É oficial: o ‘buraco negro’ mais próximo da Terra não é o que pensávamos

0
378
Impressão artística de HR 6819. Créditos: OES / L. Calçada.

Por Mike McRae
Publicado na ScienceAlert

O que os astrônomos concluíram ser um buraco negro a meros 1.120 anos-luz da Terra parece ser algo bem diferente: um sistema de duas estrelas onde uma das estrelas está sugando a vida da outra.

Longe de decepcionar, porém, a conclusão dá aos astrônomos uma oportunidade emocionante de explorar como essas estrelas ‘vampíricas’ evoluem.

Para retroceder, a sugestão de que o sistema estelar pode ter abrigado um buraco negro era especulativa, baseando-se em algumas suposições não verificadas.

Quando identificado pela primeira vez na década de 1980, presumia-se que o objeto cósmico conhecido como HR 6819 fosse um único objeto de giro rápido chamado estrela Be. Um olhar mais atento à sua luz décadas depois revelou que tinha um parceiro relativamente perto, orbitando uma vez a cada 40 dias.

Dois anos atrás, pesquisadores do Observatório Europeu do Sul argumentaram que a estrela Be deveria estar oscilando mais do que estava, sugerindo uma massa invisível adicional na mistura.

Estudos desde então lançaram dúvidas sobre a hipótese do buraco negro, no entanto, sugerindo que o parceiro poderia ter muito menos massa do que a usada em seus cálculos. Um companheiro mais leve não teria o poder de tirar a estrela Be da linha, tornando redundante qualquer noção de um terceiro objeto.

Ainda assim, valia a pena explorar a ideia de ter um buraco negro tão incrivelmente perto de nós, pelo menos até que pudesse ser descartado completamente. Assim, duas equipes de investigadores, incluindo cientistas da equipe original do OES, juntaram forças para recolher os dados necessários para ponderar as evidências a favor de uma hipótese em detrimento da outra.

A principal diferença entre os dois cenários era uma questão de espaço. Se houvesse três objetos – um buraco negro invisível, uma estrela brilhante da sequência principal e uma estrela Be radiante – a distância que separa os dois objetos brilhantes seria uma lacuna notável.

Se houver apenas os dois objetos, eles só precisariam ser separados por uma pequena fração dessa distância.

“Tínhamos chegado ao limite dos dados existentes, então tivemos que recorrer a uma estratégia observacional diferente para decidir entre os dois cenários propostos pelas duas equipes”, disse a pesquisadora Abigail Frost, astrofísica da Universidade Católica de Leuven, na Bélgica.

Essa estratégia envolveu o uso do Very Large Telescope (VLT) do OES e uma ferramenta de comparação de luz no Very Large Telescope Interferometer (VLTI).

De fato, os instrumentos do VLT descobriram que não havia nada brilhando na distância mais ampla de cerca de 100 milissegundos de arco. O VLTI confirmou que as estrelas ficam bem próximas umas das outras, a apenas 1 milissegundos de arco.

Em outras palavras, isso significa que nenhum buraco negro é necessário. Eles são apenas duas estrelas comuns em um relacionamento binário em um lugar comum.

Observe que ‘comum’ aqui não significa algo chato. Estamos vendo o par em um estágio muito específico próximo à retirada estelar – um momento em que um parceiro recentemente drenou seu parceiro de sua atmosfera, como algum tipo de vampiro cósmico.

“Observar uma fase pós-interação é extremamente difícil, pois é muito curta”, disse Frost. “Isso torna nossas descobertas para HR 6819 muito empolgantes, pois apresenta um candidato perfeito para estudar como esse vampirismo afeta a evolução de estrelas massivas e, por sua vez, a formação de seus fenômenos associados, incluindo ondas gravitacionais e violentas explosões de supernovas”.

Claro, ter um buraco negro de tamanho estelar na vizinhança teria sido uma bênção para a astronomia. Mas um vampiro satisfeito e sua vítima à nossa porta ainda é uma descoberta que nos dirá muito sobre as maneiras estranhas como nosso Universo funciona.

Esta pesquisa foi publicada em Astronomy & Astrophysics.