Em Louvor à Intolerância ao Charlatanismo na Academia

6
6033

Reproduzido de The Flight from Science and Reason
Volume 775 do Annals of New York Academy of Sciences
24 jun 1996

1. INTRODUÇÃO: EM LOUVOR À INTOLERÂNCIA AO CHARLATANISMO NO MEIO ACADÊMICO

MARIO BUNGE

Fundamentos e Filosofia, da Unidade de Ciências da Universidade McGill,
Montreal, Canadá H3A IW7

Até meados da década de 1960, quem quisesse se envolver com misticismo, com embuste intelectual ou com anti intelectualismo, teria de fazê-lo fora dos bosques sagrados da academia; por quase dois séculos antes do tempo em que a universidade era uma instituição de ensino superior, onde as pessoas cultivavam o intelecto, envolvidas em uma discussão racional, procuravam a verdade, aplicavam-na, ou a ensinavam para a melhor de suas habilidades. Para ter a certeza de que de vez em quando um traidor de um destes valores era descoberto, ele era prontamente condenado ao ostracismo. E aqui e ali, um professor, uma vez empossado, recusava-se a aprender algo novo e, assim, tornava-se rapidamente obsoleto. Mas ele raramente ficou obsoleto por mais do que um par de décadas, ainda foi capaz de se envolver em argumentos racionais, bem como distinguir o conhecimento genuíno do nonsense, e não proclamar a superioridade da coragem sobre o cérebro ou do instinto sobre a razão, a menos é claro, que ele passasse a ser um filósofo irracionalista. Isto já não é o caso. Ao longo das últimas três décadas ou mais, muitas universidades foram invadidas, embora ainda não apoderadas pelos inimigos da aprendizagem, rigor e evidência empíricos: aqueles que proclamam que não há verdades objetivas, onde “tudo vale”, aqueles que passam a opinião política como ciência e se envolvem em falsa erudição. Estes não são originais pensadores heterodoxos, eles ignoram ou até mesmo desprezam o pensamento e experimentação rigorosos por completo. Nem são incompreendidos Galileus punidos pelos poderes vigentes para propor novas e ousadas verdades ou métodos. Pelo contrário, hoje em dia, foram dados muitos empregos efetivos a vagabundos intelectuais que estão autorizados a ensinar lixo em nome da liberdade acadêmica, e ver seus escritos ofensivos publicados em revistas acadêmicas e imprensas universitárias. Além disso, muitos deles adquiriram energia suficiente para censurar a genuína erudição. Eles montaram um Cavalo de Troia dentro da cidadela acadêmica com a intenção de destruir a alta cultura a partir de dentro dela.

Os inimigos acadêmicos da própria raison d’être da universidade podem ser agrupados em duas classes: os anticientistas, que muitas vezes se intitulam “pós-modernistas”, e os pseudocientistas. Os primeiros ensinam que não há verdades objetivas e universais, enquanto os pseudocientistas acadêmicos contrabandeiam conceitos obscuros, conjecturas selvagens, ou até mesmo ideologias como descobertas científicas. Ambos os grupos operam sob a proteção da liberdade acadêmica, e, muitas vezes à custa do contribuinte também. Eles devem continuar a usar esses privilégios, enganando inúmeros estudantes e abusando de recursos públicos ao difamar a busca da verdade, ou deveriam ser expulsos do templo do ensino superior? Este é o principal problema a ser abordado no presente trabalho. Mas antes vamos amostrar a produção dos anticientistas e pseudocientistas, restringindo-nos às ciências humanas e estudos sociais.

2. ANTICIÊNCIA ACADÊMICA

A anticiência acadêmica faz parte do movimento de contracultura. Pode ser encontrada em quase todos os departamentos de qualquer faculdade contemporânea das artes, em particular nos países avançados. Vamos dar uma olhada em pequenas amostras da reação anticientífica dentro dos portões da Academia: o existencialismo, a fenomenologia, a sociologia fenomenológica, etnometodologia e teoria feminista radical.

Exemplo 1: Existencialismo

O existencialismo é um amontoado de bobagens, banalidades e falsidades. Deixo o leitor julgar por si mesmo a partir do seguinte exemplo da célebre obra Sein und Zeit de Heidegger, dedicado a Edmund Husserl, seu mestre e fundador da fenomenologia. Sobre a existência humana ou ser-aí (Dasein): “Das Sein des Daseins besagt: Sich-vorweg-schon-sein-in-(der Welt-) als Sein-bei (innerweltlich begegnendem Seienden)”. Eu no tempo: “Zeit ist ursprünglich als Zeitigung der Zeitlichkeit, als welche sie die Konstitution der Sorgestruktur ermöglicht.”[2] Eu desafio a qualquer um a dar sentido a esses jogos de palavras, ou até mesmo traduzi-los em alemão padrão. Outras fórmulas famosas de Heidegger, como Die Welt weltet (“Os Mundos do Mundo”), Das Nichts nichtet (“O Nada é Nada”), Die Sprache spricht (“A Linguagem Fala”), e Die Werte gettets (“Os Valores são Valiosos”), têm a virtude da concisão, mas são tão sem sentido como a obra primeiramente citada.

