Rochas espaciais radioativas podem ter semeado vida na Terra, sugere nova pesquisa

Isótopos radioativos foram encontrados sendo capazes de sintetizar aminoácidos dentro de meteoritos condritos carbonáceos.

0
128
Os meteoros contêm elementos radioativos com energia suficiente para sintetizar aminoácidos. (Créditos: Universidade de Glasgow)

Um tipo especial de meteorito radioativo pode ter semeado a vida na Terra, segundo um novo estudo.

Os condritos carbonáceos, um tipo de meteorito radioativo repleto de água e compostos orgânicos, produzem raios gama energéticos que podem conduzir as reações químicas para sintetizar aminoácidos – os blocos de construção da vida – descobriram os pesquisadores.

Os meteoritos são restos da formação dos planetas internos rochosos do Sistema Solar jovem, que primeiro coagularam das nuvens quentes de gás e poeira ondulantes perto do Sol há cerca de 4,6 bilhões de anos. Na época, os planetas estavam muito próximos do Sol para formar oceanos e, portanto, não podiam abrigar vida, deixando os cientistas intrigados sobre como a Terra se transformou em um oásis de vida a partir de seu estado inicial estéril. Um estudo anterior sugeriu que a água poderia ter sido trazida para a Terra por meteoritos condritos carbonáceos. Agora, um novo estudo, publicado em 7 de dezembro na revista ACS Central Science, mostra que os mesmos meteoritos também podem ter trazido os blocos de construção da vida.

Para ver se isso era possível, os pesquisadores misturaram amônia, metanol e formaldeído à água em quantidades semelhantes às encontradas em meteoritos. Então, para ver se os elementos radioativos produtores de raios gama, como o alumínio-26 dentro dos meteoritos, poderiam gerar o calor necessário para a síntese de aminoácidos, os pesquisadores irradiaram sua mistura com raios gama de um isótopo analógico chamado cobalto-60.

Com certeza, os cientistas descobriram que o bombardeio de raios gama causou um aumento na produção de aminoácidos dentro da solução. Maior produção de raios gama aumentou a taxa de síntese de aminoácidos. Além disso, os pesquisadores descobriram que as proporções de aminoácidos produzidos em laboratório correspondiam às encontradas no meteorito Murchison – uma rocha espacial de 100 kg que pousou na Austrália em 1969. Análises posteriores revelaram que teria levado cerca de 1.000 a 100.000 anos para produzir as quantidades de aminoácidos encontradas dentro do meteorito Murchison.

Deve-se notar que os aminoácidos podem ser produzidos por muitos processos diferentes, portanto, embora o mecanismo que os pesquisadores descobriram seja um possível candidato de como a Terra teria sido semeada por aminoácidos, não é o único. Pesquisas futuras precisarão comparar esse mecanismo com outros para estabelecer qual provavelmente predominou durante os primeiros anos da Terra.