Economia na Nature: revista anuncia que criará novo periódico científico

0
462
Economia e finanças: conheça a ciência. Créditos: Sebastien Micke / Paris Match / Getty Images.

Ótima notícia, em breve teremos um periódico da Nature voltado para economia. Segue tradução minha da nota editorial da revista publicada semana passada:


Economistas e cientistas: resolvam grandes problemas da sociedade trabalhando juntos

As disciplinas de economia e ciências naturais estão se reunindo. Já estava na hora.

Publicado na Nature

Ao ler o obituário de 1873 do filósofo e economista John Stuart Mill, publicado na Nature, você pensaria que economistas e cientistas naturais eram dois lados da mesma moeda de pesquisa – que a economia era bem-vinda como parte da tradição científica e vice-versa. Mas isso foi naquela época. A era do polímata estava chegando ao fim e os pesquisadores estavam se tornando especialistas em uma única disciplina. Economistas e cientistas naturais se separaram quando as universidades organizaram seus pesquisadores em faculdades de engenharia, ciências humanas, ciências e ciências sociais.

Mais de um século depois, o pêndulo está voltando. Economistas e cientistas estão se aproximando à medida que universidades e agências de fomento adotam mais pesquisas multi e transdisciplinares. Na Organização Mundial da Saúde, um cargo de economista-chefe está sendo considerado.

A Nature nomeará em breve um editor de economia, seguindo a liderança de outros periódicos da Nature Research, incluindo Nature Climate Change, Nature Energy, Nature Sustainability e Nature Human Behavior. Reconhecemos a importância de reunir a economia com outras disciplinas.

Esses movimentos não poderiam ter acontecido mais tarde. O mundo enfrenta uma montanha de desafios – e para encontrar soluções, a humanidade deve abordá-los de várias maneiras. Um dos maiores quebra-cabeças diz respeito ao próprio empreendimento da pesquisa. Os economistas vêm apontando há alguns anos que não entendemos completamente por que os resultados de pesquisa e inovação – que deram início à era digital e outras transformações – não estão beneficiando a todos na sociedade, como visto, por exemplo, na estagnação salarial e desigualdade crescente. Mas relativamente poucos cientistas naturais ou engenheiros levantaram essa questão.

Ao mesmo tempo, mais economistas do que nunca estão transpondo divisões disciplinares e desejam que os periódicos reconheçam os resultados. “Tenho colegas mais jovens interessados ​​em economia de dados, inteligência artificial, produtos farmacêuticos. Eles querem trabalhar com – e publicar com – cientistas ”, diz a economista Diane Coyle, da Universidade de Cambridge, Reino Unido. Mas ela e outros dizem que é uma luta publicar trabalhos sobre grandes problemas sociais – em coautoria com cientistas naturais ou cientistas sociais de outras disciplinas – porque esse trabalho pode ficar fora do âmbito de periódicos de economia e de ciência.

Mas isso importa. Em 2011, pouco depois da crise financeira global de 2008, o economista-chefe do Banco da Inglaterra, Andy Haldane, trabalhou com o ecologista teórico Robert May para aproveitar as técnicas de modelagem de doenças infecciosas para investigar riscos e vulnerabilidades no sistema financeiro global. O artigo da Nature resultante mostrou aos pesquisadores como eles poderiam colaborar para entender outras redes complexas, como aquelas que envolvem comércio ou informação. “Estou continuamente surpreso com o impacto que esse artigo teve”, diz Haldane.

Jim O’Neill, ex-chefe de pesquisa econômica do banco global de investimentos Goldman Sachs, na cidade de Nova York, saiu do isolamento disciplinar para estudar o financiamento de novos medicamentos antimicrobianos. A pesquisa econômica, diz ele, poderia demonstrar os custos e benefícios de investir mais em saúde pública, para incentivar os governos de países de baixa e média renda a realizar esses investimentos. Da mesma forma, com a indústria farmacêutica e os governos ainda não financiando adequadamente o desenvolvimento de uma nova geração de antibióticos que é tão necessária, diz ele, os pesquisadores biomédicos precisam colaborar com economistas e especialistas em políticas públicas para criar um modelo financeiro viável.

O meio ambiente – incluindo biodiversidade e mudanças climáticas – é uma área em que pesquisadores e economistas de ciências naturais têm um interesse comum de longa data. A pesquisa econômica, por exemplo, é avaliada pelo Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas, e as seções de pesquisa e comentários da Nature publicam trabalhos influentes de economistas ecológicos e ambientais.

Mas aqui também há potencial para uma solução mais conjunta de problemas. O sucesso em muitos dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas exigirá uma compreensão de até que ponto as economias podem continuar a crescer dentro dos limites planetários. Mas há muitos pontos de vista sobre isso, incluindo várias tradições intelectuais em economia. Alguns economistas, por exemplo, argumentam que um planeta sob pressão da industrialização não pode suportar o crescimento econômico contínuo. Mas, para outros, o crescimento é essencial para aliviar a pobreza – desde que o crescimento se torne mais verde.

Para resolver esses problemas, economistas, cientistas e engenheiros naturais e sociais devem se envolver e aprender um com o outro. Muitas vezes, é muito fácil dizer ‘mais pesquisas ajudarão’. Mas aqui é necessário – especialmente a pesquisa econômica, que esperamos publicar.

CONTINUAR LENDO