Não satisfeito com a escrita absurda e em torturar a língua alemã, Heidegger amontoou desprezo na “mera ciência” por ser supostamente incapaz de “despertar o espírito”.[3] Ele também denegriu a lógica, que segundo ele, é “uma invenção dos professores, não dos filósofos”. [4] Por último, mas não menos importante, Heidegger era um ideólogo nazista e militante, e permaneceu não arrependido até o fim [5] (nenhuma mera coincidência aqui: a formação de soldados obedientes, prontos para morrer por uma causa insana e criminosa, começa por desencorajar o pensamento crítico claro). Em suma, o existencialismo não é lixo comum: é lixo não reciclável. Seu estudo em cursos acadêmicos só se justifica como uma ilustração de, e advertindo contra, irracionalismo, impostura acadêmica, baboseiras, lero-leros, e subserviência à ideologias reacionárias.

Exemplo 2: Fenomenologia

Esta escola, progenitora do existencialismo, é caracterizada pela opacidade. Deixo o leitor julgar a partir desta amostra de um célebre ataque de seu fundador às ciências exatas e naturais: “Eu como primitivo [Ur-Ich] construo [konstituire] meu horizonte de outros transcendentais como co-sujeitos da intersubjetividade transcendental que constrói o mundo”. [6] A Fenomenologia é também um paradigma moderno de subjetivismo. De fato, de acordo com o seu fundador, a essência da fenomenologia é uma “egologia pura”, uma “ciência da subjetividade transcendental concreta”. [7] Como tal, está “em oposição máxima às ciências como elas foram concebidas até agora, ou seja, como ciências objetivas”. [8] O primeiro movimento do fenomenólogo é a “redução fenomenológica” ou “escalonamento” (époché) do mundo externo. “Que o mundo se perca através da époché, a fim de recuperá-lo através do auto-exame universal.” [9] Ele deve fazer isso porque sua “tarefa universal” é a descoberta de si mesmo como ego transcendental (ou seja, não empírico). [10]

Tendo fingido que as coisas reais, como cadeiras e colegas não existem, o fenomenólogo passa a descobrir suas essências. Para este fim, mentir faz uso de uma intuição especial chamada “visão de essências” (Wesensschau), da qual, sua natureza não é explicada, e para a qual, nenhuma evidência é oferecida. O resultado é uma ciência intuitiva e a priori.[¹¹] Esta “ciência” prova ser nada, é mero idealismo transcendental.[¹²] Este subjetivismo não é apenas epistemológico, mas também ontológico: “O mundo em si é uma ideia infinita”.[¹³]

Exemplo 3: Sociologia Fenomenológica[14]

Esta escola é caracterizada pelo espiritismo e subjetivismo, bem como pelo individualismo (ambos ontológico e metodológico) e conservadorismo – ético e político. As duas primeiras características são evidentes: de acordo com a fenomenologia, a realidade social é uma construção do conhecedor, e não um dado; para todos os fatos sociais, seria “significativa” (tem um propósito) e objeto de “interpretação” (adivinhar), onde tudo social seria espiritual e subjetivo, ou no máximo intersubjetivo, ao invés de ser material e observador independente. O individualismo ontológico da fenomenologia deriva de frente a seu subjetivismo. Porque é dito para que os indivíduos “interpretem” a si mesmos e aos outros, sem nunca enfrentar quaisquer fatos sociais brutos, a tarefa do sociólogo fenomenológico é compreender “estruturas de significado subjetivo” ao invés de construir ou testar modelos de sistemas sociais ou processos. Em particular, ele deve estudar o Lebenswelt ou a vida cotidiana dos indivíduos, contornando tais problemas macrossociais como discriminação de gênero e raça, o desemprego em massa, o conflito social, e a guerra. O sociólogo fenomenológico afirma alegando que, para compreender diretamente os objetos de seu estudo, eles são comuns. Além disso, vamos lembrar que ele é agraciado com a “visão das essências”, o que lhe dá uma visão instantânea. Por isso, ele pode dispensar estatísticas, modelagem matemática, argumentos tediosos, e testes empíricos. Em suma, a sociologia fenomenológica é declaradamente não científica e é um convite à preguiça.

