E se os seres humanos tivessem mantido a cauda dos primatas?

0
595
Créditos: Miskani / Getty Images.

Publicado na ScienceAlert

Dê uma olhada rápida por cima do ombro e perceberá que, ao contrário da maioria dos primatas, você não tem cauda.

É uma coisa extremamente boa também. Realmente devemos ser gratos pela mudança.

Mas e se tudo fosse muito diferente? Além de precisar de um buraco na parte de trás de sua calça jeans, eis como o mundo poderia parecer se nossos ancestrais mantivessem suas caudas.

Espere, não existem algumas pessoas com cauda?

Tecnicamente falando, todos nós tivemos uma cauda – brevemente – muito antes de nascermos.

Caudas curtas são uma característica do desenvolvimento humano, emergindo temporariamente por volta da sexta semana de gestação. Essa pequena extensão da coluna vertebral contém até uma dúzia de vértebras. Em quinze dias, metade deles é reabsorvida, com a outra metade fundindo-se no osso chamado cóccix.

Como a natureza adora um pouco de variedade, algumas pessoas – a maioria do sexo masculino, por algum motivo – nascem com a ponta dessa ‘cauda’ embrionária ainda no lugar. E ela vem completa com vasos sanguíneos suficientes para mantê-la saudável e até mesmo músculos que podem, em alguns casos, fazê-la se mover. O que você não encontrará neles são as vértebras originais.

Em contraste com as protuberâncias causadas por várias lesões ou cânceres, essas “caudas verdadeiras” vestigiais são tão raras em nascimentos humanos que seria difícil encontrar mais do que algumas dezenas delas na literatura médica.

Ainda assim, elas ocorrem. A maioria é facilmente removida cirurgicamente logo após o parto, sendo muito pequena para servir a um propósito e potencialmente atraindo atenção indesejada.

Se todos nós tivéssemos uma cauda longa, entretanto, seria uma história bem diferente.

Espere, por que não temos caudas?

Dentro de 10 milhões de anos após um cometa extinguir os dinossauros não-aviários cerca de 66 milhões de anos atrás, pequenos mamíferos com a fisiologia primata fizeram suas primeiras aparições.

Muito parecido com os macacos do velho mundo, lêmures, társios e galagonídeos de hoje, esses animais tinham uma cauda extensa, provavelmente para ajudá-los a manter o equilíbrio enquanto caminhavam pelas copas das árvores.

Com o tempo, algumas dessas caudas evoluíram para agir como uma espécie de polegar extra, ganhando um nível de destreza que a maioria de nós adoraria ter. Na verdade, foi tão útil que ocorreu em dois grupos de primatas em ocasiões diferentes.

Infelizmente para nós, há cerca de 20 milhões de anos, um grupo de primatas apareceu sem cauda. Seus descendentes incluem gorilas, chimpanzés, bonobos e orangotangos. Sem falar que nós, humanos, é claro.

Um estudo recente identificou a causa dessa perda; um fragmento itinerante de código genético chamado de sequência Alu saltou de repente para dentro de um gene crítico para a construção de caudas, interferindo em sua capacidade de realizar seu trabalho.

Foi descoberto por Bo Xia, estudante de pós-graduação da Universidade de Nova York e pesquisador em biologia de células-tronco. Xia comparou os genomas de seis espécies de símios com os de nove espécies de macacos com cauda, ​​procurando mutações que pudessem explicar por que os símios não tinham cauda.

Foi aí que ele encontrou um gene chamado fator de transcrição T-box T (TBXT). Quase um século atrás, experimentos iniciados por um geneticista russo chamado Nadezhda Dobrovolskaya-Zavadskaya mostraram mutações neste gene que produziram ratos com caudas encurtadas.

Um olhar mais atento para o elemento Alu dentro do gene TBXT tornou improvável que causasse tanto impacto. Mas Xia percebeu que, na verdade, havia dois dos genes saltadores presentes nas proximidades.

Juntos, eles podem bagunçar a expressão do gene de tal maneira que explicaria por que primatas como nós não têm nada pendurado em cima de nosso pandeiro. Com o tempo, as mudanças em outros genes ajudaram a cimentar a mudança, criando uma parte traseira reta e um cóccix plano perfeito para sentar, agachar e caminhar sobre duas pernas.

Embora isso possa explicar a dinâmica, não nos diz por que uma anomalia casual do gene TBXT em um ancestral dos símios se espalhou tão amplamente por uma gama de espécies de hominídeos anos atrás.

Ok, então me diga – e se nossos ancestrais tivessem mantido suas caudas?

Podemos apenas especular por que um de nossos ancestrais se saiu tão melhor quando sua cauda se recusou a crescer.

Todo o evento é ainda mais surpreendente quando consideramos que a mudança nos colocou em maior risco de desenvolver deformidades do tubo neural que expõem a medula espinhal após o nascimento, como a espinha bífida. Portanto, deve ter sido uma vantagem significativa se livrar do rabo.

Mais do que uma mera extensão no final da coluna, as caudas são ancoradas em algumas estruturas anatômicas sérias que cercam a área do quadril. Juntos, esses ossos, ligamentos e músculos puxam o corpo para o alinhamento, permitindo o equilíbrio e – no caso de alguns macacos – a capacidade de agarrar e usar objetos.

Portanto, se os humanos tivessem cauda, ​​também precisariam dos quadris e músculos para usá-la. Do contrário, elas seriam um pouco mais úteis do que um pedaço de salsicha pesada arrastando pelo chão. E ninguém iria querer isso.

Esta não seria uma mudança pequena. Os primatas com cauda tendem a ter espinhas mais longos com algumas vértebras a mais, para dar-lhes a flexibilidade de se mover habilmente pelos galhos.

Os símios, por outro lado, têm especializações musculoesqueléticas com seções lombares mais curtas que enrijecem a coluna. Costas mais robustas podem suportar melhor o impacto de uma queda ou um salto, potencialmente abrindo o caminho para corpos mais volumosos ou saltos rápidos em galhos baixos e descidas até o solo.

Quanto aos músculos da cauda, uma velha hipótese sugere que eles nunca foram desperdiçados. Em vez disso, eles foram cooptados como uma estrutura rígida que dá suporte aos nossos órgãos abdominais, como a bexiga e os intestinos.

É o que nos permite colocar uma pressão intensa em nosso intestino e ainda manter tudo no lugar, ao mesmo tempo que nos ajuda a conter qualquer urina e fezes que poderiam ser espremidas involuntariamente.

Com isso em mente, se os humanos tivessem caudas de macaco, teria que haver alguns ajustes no resto de nossos corpos.

Sem nem mesmo considerar o espaço cerebral potencial que precisaríamos permitir para sentir e mover nosso novo membro inteligente, precisaríamos colocar os músculos do assoalho pélvico de volta para dar suporte a esses músculos e ossos extras. Isso pode aumentar o risco de muitas hérnias e talvez um pouco de incontinência, se não exigir o abandono total do bipedismo.

Até que ponto a redução de uma cauda ajudou nossos ancestrais a se erguerem é motivo de debate, e essa é a razão pela qual ela desapareceu em primeiro lugar.

Mas se nossos ancestrais tivessem ficado com a cauda, ​​é possível que os humanos nunca tivessem evoluído.