‘Dinossauro anão’ que viveu em ilha pré-histórica é desenterrado na Transilvânia

A nova espécie de "dinossauro anão" fornece mais evidências para a "lei da ilha", que postula que os animais que evoluem nas ilhas se tornam menores do que seus equivalentes no continente.

0
118
Evidências fósseis sugerem que durante o período Cretáceo, 'dinossauros anões' povoaram um arquipélago tropical perto da atual Romênia. (Créditos: Peter Nickolaus)

Se você pensa na Transilvânia, pode imaginar um lugar habitado por vampiros e lobisomens. Agora, você pode adicionar “dinossauros anões” a essa lista. Um grupo de pesquisadores identificou recentemente uma nova espécie de dinossauro da região, apelidando-a de Transylvanosaurus platycephalus, ou “réptil de cabeça chata da Transilvânia”. E faz parte de um grupo de dinossauros anões que evoluíram para serem muito menores que seus parentes, inclindo os transilvanossauros.

T. platycephalus, um membro da família Rhabdodontidae — um grupo de dinossauros ornitópodes herbívoros — viveu cerca de 70 milhões de anos atrás durante o final do período Cretáceo (145 milhões a 66 milhões de anos atrás). Nesse ponto do passado da Terra, as plantas com flores haviam evoluído – e com elas os primeiros polinizadores – e os ancestrais dos pássaros estavam apenas começando a experimentar o voo. O maciço supercontinente Pangeia havia se dividido em vários continentes menores e a Europa era um arquipélago de ilhas tropicais, mais como a atual Indonésia ou Galápagos.

Em um novo estudo, publicado online em 23 de novembro no Journal of Vertebrate Paleontology, os pesquisadores descreveram as espécies recém-descobertas a partir de fragmentos ósseos da testa e da região inferior da parte de trás do crânio. Em vida, o T. platycephalus teria medido apenas 2 metros de comprimento. Tinha uma cabeça larga e achatada e convivia com outros répteis, como crocodilos e tartarugas.

Pesquisas anteriores sugeriram que a diversidade de dinossauros já havia diminuído significativamente neste ponto da história da Terra, pouco antes da extinção em massa que encerrou o Cretáceo. Mas esta nova descoberta pode sugerir que diversas formas de dinossauros ainda faziam parte da paisagem da Europa do Cretáceo.

“Com cada espécie recém-descoberta, estamos refutando a suposição generalizada de que a fauna do Cretáceo Superior tinha uma baixa diversidade na Europa”, disse Felix Augustin, principal autor do estudo e candidato a doutorado na Universidade de Tubinga, na Alemanha, em comunicado.

Ossos do crânio do transilvanossauro. (Créditos: Dylan Bastiaans)

E o tamanho diminuto do dinossauro o torna o mais novo membro da chamada família dos dinossauros anões encontrada na região de Hateg, na Romênia (Transilvânia é o nome histórico e cultural da região no centro da Romênia). Os dinossauros anões de Hateg são um grupo infame de dinossauros que cativaram os paleontólogos desde a sua descoberta no início do século XX. Em 2010, outro grupo de pesquisadores determinou que, durante o Cretáceo Superior, uma ilha com cerca de 80.000 quilômetros quadrado ficava na região de Hateg, onde esses dinossauros anões foram encontrados.

As ilhas geralmente produzem espécies menores do que o normal. Hoje, existem lêmures anões em uma ilha no norte de Madagascar e raposas anãs nas ilhas do Canal da Califórnia. Dez mil anos atrás, elefantes anões e hipopótamos anões viviam em ilhas no Mediterrâneo. Em um estudo publicado em 2021 na revista Nature Ecology and Evolution, os pesquisadores analisaram milhares de relatos de mudanças no tamanho do corpo de mais de mil espécies e descobriram que “a lei da ilha” geralmente é verdadeira – ao longo de gerações, animais grandes tendem a ficar menores quando estão isolados em uma ilha.

Existem algumas hipóteses por trás de por que os animais encolhem em uma ilha. Pode ser que a falta de grandes predadores permita que os animais permaneçam pequenos, escreveu a antropóloga evolutiva Caitlin Schrein em 2016 na revista de antropologia Sapiens. Os ecossistemas insulares podem oferecer menos variedade de alimentos, talvez levando a um crescimento atrofiado em alguns animais, escreveu Schrein. E se não houver grandes predadores na ilha, esses animais menores não serão removidos da população.

Durante o Cretáceo Superior, os dinossauros Rhabdodontidae eram os herbívoros de pequeno a médio porte mais comuns no que hoje é a Europa. No novo estudo, os pesquisadores observaram que parentes do T. platycephalus foram encontrados na França moderna, que na época seria uma ilha separada. À medida que o arquipélago se formou e o nível do mar oscilou, pontes de terra entre as ilhas podem ter permitido que os dinossauros se espalhassem e evoluíssem isoladamente uns dos outros.

Eles podem até ter se dispersado entre as ilhas nadando curtas distâncias, sugeriu Augustin. Os dinossauros “tinham pernas poderosas e uma cauda poderosa. A maioria das espécies, em particular os répteis, podem nadar desde o nascimento”, disse Augustin.