‘Dragão do mar’ gigante desenterrado da lama é o maior já encontrado no Reino Unido

0
476
O paleontólogo Dean Lomax com o ictiossauro fossilizado. Créditos: Matthew Power Photography / Anglian Water.

Por Clare Watson
Publicado na ScienceAlert

Um fóssil surpreendente de um extinto “dragão do mar” descoberto por um conservacionista de zonas úmidas em um dia comum no trabalho foi aclamado como o maior e mais completo fóssil desse tipo já encontrado na Grã-Bretanha.

O fóssil, identificado como um ictiossauro, um antigo réptil marinho que nadava nos oceanos pré-históricos da Terra quando os dinossauros andavam em terra, foi encontrado saindo da lama, e os cientistas dizem que o espécime antigo está praticamente completo da ponta à cauda.

“Nosso espécime, o Rutland Ichthyosaur ou o Dragão do Mar de Rutland, é o maior ictiossauro completo já encontrado na Grã-Bretanha em mais de 200 anos coletando esses caras cientificamente”, disse o paleontólogo Dean Lomax, que liderou a escavação.

O ictiossauro fossilizado. Crédito: Anglian Water.

Joe Davis, conservacionista do Leicestershire and Rutland Wildlife Trust, viu pela primeira vez uma mandíbula exposta do fóssil em fevereiro de 2021 durante trabalhos de paisagismo de rotina na Rutland Water Nature Reserve, uma pequena área de conservação de pântanos no interior da Inglaterra.

Os restos fossilizados foram escavados ao longo de três semanas em uma operação delicada envolvendo bastante gesso e talas de madeira usadas para proteger o espécime gigantesco e frágil quando foi removido de sua sepultura lamacenta.

Diante do crescente número de cocô de pássaros e do clima terrível, a equipe de paleontólogos, conservacionistas e voluntários finalmente prevaleceu, descobrindo e extraindo com segurança o fóssil de 10 metros de comprimento e toda a sua espinha dorsal composta por mais de 150 vértebras individuais.

“Sei que muitas pessoas passaram a vida procurando por algo assim e tive muita sorte em encontrá-lo”, disse Davis à New Scientist sobre a descoberta, que foi inicialmente descartada por seu colega Paul Trevor, como “apenas um grande tubo“.

Os ictiossauros, que variam em tamanho de 1 metro a mais de 25 metros e se assemelham aos golfinhos modernos, apareceram pela primeira vez cerca de 250 milhões de anos atrás e foram extintos cerca de 160 milhões de anos depois.

O dragão do mar de Rutland estava coberto de rochas ricas em argila que os pesquisadores dizem ter sido depositadas durante o início do período jurássico, cerca de 180 milhões de anos atrás. É mais provável que seja uma espécie chamada Temnodontosaurus trigonodon, embora as descobertas preliminares ainda não tenham sido revisadas por pares.

“É uma descoberta verdadeiramente sem precedentes e uma das maiores descobertas da história paleontológica britânica”, disse Lomax, cientista associado da Universidade de Manchester.

Dois esqueletos menores e parciais de ictiossauros foram encontrados décadas atrás na mesma área úmida, então encontrar outro não foi totalmente inesperado para os cientistas locais, mas o tamanho do novo fóssil – que supera o tamanho de seus descobridores – ainda era uma “surpresa total”.

“Pensamos que o espécime poderia ter sua cauda destruída ou espalhada por escavadeiras quando a lagoa foi escavada cerca de 10 anos antes”, escreveu o paleontólogo Nigel Larkin em um blog sobre a descoberta. “Logo descobrimos costelas, uma parte do crânio e – surpreendentemente – revelamos uma coluna vertebral inteira até a ponta da cauda, ​​onde as vértebras são do tamanho de uma moeda”.

Descobrir o esqueleto foi apenas o primeiro passo, e extrair o fóssil gigante foi uma tarefa séria: uma vez envolto em gesso, o crânio sozinho pesava pouco menos de 1 tonelada.

“Não é sempre que você é responsável por levantar com segurança um fóssil muito importante, mas muito frágil e pesando tanto”, disse Larkin, um conservador especialista em paleontologia.

Créditos: Nigel Larkin / Twitter.

O espetacular espécime, recentemente revelado ao público, ainda está envolto em seu molde de gesso, armazenado em um local secreto, e ainda não foi estudado em detalhes. Os pesquisadores planejam preparar trabalhos acadêmicos descrevendo a descoberta assim que ela for limpa e conservada.

“Apesar dos milhares de ictiossauros descobertos na Grã-Bretanha, nenhum deles é tão grande quanto este espécime, e poucos exemplos deste gênero foram encontrados no Reino Unido que são tão completos”, acrescentou Larkin.

Felizmente para os admiradores de fósseis, a equipe fez uma varredura 3D do espécime totalmente exposto (que você pode ver em detalhes de cair o queixo aqui) antes que qualquer osso fosse removido.

Os pesquisadores também coletaram amostras de fósseis ao redor do espécime principal, incluindo amonites e belemnites semelhantes a lulas, para entender melhor o ambiente onde o ictiossauro viveu e morreu e datar o animal com cerca de 182 milhões de anos.

“Se nossa identificação do ictiossauro estiver correta, como uma espécie chamada Temnodontosaurus trigonodon, isso fornecerá novos detalhes sobre a distribuição geográfica da espécie, já que não foi confirmado no Reino Unido antes”, disse o paleontólogo Mark Evans, da Universidade. de Leicester.

Os outros fósseis de Temnodontosaurus, conhecidos por seus olhos incrivelmente grandes, foram encontrados na Alemanha, Chile e América do Norte.

A equipe planeja solicitar financiamento para a próxima fase de conservação para limpar e preparar o fóssil, após o qual eles esperam que o esqueleto da criatura seja colocado em exposição permanente perto de onde foi encontrado.