Descoberta macabra de um crânio contém as primeiras evidências de uma cirurgia de ouvido

0
209
Créditos: Navarro et al., Scientific Reports, 2022.

Por Carly Cassella
Publicado na ScienceAlert

Um crânio antigo descoberto em um monumento megalítico de 6.000 anos na Espanha ainda guarda sinais do que teria sido uma cirurgia cruel no ouvido.

Arqueólogos suspeitam que o paciente provavelmente teve uma infecção aguda do ouvido médio bilateral, que pode causar dores de ouvido e febre.

Sem tratamento, o fluido pode se acumular atrás do tímpano, possivelmente causando um nódulo visível no crânio, perda auditiva ou até mesmo inflamação com risco de morte da membrana externa do cérebro.

Embora agora seja um procedimento comum, antes de meados do século XIX, a cirurgia de ouvido era realizada apenas em tentativas desesperadas de salvar vidas. Embora algumas interpretações de escritos antigos indiquem intervenções cirúrgicas já no primeiro século d.C., é difícil encontrar evidências sólidas.

Essa descoberta macabra do crânio sugere que procedimentos semelhantes poderiam ter sido realizados milhares de anos antes.

O crânio, neste caso, foi encontrado em um local de sepultamento chamado Dólmen de El Pendónis, que foi usado no quarto milênio a.C. como um ossuário. Aqueles que cuidaram do memorial parecem ter propositalmente separados as cabeças, membros e pélvis de dezenas de cadáveres em uma tentativa ritualística de “quebrar a individualidade”.

Vista frontal e lateral do crânio encontrado no sítio arqueológico El Pendón. Créditos: Navarro et al., Scientific Reports, 2022.

Como se vê, eles fizeram seu trabalho até que bem demais. Como o crânio foi encontrado sozinho, não pode nos dizer muito sobre o dono. Pertencia a uma mulher, mas como não há dentes ou outros membros associados a ela, é difícil dizer quantos anos ela viveu.

Com base na falta de dentes e na fusão dos ossos do crânio, os pesquisadores acreditam que ela provavelmente estava mais velha para a época, algo entre 35 e 50 anos.

Também há evidências de que ela passou por uma cirurgia no ouvido precoce.

Suas infecções de ouvido devem ter sido muito ruins, porque sem anestesia, os pesquisadores preveem que uma cirurgia de ouvido pré-histórica teria sido insuportavelmente dolorosa.

Para perfurar o crânio atrás da orelha, a mulher precisaria ser segurada e contida, ou receber uma substância que pudesse torná-la menos consciente de sua realidade.

Seja como for, a cirurgia parece ter funcionado. Os ossos perto de ambos os ouvidos mostram sinais de deterioração, confirmando uma infecção em algum momento, mas também não mostram sinais de infecção no momento da morte. De fato, houve clara regeneração e remodelação óssea, que é uma parte comum do processo de cicatrização.

Embora ambos os ouvidos provavelmente precisassem de cirurgia, apenas o lado esquerdo ainda mostra marcas de faca cortadas em forma de ‘V’.

Imagens dos ossos direito (a) e esquerdo (b) ao redor do ouvido. Créditos: Navarro et al., Scientific Reports, 2022.

O fato dessas marcas estarem faltando no lado direito sugere que essas feridas já haviam sido curadas quando a mulher morreu. E isso significa que ela provavelmente passou por uma excruciante cirurgia no ouvido duas vezes em sua vida.

“Com base nas diferenças na remodelação óssea entre os dois ossos temporais, parece que o procedimento foi realizado pela primeira vez na orelha direita, devido a uma patologia do ouvido suficientemente alarmante para exigir uma intervenção, à qual essa mulher pré-histórica sobreviveu”, escreveram os autores. “Subsequentemente, o ouvido esquerdo teria passado por uma intervenção; no entanto, não é possível determinar se ambas as intervenções foram realizadas consecutivamente ou vários meses, ou mesmo anos. É, portanto, a evidência documentada mais antiga de uma cirurgia em ambos os ossos temporais e, portanto, provavelmente, a primeira mastoidectomia radical conhecida na história da humanidade”.

O estudo foi publicado na Scientific Reports.