Exemplo 4: Etnometodologia [15]

Este é o resultado da união da fenomenologia com o interacionismo simbólico. Os membros dessa escola praticam o que os sociólogos fenomenológicos pregam: eles observam em primeira mão e registram eventos triviais da vida cotidiana ou Lebenswelt, focam-se em símbolos e comunicação, e contornam quaisquer atividades importantes, processos e problemas, especialmente conflitos e mudanças sociais em grande escala. Eles se envolvem em observação participante (de curto alcance), mas evitam a experimentação, que desaprovam por razões filosóficas. Faltando teorias próprias, os etnometodologistas invocam os pronunciamentos obscuros da hermenêutica, fenomenologia e até mesmo, do existencialismo – todos eles inimigos declarados da ciência. Obviamente, uma filosofia anticientífica que se opõe à busca pela verdade objetiva não poderia inspirar a pesquisa científica. Felizmente os etnometodologistas não fazem uso dessas doutrinas em seu trabalho empírico. Na realidade, em trabalho de campo, eles se comportam como positivistas – mesmo enquanto denunciam veementemente o positivismo – na medida em que passam a maior parte de seu tempo coletando dados, que são incapazes de interpretar corretamente por falta de teoria.

De fato, das fitas cassetes e fitas de vídeo dos etnometodologistas: “the detailed and observable practices which make the incarnate [?] production of ordinary social facts, for example, order of service in a queue, sequential order in a conversation, and the order of skillfully embodied [?] improvised conduct”.[16] Possível tradução para o português: “os etnometodologistas gravam observáveis eventos comuns da vida”. Os dados assim recolhidos são traços audíveis ou visíveis deixados por pessoas que presumivelmente se comportam intencionalmente e de forma inteligente. Estes vestígios são as únicas pistas pelas quais os etnometodologistas podem se guiar. Por falta de uma teoria, eles não podem nos dizer o que marca as pessoas – ou seja, eles não podem explicar o comportamento que observam e gravam. Sua prática não difere da do empirista e, em particular, da do behaviorista –. Como até mesmo Atkinson, um simpatizante da escola, admitiu.[17] Em suma, eles se comportam como positivistas, mesmo enquanto se envolvem em positivismo contundente – na verdade é uma forma desonesta de atacar a abordagem científica. Isto não é negar o valor de observar as ocorrências da vida cotidiana, tais como encontros casuais e conversas – o material preferido de etnometodologistas. Tal observação, uma prática comum dos antropólogos, produz matéria-prima para o cientista processar à luz de hipóteses e com vistas a chegar com novas hipóteses. Mas esse material empírico é de uso limitado se não for acompanhado por informações confiáveis a respeito do papel que o sujeito observado adota; por exemplo, patrão ou empregado. A razão é que tais papéis – em outras palavras, o sistema em que os protagonistas são incorporados – determinam em grande parte o “significado” (propósito) de ações cotidianas e o conteúdo das conversas.[21] Mas etnometodologistas ignoram o contexto macrossocial e não estão interessados em quaisquer grandes questões sociais. Este fato, combinado com a ausência de testes de “interpretações” propostas (hipóteses) e a falta de teoria, explica a escassez de descobertas da etnometodologia.

Um produto característico desta escola é o estudo de Lynch “Sacrifice and Transformation of the Animal Body into a Scientific Object: Laboratory Culture and Ritual Practice in the Neurosciences”. Tomando sua sugestão de estudos de Durkheim na sociologia da religião, Lynch afirma que a matança dos animais de laboratório ao final de uma sequência de experiências é parte de uma prática ritual através da qual o corpo do animal é transformado em “um portador de significados transcendentais”. Caracteristicamente, ele não apresenta nenhuma evidência para a afirmação extraordinária de que a bancada de laboratório seja apenas um altar de sacrifício.

Exemplo 5: Teoria Feminista Radical

A palavra “feminismo” hoje em dia denota três objetos muito diferentes: o movimento para a emancipação das mulheres perante a dominação masculina; o estudo científico da condição biológica, psicológica e social feminina; e a “teoria” feminista radical. Enquanto os dois primeiros são esforços legítimos e louváveis, o terceiro é uma indústria acadêmica que não faz uso da ciência. É aliás, hostil à ciência e é caracterizado por pseudoproblemas e especulação selvagem. Algumas teóricas (e teóricos) radicais feministas prometeram uma “ciência sucessora”, que, eventualmente, substituiria ou pelo menos complementaria o que eles chamam de “ciência dominada por homens”. Outros, mais consistentes, são totalmente contra toda a ciência, porque eles acreditam que a razão e a experimentação científicos são armas de dominação masculina. Eles sustentam que o método científico é parte do “macho-stream” (male-stream). Eles denunciam a precisão – em particular da quantificação, da argumentação racional, da busca de dados empíricos, e do teste empírico de hipóteses – como sendo uma das muitas ferramentas de dominação masculina. Eles são construtivistas-relativistas: eles denunciam o que chamam de “mito da objetividade” (mais sobre isso logo abaixo, em PSEUDOCIÊNCIA ACADÊMICA).

