Pescador afogado da Idade da Pedra é examinado com método forense que poderia reescrever a pré-história

Pequenas algas marinhas permaneciam em seus ossos.

0
194
Arqueólogos desenterraram o esqueleto em uma área costeira perto do deserto do Atacama, no Chile. Crédito: Pedro Andrade.

Por Mindy Weisberger
Publicado na Live Science

Ossos humanos que datam da Idade da Pedra encontrados no que hoje é o norte do Chile são os restos mortais de um pescador que morreu afogado, descobriram cientistas.

O homem viveu cerca de 5.000 anos atrás e tinha cerca de 35 a 45 anos quando morreu. Os cientistas encontraram o esqueleto em uma vala comum na região costeira de Copaca, perto do Deserto do Atacama, e o túmulo continha quatro indivíduos: três adultos (dois homens e uma mulher) e uma criança.

O homem teria cerca de 1,6 metro de altura quando vivo, e seus restos mortais mostravam sinais de doenças degenerativas e estresse metabólico, relataram pesquisadores na edição de abril de 2022 do Journal of Archaeological Science. Os ossos revelaram vestígios de osteoartrite nas costas e nos dois cotovelos; a parte de trás de seu crânio tinha evidências de ferimentos por trauma contuso cicatrizados; seus dentes e maxilares estavam marcados por tártaro, doença periodontal e abscessos; e lesões em suas órbitas oculares indicavam uma deficiência de ferro causada pela ingestão de um parasita encontrado em animais marinhos, de acordo com o estudo.

Outras marcas nos ossos do braço e da perna, onde os músculos já estiveram ligados, sugeriam atividades repetitivas relacionadas à pesca, como remar, arpoar e agachar para colher mariscos. Se o indivíduo era pescador, talvez tenha morrido afogado, propuseram os pesquisadores.

Quando as equipes forenses examinam esqueletos modernos que foram encontrados sem nenhum tecido mole anexado, os especialistas podem confirmar o afogamento como a causa da morte procurando dentro de grandes ossos por algas microscópicas delicadas, chamadas diatomáceas, que vivem em habitats aquosos e no solo. Quando uma pessoa se afoga, a água inalada pode entrar na corrente sanguínea e percorrer todo o corpo após a ruptura dos pulmões, chegando até mesmo ao “sistema fechado” da medula óssea através dos capilares, relataram os autores. Observar as espécies de diatomáceas na medula óssea pode revelar se a pessoa ingeriu água salgada. No entanto, esse método nunca havia sido usado para examinar ossos antigos.

Algas, espículas de esponjas e ovos de parasitas

Para o novo estudo, os cientistas decidiram que o teste moderno de diatomáceas era muito “quimicamente agressivo” e, ao remover a medula óssea das amostras, também destruiu pequenas partículas e organismos que não eram diatomáceas. Essas partículas podem ser altamente significativas para analisar os ossos da Idade da Pedra, de acordo com o estudo. Os pesquisadores, portanto, adotaram “um processo menos agressivo” que eliminou medula óssea residual em suas amostras, preservando uma gama mais ampla de material microscópico absorvido pela medula, que poderia ser detectado por microscopia eletrônica de varredura (MEV).

Suas varreduras de MEV revelaram uma enorme quantidade de microrganismos. Embora não houvesse material marinho grudado na parte externa dos ossos, os exames mostraram que a medula continha muitos pequenos fósseis oceânicos, incluindo algas, ovos de parasitas e estruturas de esponjas chamadas espículas. Essa variedade de vida marinha nas profundezas dos ossos do homem sugere que ele morreu afogado em água salgada.

É possível que a causa da morte tenha sido um desastre natural, pois o registro geológico nesta região costeira do Chile preserva evidências de poderosos tsunamis que datam de cerca de 5.000 anos atrás, relataram os cientistas. Mas com ampla evidência esquelética de que a pessoa era um pescador, a explicação mais provável é que ele morreu durante um acidente de pesca, disseram eles. Danos ao esqueleto – articulações do ombro ausentes, vértebras cervicais que foram substituídas por conchas e uma caixa torácica quebrada – podem ter acontecido quando as ondas atingiram o corpo do homem afogado e depois o levaram para a praia, explicaram os pesquisadores.

A análise interna dos ossos do homem revelou vestígios de vida marinha microscópica, como ovos de parasitas e algas. Esta imagem mostra uma alga verde unicelular degradada que vive em ecossistemas marinhos. Créditos: Stephen Bates / Andrade et al., Journal of Archaeological Science, 2022.

Quanto ao motivo pelo qual o homem foi enterrado em uma vala comum, “o que podemos avaliar a partir de contextos semelhantes é que eles provavelmente pertenciam ao mesmo grupo familiar”, disse o principal autor do estudo, Pedro Andrade, arqueólogo e professor de antropologia da Universidade de Concepción no Chile. Os indivíduos provavelmente compartilhavam um ancestral, mas não eram membros imediatos da família, já que as datações dos esqueletos separavam eles em cerca de 100 anos, disse Andrade à Live Science por e-mail.

Ao expandir o alcance do teste moderno de diatomáceas para incluir uma seleção mais ampla de vida marinha microscópica em sua busca pelas cavidades interiores de ossos pré-históricos, “possibilitamos uma maneira totalmente nova de fazer as coisas”, disse o coautor do estudo James Goff, professor da Faculdade de Ciências do Oceano e da Terra da Universidade de Southampton, no Reino Unido, em comunicado.

“Isso pode nos ajudar a entender muito mais sobre como era difícil viver na costa nos dias pré-históricos – e como as pessoas foram afetadas por eventos catastróficos, assim como somos hoje”, disse Goff.

A aplicação desse método em outros sítios arqueológicos em áreas costeiras com valas comuns pode oferecer uma visão revolucionária sobre como os povos antigos sobreviveram – e muitas vezes morreram – enquanto viviam em condições potencialmente perigosas, disse Andrade à Live Science.

Embora existam muitas valas comuns costeiras em todo o mundo que foram investigadas por cientistas, “a questão fundamental do que causou tantas mortes não foi abordada”, acrescentou Goff.