Vídeo: quão longe você precisaria estar para sobreviver a uma explosão nuclear?

0
242
Simulação de uma explosão de uma bomba nuclear da linha W87 com potência de 300 kilotons no centro de São Paulo. Crédito: Outrider.

Por Fiona MacDonald
Publicado na ScienceAlert

Já se passaram quase 80 anos desde que duas bombas nucleares foram detonadas sobre as cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki, matando pelo menos 129.000 pessoas e causando efeitos devastadores à saúde a longo prazo.

Até o momento, esses são os únicos casos de armas nucleares sendo usadas para a guerra, mas a realidade é que existem cerca de 12.700 ogivas restantes no mundo hoje. Então, o que aconteceria se uma guerra nuclear eclodisse amanhã?

Não entre em pânico – isso é apenas uma hipótese. Mas no vídeo abaixo (com legendas em português), a equipe da AsapSCIENCE detalha a ciência das bombas nucleares para prever a probabilidade de você sobreviver. Digamos que, no caso de uma explosão nuclear, você iria gostar de estar usando roupas brancas.

Primeiro, vamos esclarecer isso – não há uma maneira clara de estimar o impacto de uma única bomba nuclear, porque depende de muitos fatores, incluindo o clima no dia em que foi lançada, a hora do dia em que foi detonada, o plano geográfico de onde atinge e se explode no chão ou no ar.

Mas, de um modo geral, existem alguns estágios previsíveis de uma explosão de bomba nuclear que podem afetar a probabilidade de sua sobrevivência. (Você também pode explorar este arrepiante mapa interativo para descobrir como uma explosão nuclear se espalharia pela área onde você mora.)

Como o vídeo acima explica, aproximadamente 35% da energia de uma explosão nuclear é liberada na forma de radiação térmica. Como a radiação térmica viaja aproximadamente à velocidade da luz, a primeira coisa que o atingirá é um enorme calor e um flash de luz ofuscante.

A luz em si é suficiente para causar algo chamado cegueira pela luz – uma forma geralmente temporária de perda de visão que pode durar alguns minutos.

O vídeo AsapSCIENCE considera uma bomba de 1 megaton, que é 80 vezes maior do que a bomba detonada sobre Hiroshima, mas muito menor do que muitas armas nucleares modernas.

Para uma bomba desse tamanho, pessoas a até 21 km de distância experimentariam cegueira instantânea em um dia claro, e pessoas a até 85 km ficariam temporariamente cegas em uma noite clara.

O calor é um problema para aqueles mais próximos da explosão. Queimaduras leves de primeiro grau podem ocorrer a até 11 km de distância, e queimaduras de terceiro grau – do tipo que destroem e formam bolhas no tecido da pele – podem afetar qualquer pessoa a até 8 km de distância. Queimaduras de terceiro grau que cobrem mais de 24% do corpo provavelmente seriam fatais se as pessoas não recebessem cuidados médicos imediatamente.

Essas distâncias são variáveis, dependendo não apenas do clima, mas também do que você está vestindo – roupas brancas podem refletir um pouco da energia de uma explosão, enquanto roupas mais escuras a absorvem.

É improvável que isso faça muita diferença para aqueles sem sorte o suficiente para estar no centro da explosão.

As temperaturas perto do local da explosão da bomba durante a explosão de Hiroshima foram estimadas em 300.000 graus Celsius – o que é aproximadamente 300 vezes mais quente do que a temperatura em que os corpos são cremados, então os humanos foram quase instantaneamente reduzidos ao mais básico dos elementos, como o carbono.

Mas para aqueles um pouco mais distantes do centro da explosão, existem outros efeitos a serem considerados além do calor. A explosão de uma explosão nuclear também afasta o ar do local da explosão, criando mudanças repentinas na pressão do ar que podem esmagar objetos e derrubar prédios.

Dentro de um raio de 6 km de uma bomba de 1 megaton, as ondas de choque produziriam 180 toneladas de força nas paredes de todos os edifícios de dois andares e velocidades do vento de 255 km/h. Em um raio de 1 km, o pico de pressão é quatro vezes maior e a velocidade do vento pode chegar a 756 km/h.

Tecnicamente, os humanos podem suportar tanta pressão, mas a maioria das pessoas seria morta pela queda de edifícios.

Se você de alguma forma sobreviver a tudo isso, ainda há o envenenamento radioativo para lidar – e as cinzas nucleares. A AsapSCIENCE aborda isso no vídeo acima, mas os efeitos contínuos no planeta são mais duradouros do que você poderia esperar.

Por exemplo, um estudo de simulação publicado em 2019 descobriu que uma guerra nuclear entre os Estados Unidos e a Rússia mergulharia a Terra em um inverno nuclear em poucos dias, devido aos níveis de fumaça e cinzas liberados na atmosfera.

Também sabemos que as partículas radioativas podem viajar muito longe; um estudo recente descobriu que restos de carbono radioativo de testes de bombas nucleares da Guerra Fria foram encontrados na Fossa das Marianas, o ponto mais profundo dos oceanos do mundo.

Novamente, tudo isso é hipotético – existem tratados internacionais em vigor para impedir a disseminação e o uso de armas nucleares, então esperamos que você nunca precise saber nenhuma dessas informações de verdade.

No entanto, para saber mais sobre o estado atual do armamento nuclear no mundo, incluindo a escala das bombas, você pode visitar o Nuclear Notebook no Bulletin of the Atomic Scientists.