Por exemplo, as teóricas feministas Belenky, Clinchy, Goldberger, e Tarule asseguram que a verdade é dependente do contexto e que “o conhecedor é toda a parte íntima do conhecido” – apenas porque algumas das mulheres que elas entrevistaram sentiram-se assim.[21] Sandra Harding vai tão longe a ponto de afirmar que seria “esclarecedor e honesto” chamar as Leis do Movimento de Newton de “Manual do Estupro de Newton” [22] (a vítima do estupro seria a Mãe Natureza, que, naturalmente, é feminina). Além disso, a ciência básica seria indistinguível da tecnologia e a busca pelo conhecimento científico seria apenas um disfarce para a luta pelo poder. Como Herbert Marcuse[21] e Michel Foucault [24] haviam afirmado anteriormente sobre a força da mesma evidência empírica, ou seja, nenhuma. Os filósofos e as filósofas feministas radicais estão interessados em poder, não em verdade. Eles querem minar a ciência, e não avançá-la. Desta forma, eles fazem um duplo desserviço para a causa da emancipação feminina: eles desacreditam o feminismo fazendo com que ele se pareça bárbaro, e privam-no de uma forte alavanca – a pesquisa científica das causas espúrias e dos efeitos perniciosos da discriminação de gênero. Além disso, o seu ataque à ciência aliena as mulheres dos estudos científicos e, portanto, reforça a sua posição de subordinação na sociedade moderna.[25]

Resumindo, os nossos colegas anticiência são caracterizados por sua espantosa ignorância do próprio objeto de seus ataques, ou seja, a ciência.[16] A falta de disciplina e rigor intelectual, os tornou totalmente estéreis. Isso não os impediu de enganar inúmeros estudantes, incentivando-os a escolher a porta dos fundos, incapacitando-os de pensar em linha reta e entender seus fatos corretamente, e em muitos casos, impedindo-os até mesmo, de escrever claramente.[27] Por que qualquer estudioso sério e socialmente responsável deveria tolerar intenções bárbaras em desacreditar genuínas atividades acadêmicas e até mesmo destruir a cultura moderna?

3. PSEUDOCIÊNCIA ACADÊMICA

Parafraseando Groucho Marx: a marca registrada da cultura moderna é ciência, se você pode fraudá-la, você já conseguiu. Daí o guia para enfeitar com especulações infundadas e até mesmo velhas superstições, o vestido da ciência. As pseudociências populares, tais como astrologia, piramidologia, grafologia, ufologia, criacionismo “científico”, parapsicologia e psicanálise, são fáceis de detectar, pois elas estão, obviamente, em desacordo com o que está sendo ensinado nas faculdades de ciências (a psicanálise parece refutar essa afirmação, mas não o faz; de fato, a psicanálise hoje é ensinada em apenas alguns departamentos de psiquiatria, que fazem parte das faculdades de medicina, não de faculdades de ciências). Por outro lado, as pseudociências acadêmicas são mais difíceis de detectar em parte, porque elas são ensinadas em departamentos universitários de todo o mundo. Uma segunda razão é que estas pseudociências respeitam a razão, ou pelo menos fazem isso aparentemente. Suas principais falhas são de que suas construções são vagas, imprecisas e não correspondem à realidade (algumas delas, como a economia neo austríaca, chegam a afirmar que suas teorias são verdadeiras a priori). Vamos dar uma pequena amostra, restringindo nossa discussão a duas tendências: o amor à precisão espúria (em particular, pseudoquantificação) e a sociologia pós-mertoniana da ciência.

