cavadas em sítios arqueológicos muito mais antigos.

Quando os pesquisadores cavaram mais fundo, eles realmente encontraram evidências da Idade do Ferro – 10 casas redondas e um número surpreendente de itens que remontam ao século VIII a.C. Estes incluíam um fecho ou prendedor decorado, um cachorro que provavelmente foi sacrificado, o que parecia ser uma bigorna de pedra, cerâmica e valas nas quais os moradores provavelmente descartaram o lixo.

Objetos feitos com galhadas, incluindo um fecho. Crédito: Projeto de Pesquisa de Poulton.

A cerâmica mais abundante era na verdade para transportar sal, o que sugere que a comunidade poderia transportar o sal da área de Middlewich a mais de 30 quilômetros de distância. Esta e muitas outras descobertas deram aos pesquisadores uma visão realmente empolgante da vida das pessoas neste assentamento da Idade do Ferro.

“Os solos neutros – que preservaram os esqueletos medievais do local – tiveram o mesmo efeito sobre os delicados achados da Idade do Ferro, enquanto a profundidade das valas os protegeu da destruição por lavouras ao longo da história”, escreveu a equipe em um estudo na Current Archaeology. “Esses fatores combinados para fornecer um ambiente estável para ossos, cerâmica e metal, preservando a cápsula do tempo mais completa da Idade do Ferro já recuperada nas terras baixas do noroeste da Grã-Bretanha”.

Fragmentos de cerâmica. Créditos: Cootes et al., Journal of the Chester Archaeological Society, 2021.

A pesquisa foi publicada no Journal of the Chester Archaeological Society.