Destruição da Lua, armas a laser e missão em Marte: histórias pouco conhecidas da corrida espacial

0
204

Por Mark Oliver
Publicado no ListVerse

A Guerra Fria trouxe terror para a vida das pessoas, mas também trouxe esperança. A intensa rivalidade entre os EUA e a URSS gerou uma incrível ambição de exploração e inovação que o mundo não tinha visto desde então.

De 1957 a 1991, vimos o primeiro foguete a decolar para o espaço, o primeiro homem a escapar da atmosfera e os primeiros passos na Lua. A humanidade conquistou coisas que nunca sonhamos ser possíveis, alimentada pela competição entre duas superpotências.

Mas não foi só de feitos grandiosos e inovações marcantes que esse período viveu. Há também inúmeras histórias curiosas acerca da corrida espacial, muitas vezes desconhecidas pelo público em geral ou omitidas pelos governos por muito tempo. Confira a seguir alguma delas.

Os nazistas foram os primeiros no espaço

“Pela primeira vez, invadimos o espaço com nosso foguete”, declarou um cientista, erguendo o copo em um brinde. Este dia, ele disse aos homens presentes, “é o primeiro de uma nova era de transporte: a das viagens espaciais”.

Esse homem era Walter Dornberger. Era 20 de junho de 1944 e ele era nazista. Ele e sua equipe finalmente concluíram seu foguete V-2 e, pela primeira vez na história, lançaram-no ao espaço.

Quando os nazistas caíram, seus sonhos de viagens espaciais ruíram com eles. As nações que os derrotaram, entretanto, continuaram de onde haviam parado. Stalin atraiu quantos pôde para o seu lado, alguns por meio de incentivos e outros arrombando suas portas e forçando-os a trabalhar. Os EUA montaram a Operação Paperclip e recrutaram quase 500 cientistas nazistas para ajudá-los a recriar o V-2.

Os projetos de ambos os países tiveram sucesso. A corrida espacial começou e a NASA foi formada – criada a partir de uma equipe de pesquisadores nazistas perdoados.

Eisenhower teve que lutar para provar que a URSS não era a dona do espaço sideral

Quando os Estados Unidos planejaram colocar seu primeiro foguete em órbita, o presidente Eisenhower ficou preocupado. As fronteiras haviam sido claramente definidas em terra e no mar – mas ninguém jamais decidira até que ponto elas se estendiam para cima. Se uma sonda americana acabasse orbitando o espaço aéreo soviético, isso poderia incitar uma guerra.

Eisenhower começou a lutar pelo que chamou de “Liberdade do Espaço”. Qualquer coisa a mais de 100 quilômetros acima do mar, ele argumentou, era o “espaço” e não pertencia a ninguém. A URSS discordou. Os soviéticos queriam que as fronteiras do seu território se estendessem acima do limite proposto por Eisenhower.

No final, porém, o Sputnik da URSS entrou em órbita antes de qualquer satélite dos Estados Unidos. Eisenhower, em vez de ficar preocupado, ficou aliviado. Enquanto o Sputnik sobrevoava o espaço aéreo americano, a URSS não teve escolha a não ser assinar o acordo – porque também precisava manter seus satélites espiões lá em cima.

Os Estados Unidos e a União Soviética assinaram um acordo para não destruir a Lua

À medida que as viagens espaciais se tornavam realidade, cada história de ficção científica se tornava uma possibilidade real. Os cenários apocalípticos nos quais humanos em naves espaciais bombardeariam o planeta de cima começaram a parecer prováveis ​​e os governos tiveram que se preparar para isso.

As duas nações assinaram um acordo denominado “Tratado do Espaço Sideral”. A maior parte do documento são promessas razoáveis ​​que garantem que a exploração espacial será gratuita – mas uma parte, o Artigo IV, está repleta de cenários de pesadelo extraídos de uma história de Bradbury.

As bases lunares militares, por exemplo, são proibidas pelo tratado. Soldados, da mesma forma, não podem ser enviados à Lua para conduzir atividades militares. Qualquer nação também está proibida de enviar uma estação espacial armada em órbita para bombardear o mundo abaixo com mísseis nucleares.

Ambos os países também tiveram que prometer não detonar a Lua. Mesmo se eles estivessem realmente curiosos sobre o que iria acontecer se o fizessem.

Os soviéticos fizeram uma arma laser para atirar na espaçonave inimiga

Os soviéticos desenvolveram mais do que apenas foguetes. Eles não estavam apenas preocupados em chegar ao espaço – eles queriam vencer quando estivessem lá. Se eles avistassem um astronauta americano ou fizessem uma sondagem no espaço com eles, eles queriam estar prontos.

Eles criaram uma arma a laser projetada para ser disparada no espaço. O laser disparava um flash de luz projetado para cegar os sensores e destruir os sistemas ópticos da espaçonave inimiga.

No final das contas, a arma laser foi descartada, mas isso não significava que os cosmonautas decolaram desarmados. Yuri Gagarin, a primeira pessoa a deixar a Terra, trouxe uma pistola semiautomática com ele na viagem – só para garantir. Os americanos não eram diferentes. Eles carregavam uma faca bowie com eles em suas missões, aparentemente sem saber que estavam trazendo uma faca para uma luta de laser espacial.