Exemplo 1: Simbolismo Pseudomatemático

Vilfredo Pareto, um perspicaz, original e erudito estudante da sociedade que usou a matemática em economia, passa por ser um dos fundadores da sociologia matemática simplesmente porque neste campo ele usou alguns outros símbolos ao invés de palavras. Assim, em seu grande e famoso Trattato di sociologia generale, Pareto listou uma série de “resíduos” ou “forças”, entre eles, sentimentos, habilidades, disposições e mitos. [28] Ele assumiu tacitamente que os “resíduos” são variáveis numéricas. Mas, uma vez que ele não conseguiu defini-los, os símbolos que ele utilizou são meras abreviações para noções intuitivas. Sem saber da confusão entre símbolos arbitrários e símbolos que designam conceitos matemáticos, ele escreveu sobre a composição de tais “forças”.[29] Mais abaixo, ele introduziu a fórmula “q = A/B“, onde A significa “força de resíduos classe I”, e B, “força de resíduos classe II” em um determinado grupo social ou nação. [30] Aproximadamente, q seria a relação do progressismo ao conservadorismo. Uma vez que Pareto não fez nenhuma tentativa de definir qualquer uma dessas “magnitudes”, ele não tinha o direito de dividi-las ou afirmar que elas aumentaram ou diminuíram quantitativamente ao longo do tempo em qualquer grupo ou nação. Ironicamente, no início do mesmo trabalho (p. 509), erra tendo advertido que “Resíduos correspondem a certos instintos nos seres humanos, e por isso eles são geralmente deficientes em sua definição, na delimitação exata”. [31] Mesmo anteriormente, no mesmo trabalho, ele tendo dedicado um capítulo inteiro para caracterizar e criticar teorias pseudocientíficas. [32] Da mesma forma Pitrim Sorokin, um dos fundadores da sociologia norte-americana e um dos primeiros críticos do que ele chamou de “quantofrenia” (quantophrenia), por vezes favoreceu-se na última. [34] Por exemplo, ele definiu a liberdade de um indivíduo como o quociente entre a soma dos seus desejos pela soma de seus meios para gratificá-los. [34] Mas uma vez que ele não se preocupou em definir os desejos e os meios de uma forma matematicamente correta, ele “dividiu” palavras. Em suma, os símbolos que ele usou, neste caso, eram mera abreviação para noções intuitivas. O professor Samuel Huntington, o famoso cientista político de Harvard, era muito negligente. Na verdade, ele propôs as seguintes “equações” sobre o impacto da modernização em países em desenvolvimento:

Mobilização Social/Desenvolvimento econômico = Frustração social,
Frustração Social/Oportunidades de mobilidade = Participação política
Participação política/Institucionalização política = Instabilidade política [35]

Huntington não definiu qualquer uma dessas “variáveis”, ele não explicou como valores numéricos poderiam ser atribuídos a eles, e ele nem se incomodou em dizer-nos as suas dimensões e unidades. Obviamente, ele não sabia que tinha errado ao “dividir” palavras, e não valores numéricos de funções honestas. Isto foi apontado pelo matemático Neal Koblitz em um estudo intitulado “Mathematics as Propaganda“, o que levou o matemático de Yale, Serge Latig, a campanha com êxito contra a indução do Professor Huntington na United States Academy of Sciences. Lamentavelmente, muitos cientistas políticos e sociólogos defenderam Huntington, assim, exibindo sua ingenuidade matemática e metodológica.[36]

O professor Gary Becker, Prêmio Nobel da Universidade de Chicago, é famoso por sua abordagem econômica para o estudo do comportamento humano. Infelizmente, ele se inclina fortemente em funções de utilidade indefinidas e tende a apimentar seus escritos com símbolos que nem sempre representam conceitos. Por exemplo, uma fórmula chave de sua teoria das interações sociais lê-se assim: “R = Di + b“. [37] Aqui, i rotula um indivíduo arbitrário, e R deve estar para “a opinião de i mantida por outras pessoas na mesma ocupação”; e “b mede o efeito dos esforços de i, e Di o nível de R quando i não faz nenhum esforço, isto é, Di mede o ambiente social de i“. Becker batiza essas “funções”, mas não as especifica. Consequentemente, ele acrescenta palavras, não funções. Nunca nos foi dito o que as dimensões e unidades destas pseudomagnitudes são. Portanto, nós não saberíamos como medir as propriedades correspondentes e, assim, testar para a adequação da fórmula.

Claro, a pseudoquantificação é suficiente, mas não é preciso engajar-se em pseudociência. Uma alternativa é a de relacionar magnitudes precisas de formas imprecisas, como “Y é alguma função de X”, onde X e Y são bem definidos, mas a função é deixada indeterminada. O “Quadro teórico para a análise monetária” de Milton Friedman é um caso em questão.[38] Na verdade, gira em torno de três indefinidos símbolos-função (f, g, e l). Por isso, pode, no máximo, passar para uma proposta de pesquisa, um objetivo do qual seria encontrar a forma precisa das funções esperançosas em questão. Mas o projeto não parece ter sido realizado. E, em qualquer caso, dada a falência do monetarismo, o projeto não parece digno de ser defendido.

