Dinossauros estavam em ascensão antes da queda de asteroide, segundo estudo

0
163
Triceratops prorsus mastigando cicadáceas e assustando os primos primitivos de mamíferos placentários (à esquerda) e marsupiais (à direita) na vegetação rasteira - enquanto uma tartaruga-de-casco-mole sobe em um tronco, sem saber que sua ecologia de água doce a protegerá da destruição iminente do espaço. (Créditos: Henry Sharpe)

Traduzido por Julio Batista
Original da Universidade de Edimburgo

Os cientistas há muito tempo debatem por que os dinossauros não-aviários, incluindo o Tiranossauro rex e o Triceratops, foram extintos – enquanto mamíferos e outras espécies, como tartarugas e crocodilos, sobreviveram.

O novo estudo, liderado por uma equipe internacional de paleontólogos e ecologistas, analisou 1.600 registros fósseis da América do Norte. Os pesquisadores modelaram as cadeias alimentares e os habitats ecológicos de animais terrestres e de água doce durante os últimos milhões de anos do Cretáceo e os primeiros milhões de anos do período Paleogeno, após o impacto do asteroide.

Os paleontólogos sabem há algum tempo que muitos pequenos mamíferos viveram ao lado dos dinossauros. Mas esta pesquisa revela que esses mamíferos estavam se adaptando a seus ambientes e se tornando componentes mais importantes dos ecossistemas à medida que o período Cretáceo se desenrolava. Enquanto isso, os dinossauros estavam em nichos estáveis ​​aos quais estavam extremamente bem adaptados.

Os mamíferos não se aproveitaram apenas da morte dos dinossauros, disseram os especialistas. Eles estavam criando suas próprias vantagens através da diversificação – ocupando novos nichos ecológicos, desenvolvendo dietas e comportamentos mais variados e suportando pequenas mudanças no clima, adaptando-se rapidamente. Esses comportamentos provavelmente os ajudaram a sobreviver, pois eram mais capazes do que os dinossauros de lidar com a destruição radical e abrupta causada pelo asteroide.

O autor principal, Jorge García-Girón, da Unidade de Pesquisa em Geografia da Universidade de Oulu, Finlândia e do Departamento de Biodiversidade e Gestão Ambiental da Universidade de León, Espanha, disse: “nosso estudo fornece uma imagem convincente da estrutura ecológica, teias alimentares e nichos dos últimos ecossistemas dominados por dinossauros do período Cretáceo e os primeiros ecossistemas dominados por mamíferos após o impacto do asteroide. Isso nos ajuda a entender um dos antigos mistérios da paleontologia: por que todos os dinossauros não-aviários morreram, mas pássaros e mamíferos persistiram.”

O co-autor principal, Alfio Alessandro Chiarenza, do Departamento de Ecologia e Biologia Animal da Universidade de Vigo, Espanha, disse: “parece que a ecologia estável dos últimos dinossauros realmente impediu sua sobrevivência após o impacto do asteroide, que mudou abruptamente as regras ecológicas da época. Por outro lado, alguns pássaros, mamíferos, crocodilianos e tartarugas já haviam sido melhor adaptados a mudanças instáveis ​​e rápidas em seus ambientes, o que pode tê-los tornado mais capazes de sobreviver quando as coisas de repente ficaram ruins quando o asteroide atingiu.”

O autor sênior, professor Steve Brusatte, presidente do Centro de Paleontologia e Evolução da Faculdade de Geociências da Universidade de Edimburgo, disse: “os dinossauros estavam fortes, com ecossistemas estáveis, até que o asteroide os matou repentinamente. Enquanto isso, os mamíferos diversificavam suas dietas, ecologias e comportamentos enquanto os dinossauros ainda estavam vivos. Portanto, não apenas os mamíferos se aproveitaram da morte dos dinossauros, mas também estavam criando suas próprias vantagens, que os pré-adaptaram ecologicamente para sobreviver à extinção e se mudar para nichos deixados vagos pelos dinossauros extintos”.

A pesquisa foi publicada na revista Science Advances.