A URSS e os EUA quase foram para a Lua juntos

A URSS liderou todas as etapas iniciais da Corrida Espacial, mas quando chegaram os anos 60, eles começaram a ficar para trás. Em 1963, como um programa cooperativo, cientistas da NASA foram convidados à Academia Soviética de Cientistas para ver seu programa espacial e descobriram que os soviéticos estavam considerando desistir de enviar um homem à Lua.

Kennedy não achava que eles estavam dizendo a verdade, mas o fato ainda assim o afetou. Pouco depois, ele propôs que as duas nações trabalhassem juntas. “Há espaço para uma nova cooperação”, disse Kennedy. “Incluo entre essas possibilidades uma expedição conjunta à Lua”.

Khrushchev, de acordo com seu filho, considerou aceitar a oferta. Kennedy foi assassinado, porém, e Khrushchev não confiava em Lyndon Johnson. Ele abandonou os planos quando o novo presidente assumiu, e a missão conjunta à Lua nunca aconteceu.

Uma sonda soviética caiu na Lua enquanto Neil Armstrong dava seus primeiros passos

Durante as missões Apollo, os soviéticos estavam tentando realizar uma missão diferente. Eles queriam que uma sonda robótica pousasse na Lua e trouxesse uma amostra do solo. Eles chamaram as sondas de “Luna” e uma delas – Luna 15 – saiu para o espaço três dias antes da Apollo 11.

Os dois países compartilharam seus planos de voo para garantir que os naves não colidissem. Os soviéticos esconderam o propósito da Luna 15, mas eles informaram os Estados Unidos onde ela pousaria para que a Apollo 11 pudesse pousar com segurança.

Enquanto Neil Armstrong e Buzz Aldrin davam seus primeiros passos na Lua, Luna 15 estava pousando na superfície. Ela bateu na encosta de uma montanha e foi destruída.

Neil Armstrong levou uma das medalhas de Yuri Gagarin para a Lua

Antes de ir para o espaço, Neil Armstrong e Buzz Aldrin conversaram com a esposa de Yuri Gagarin. O primeiro cosmonauta a ir ao espaço morrera no ano anterior, e sua viúva queria um favor: que uma de suas medalhas subisse até a Lua. Os homens trouxeram um pequeno pacote com as coisas de Gagarin dentro e, como sua tarefa final antes de deixar a Lua, deixaram a medalha de Gagarin para trás.

Mais tarde, a Apollo 15 fez uma homenagem semelhante. A tripulação trouxe com eles uma placa listando os nomes de todos os astronautas e cosmonautas que morreram no caminho. Esses homens, eles achavam, haviam pago o preço final para levá-los até lá e estavam em dívida com eles. O astronauta Dave Scott disse ao controle da missão que estava “limpando a parte traseira do veículo espacial” e secretamente deixou cair a placa e uma pequena estatueta chamada “O Astronauta Caído” para trás.

Os soviéticos enviaram navios para resgatar a tripulação da Apollo 13

A missão da Apollo 13 falhou. Suas células de combustível falharam e os tanques de oxigênio foram liberados para o espaço. Eles não tinham escolha a não ser voltar e tentar voltar vivos para a Terra.

Os soviéticos estavam prontos para ajudar. Quando os astronautas começaram a reentrar, a União Soviética ficou preocupada que seus rádios interferissem na queda das naves espaciais. Para manter a tripulação segura, eles pararam todas as transmissões de rádio usando a mesma frequência da Apollo 13.

Navios soviéticos foram enviados ao Oceano Pacífico e Atlântico, prontos para ajudar. No final, o ônibus espacial foi pego por um navio americano – mas se eles tivessem pousado em outro lugar, teriam sido recebidos por uma tripulação soviética.

A última missão Apollo foi uma missão conjunta com a URSS

Os EUA e a URSS nunca foram à Lua juntos, mas foram para o espaço. Em 1975, o sonho de Kennedy se tornou realidade. A última missão Apollo já lançada foi uma missão conjunta, feita ao lado de uma espaçonave Soyuz.

As naves foram lançadas separadamente, mas atracaram juntas assim que chegaram ao espaço. Lá, a tripulação passou dois dias conduzindo experimentos antes que os navios se separassem e retornassem à Terra.

As equipes até aprenderam as línguas umas das outras. Todo americano envolvido aprendeu russo e todo soviético aprendeu inglês.

Os EUA e a URSS consideraram uma missão conjunta a Marte

Depois que os americanos pousaram na Lua, o plano de Gorbachev era colaborar em uma série de missões não tripuladas com o objetivo de completar uma exploração sofisticada de Marte até o ano 2000. A ideia teve apoio em ambos os países, e políticos americanos escreveram a Reagan insistindo-o a concordar.

Em 1988, os Estados Unidos deram seu primeiro passo em direção ao plano. Eles concordam em apoiar os soviéticos no envio de uma sonda a Marte em 1994.

Em poucos dias, porém, eles começaram a recuar. Reagan estava preocupado em se comprometer com gastos excessivos. Além disso, eles não viam mais os soviéticos como adversários importantes na corrida espacial.

O espírito de cooperação acabou. Com a queda da União Soviética alguns anos depois, o espírito de competição também acabou. A corrida espacial havia chegado ao fim.