Exemplo 2: Probabilidade Subjetiva

Quando confrontado com um processo aleatório ou aparentemente aleatório, uma tentativa de construir um modelo probabilístico que poderia ser testado com dados empíricos: sem aleatoriedade, sem probabilidade. Além disso, como Poincaré apontou há muito tempo, falar de probabilidade envolve algum conhecimento, que não é nenhum substituto para a ignorância. Isto não é como os bayesianos ou personalistas veem o assunto: Quando confrontados com a ignorância ou incerteza, eles usam probabilidade, ou melhor, a sua própria versão da mesma. Isto lhes permite atribuir probabilidades anteriores aos fatos e proposições de forma arbitrária – o que é uma maneira de fazer passar mera intuição, palpite, ou supor para hipótese científica. Em outras palavras, na perspectiva bayesiana não há dúvida de aleatoriedade objetiva, randomização, amostra aleatória, o teste estatístico, ou mesmo testabilidade; é tudo um jogo de crença e não de conhecimento. Esta abordagem contrasta com a ciência, onde sentimentos de coragem e especulações selvagens podem ser confidenciadas mesmo nas pausas para um café, mas não estão incluídas no discurso científico, enquanto (verdadeiras) probabilidades são medidas (direta ou indiretamente), e modelos probabilísticos são verificados experimentalmente (pense em modelos de decaimento radiativo e radioativo, o movimento browniano, mutação genética, ou acasalamento aleatório). Isto não é amortizar o estudo científico da crença. Tal estudo é importante, e, justamente por isso, ele pertence à psicologia experimental e à sociologia, e deve ser realizado cientificamente. Não há razão para acreditar que a teoria da probabilidade, um capítulo da matemática pura, é a pronta (a priori) teoria empírica da crença. Na verdade, não há razão para acreditar que crenças não são probabilidades, mesmo porque raramente conhecemos todos os ramos de alguma determinada árvore de decisões.[39]

No campo da jurisprudência a chamada new evidence scholarship, nascida em meados dos anos 1960, pretende usar a probabilidade para medir a crença e em particular a credibilidade da prova legal. Neste contexto fala-se mesmo de “julgamento pela matemática”. [40] Sugiro que dificilmente a probabilidade pertence ao argumento legal, porque a probabilidade mede apenas a veracidade de eventos aleatórios, e não a plausibilidade de um elemento de evidência, a veracidade de uma testemunha, ou a probabilidade de que um tribunal irá produzir o veredicto justo. Consequentemente, falar da probabilidade em lei é pseudocientífico. Pior, os códigos americanos e outros códigos penais que exigem a pena de morte quando “há uma probabilidade de que o réu cometeria atos criminosos de violência”, como se tal “probabilidade” (na verdade uma mera plausibilidade) pudesse ser medida ou calculada. Assim, por vezes, não apenas a propriedade e a liberdade, mas até mesmo a vida paira sobre epistemologias que não teriam a menor chance em ciência ou engenharia, e cuja única função é justificar uma indústria acadêmica.

Exemplo 3: Utilidade Subjetiva

A maioria das “funções” utilitárias que ocorrem na microeconomia neoclássica e suas aplicações para outros estudos sociais, não estão bem definidas. Como Henri Poincaré bem salientou para Léon Walras.[41] Na verdade, as únicas condições exigidas delas, é que sejam duas vezes diferenciáveis: a primeira derivada sendo positiva e a segunda, negativa. Obviamente, infinitamente muitas funções satisfazem esses leves requisitos. Isso frequentemente basta em alguns ramos da matemática pura (da mesma forma, a teoria geral dos espaços métricos não exige a especificação da função de distância). Mas as ciências factuais (ou empíricas) são mais exigentes: aqui se usa apenas as funções que são definidas explicitamente (por exemplo, por séries infinitas ou por produtos) ou implicitamente (por exemplo, por meio de equações diferenciais, juntamente com as condições iniciais, ou de limite). Tal especificação faz sentido definido, testabilidade mais exigente, e medição mais rigorosa. Finalmente, estudos experimentais têm mostrado que as preferências e estimativas subjetivas de utilidade e de risco não satisfazem os pressupostos da teoria da utilidade esperada.[42] Em suma, o uso de funções de utilidade são muitas vezes, matematicamente negligentes e empiricamente injustificados. Agora, os modelos de escolha racional fazem uso massivo de ambas as utilidades subjetivas e probabilidades subjetivas, bem como da hipótese simplista de que o egoísmo é a única motivação do comportamento humano. Não surpreendentemente, nenhum destes modelos se encaixa de fato. Assim, embora à primeira vista eles pareçam científicos, na realidade, são pseudocientíficos.[43]

Exemplo 4: Conversa Solta da Teoria do Caos

James N. Rosenau, um politologista bem conhecido, afirmou que a instabilidade e a turbulência políticas são semelhantes às instabilidades e vórtices de fluidos, e além disso, que elas satisfazem a teoria do caos.[44] No entanto, ele não escreveu, muito menos resolveu, qualquer diferencial não linear ou equação de diferenças finitas para os processos políticos; tudo o que ele fez foi ficar de mãos abanando. Outro politologista, Courtney Brown, escreve algumas equações, mas elas dizem respeito a duas principais variáveis – nível de interesse público e danos ao meio ambiente – as quais ele não define, de modo que as fórmulas sejam meramente ornamentais. [45] Todos os exemplos acima mencionados são exercícios abreviados em qualquer forma ou mera matemática ad verecundiam, e não ciência social-matemática genuína. O que temos aqui são alguns dos apetrechos da ciência sem a sua substância, ou seja, estamos na presença de pseudociência.

