Descoberto novo tipo de meteorito

Esta rocha espacial, diferente de qualquer outra, dá aos cientistas planetários um vislumbre do início do Sistema Solar. Belinda Smith relata.

0
942
O meteorito fóssil Oesterplana 065 (cinza escuro) alojado em calcário vermelho. O halo cinza pálido é onde o oxigênio no calcário foi consumido enquanto o meteorito resistiu no fundo do mar. Crédito: Birger Schmitz.

Artigo traduzido de Cosmos Magazine. Autor: Belinda Smith.

Uma pedreira de calcário sueca fez uma revelação rochosa – um novo tipo de meteorito, que ficou preso numa rocha por 470 milhões de anos.

Birger Schmitz, da Universidade de Lund, na Suécia, e seus colegas, descreveram na Nature Communications a peça única de rocha espacial, que pode ajudar os astrônomos a reconstruir a história do Sistema Solar.

Phil Bland, astrônomo e caçador meteorito da Universidade de Curtin, na Austrália Ocidental, que não estava envolvido com o estudo, o chama de “uma linda peça”.

“Já encontramos dezenas de milhares de meteoritos na Terra. Encontrar um tipo completamente novo é fantástico.”

Cerca de 85% dos meteoritos são “condritos” – pedaços de rocha que se formaram quando a poeira no início do Sistema Solar se aglomerou em asteroides, que ao longo do tempo se colidiram e caíram na Terra.

A pedreira Thorsberg no sul da Suécia é uma fonte rica de meteoritos condritos, com mais de 100 desenterrado nas últimas décadas.

O calcário de 470 milhões de anos de idade, calcário é usado como pavimentação, entre outras coisas, mas, enquanto a rocha estava se formando no fundo do mar, o planeta foi recheado com meteoritos condritos – fragmentos de, alguns cientistas planetários pensam, um grande asteroide que colidiu com outro objeto.

Mas esse segundo objeto permaneceu enigmático. Nenhum sinal dele foi encontrado.

Até 2014, quando Schmitz relatou um meteorito de aparência estranha, apelidado de Oesterplana 065, no leito de rocha onde os condritos foram encontrados.

Com cerca de oito centímetros de comprimento e 6,5 de largura, a mancha cinza escura foi descoberta presa em camadas de calcário.

Embora não se pareça com um meteorito pedregoso típico, graças a anos de intemperismo, o calcário preservou minúsculas partículas chamadas grãos de cromita, a partir do qual as informações de composição podem ser extraídas.

Neste trabalho mais recente, eles analisaram os diferentes tipos (ou isótopos) de oxigênio e cromo no meteorito e concluíram que ele era diferente de qualquer outro.

Eles também dataram o meteorito e mostraram que a idade se encontrava em até 1 milhão de anos da idade dos condritos da pedreira.

Eles acreditam que o asteroide que gerou o fragmento Oesterplana 065 colidiu com o asteroide pai dos condritos, mas se fragmentou em pequenos pedaços no processo, o que explica por que o meteorito é – até agora – o único do tipo.

Schmitz e seus colegas escrevem que Oesterplana 065 “pode ser o primeiro exemplo documentado de um meteorito ‘extinto'” – em outras palavras, um tipo de meteorito que não cai na Terra hoje em dia porque o seu asteroide pai está agora completamente destruído.

As famílias de asteroides – ou seja, conjuntos de pequenos asteroides formados quando um maior se parte – tem uma meia-vida entre um bilhão e 500 milhões de anos, Bland diz: “Isso significa que o cinturão de asteroides” – onde a maioria dos asteroides residem, orbitando o Sol entre Marte e Júpiter – “constantemente circula através de material diferente”.

Encontrar meteoritos mais extintos e rastrear quais tipos caíram na Terra – e quando caíram – vai ajudar os astrônomos a juntar pistas sobre a juventude de nosso Sistema Solar, escrevem os pesquisadores.

“Há potencial para reconstruir aspectos importantes da história do Sistema Solar olhando em sedimentos na Terra, além da observação do céu.”

CONTINUAR LENDO