Exemplo 5: Sociologia Pós-Mertoniana da Ciência

A moderna sociologia da ciência é uma disciplina científica nascida em 1930 em torno de Robert K. Merton. [46] Ela tenta investigar de um modo científico, comunidades científicas e as interações entre pesquisa científica e estrutura social; e mantém o antigo ser realista, desinteressado, crítico e sujeito a um código moral. Em meados dos anos 60, nasceu uma reação idealista e irracionalista contra a escola de Merton. A pseudocientífica sociologia da ciência, geralmente descrita como construtivista-relativista, afirma pintar uma imagem muito mais realista da investigação científica através do abandono dos chamados “mitos” de pesquisa desinteressada e verdade objetiva. No entanto, a maioria dos sociólogos new style desconfiam, ou mesmo, atacam a ciência. Eles a consideram como uma ideologia, uma ferramenta de poder, um mero dispositivo de tomada de decisões sem a pretensão legítima de verdade universal, mais uma construção social em pé de igualdade com os mitos, normas, e uma variedade de politicagens. Eles consideram cientistas como hábeis artesãos, mas um tanto maquiavélicos, inescrupulosos e políticos sem princípios. Em suma, eles riem da clássica caracterização do ethos científico de Merton.

Os membros desta escola consideram todos os fatos, ou pelo menos o que eles chamam de fatos científicos, como construções, nenhum como dados (assim, o livro que levou Latour e Woolgar à fama instantânea é intitulado Laboratory Life: The Social Construction of Scientific Facts). Mas, na verdade, em matéria de conhecimento, apenas as genuínas construções sociais são falsificações científicas extremamente incomuns cometidas por uma equipe. Uma falsificação famosa deste tipo foi o homem fóssil de Piltdown, “descoberto” por dois brincalhões em 1912, certificado como autêntico por uma série de especialistas (entre eles o Padre Teilhard de Chardin), e desmascarado como uma farsa apenas em 1950. De acordo com o critério de existência do construtivismo-relativismo, deveríamos admitir que o homem de Piltdown existiu – pelo menos entre 1912 e 1950 – só porque a comunidade científica acreditou nele. Estamos preparados para acreditar, ou melhor, para suspeitar de que os auto-denominados pós-mertonianos são incapazes ou mesmo sem vontade de dizer a fanfarronice da dura realidade?

Devido aos construtivistas-relativistas negarem que existe alguma diferença conceitual entre a ciência e outras atividades humanas, eles se sentem no direito de julgar o conteúdo da ciência, não só no seu contexto social. Assim, depois de ler uma das popularizações da relatividade especial de Einstein, Latour conclui que o pobre homem estava errado em acreditar que ele lida com “a eletrodinâmica dos corpos em movimento”, o título do artigo fundador que Latour não poderia entender devido à falta de competência matemática e física. [48] A teoria, ele nos revela, é sobre viajantes de longa distância. Não só isso: torna tudo o que é físico, relativo para o conhecedor (e não para o quadro de referência); confirmando assim, o subjetivismo – a má interpretação popular entre os filósofos idealistas no início deste século. Não há como dizer o que mais se perguntam estes “Darwins da ciência” dos dias modernos – como Latour chama a si mesmo e seus amigos podem alegar. [49] Devido aos construtivistas-relativistas ignorarem a ciência, eles são incapazes de distingui-la de pseudociência. Assim, Michael Mulkay, um pioneiro do movimento, se indignava sobre a forma como a comunidade científica tratou o pretensamente revolucionário Worlds in Collision de Immanuel Velikovsky de 1950. [50]

Ele repreendeu os cientistas por sua “rejeição abusiva e indiscriminada” das fantasias de Velikovsky e por se apegar aos seus “paradigmas teóricos e metodológicos” – entre eles, as equações da mecânica celeste –. Ele alegou que os astrônomos tinham o dever de colocar as fantasias de Velikovsky à prova. Obviamente, Mulkay ignora que o ônus da prova recai sobre o argumentador, que quase todas as reivindicações de Velikovsky foram provadas erradas, e que os cientistas têm tarefas mais importantes do que testar fantasias que se chocam de frente com o grosso do conhecimento científico. No entanto, um número de cientistas, liderados por Carl Sagan, tomaram o seu tempo para criticar em detalhes, as fantasias de Velikovsky, e a American Association for the Advancement of Science, dedicou um simpósio inteiro para eles.[51] Outros vocais construtivistas-relativistas montaram espirituosas defesas da astrologia e parapsicologia.[52] Eles atacam os críticos dessas pseudociências por defenderem o que eles chamam de “o modelo padrão da ciência”, que eles apelidam de “ideologia”. Infelizmente eles não propõem um “modelo” alternativo da ciência. Eles só pedem uma “reavaliação do método científico” para dar espaço para a astrologia, parapsicologia, psicanálise, e outras “ciências extraordinárias”. Isso seria ir contra a corrente de suas escolas para proporem seus próprios critérios de corte raso de cientificidade, uma vez que defendem que a ciência seja uma vulgar “construção social”. Mas como é possível discutir racionalmente o topo científico de uma ideia ou prática que não seja à luz de uma definição de cientificidade? Quanto aos valores de verdade das supostas descobertas de astrólogos, parapsicólogos e outros, como podemos discuti-las no quadro construtivista-relativista, onde diz-se que a verdade é uma convenção social em um par com boas maneiras à mesa? [53]

Exemplo 6: Racismo “Científico”

O racismo é muito antigo, mas o racismo “científico” é uma invenção do século XIX que culminou com os Rassenkunde (estudos raciais) nazistas e o acompanhamento nos campos de extermínio. A versão americana desta doutrina foi introduzida por alguns psicólogos com base em falhas medições de QI, e foi enraizada na legislação americana de restrição à imigração do Sul da Europa e outras regiões. [54] Ela foi silenciada por um tempo, na sequência da revelação dos horrores do nazismo, mas foi ressuscitada em 1969 pelo professor Arthur Jensen, de Harvard. Que, com base em algumas medidas de QI, afirmou a inferioridade inata de afro-americanos. Esta “descoberta” foi unanimemente rejeitada pela comunidade científica. Em particular, a Genetics Society of America advertiu contra os “perigos de ingênuas hipóteses hereditárias”. [55]

Yaron Ezrahi, um membro da pseudosociologia construtivista-relativista da ciência, afirmou que esta negação foi devida a razões ideológicas.[56] Ele considerou que os geneticistas foram particularmente veementes em suas críticas ao trabalho de Jensen para se preocupar, pelo menos em parte, com a sua “imagem pública e apoio”. O próprio Ezrahi não se preocupou em analisar os testes de QI a partir dos quais Jensen derivou suas “conclusões”. Se ele tivesse feito isso ele pode ter aprendido que: (a) esses testes eram de fato, ligados à cultura e, portanto, suscetíveis de favorecer os brancos sobre os negros, e (b) nenhum teste de QI será totalmente confiável a menos que seja apoiado por uma teoria bem confirmada de inteligência – uma teoria que está atrasada. [57]

Destemidos por tais críticas metodológicas, Richard Herrnstein e Charles Murray repetiram a afirmação racista em seu best-seller The Bell Curve, sem acrescentar qualquer nova evidência. [58] O livro deles foi promovido pela American Enterprise Institute e amplamente divulgado por jornalistas, que viram neste livro a base “científica” para a sua proposta de eliminar todos os programas sociais que visam dar uma chance para as crianças e jovens afro-americanos. A ideia é, naturalmente, que nenhuma quantidade de dinheiro, especialmente se público, pode corrigir uma deficiência alegadamente genética. Desta vez geneticistas e psicólogos demoraram a reagir: talvez eles levaram o livro para o que é, ou seja, um panfleto político. Por outro lado, alguns jornalistas e sociólogos apontaram as falhas metodológicas do livro, descobriram suas origens ideológicas, e denunciaram as suas implicações para as políticas públicas. [59]

Exemplo 7: Tecnologia Feminista

Desde que a tecnologia é a arte e a ciência de fazer as coisas, mantidas e reparadas, a psicoterapia e a jurisprudência devem ser consideradas como tecnologias. Agora, nos últimos anos, essas tecnologias adquiriram um sexo: Fala-se agora de psicoterapia feminista e jurisprudência feminista.

Vamos dar uma olhada rápida nesta primeira. Um ponto forte da psicoterapia feminista é a “terapia de memória recuperada”, que consiste em “melhorar” a memória de uma mulher – se necessário, com a ajuda da hipnose e drogas – até que ela “se lembre” de ter sido abusada sexualmente por seu pai durante a infância. A paciente é então, encorajada a levar o pai a tribunal, a fim de puni-lo e extrair dele o máximo possível de compensação monetária – para ser compartilhada com a terapeuta. Esta barulheira floresceu durante a década passada nos Estados Unidos até que a American Medical Association, e acima de tudo, a False Memory Syndrome Foundation alertaram os tribunais de justiça sobre as medidas que estavam sendo tomadas. Graças a esta reação, o número de processos desse tipo já começou a declinar. Isto não é negar que muitas crianças são sexualmente abusadas por seus parentes. O que é questionável é o implante pela terapeuta de falsas memórias em sua paciente e a “teoria” que sustenta esta prática: a primeira é inescrupulosa, e a última falsa. De fato, a teoria em questão é a psicanálise, uma pseudociência segundo a qual nós nunca esquecemos de nada a menos que seja reprimido pelo “superego”. Esta hipótese é falsa: os psicólogos sabem que a memória não é fotográfica, mas seletiva, distortiva, e construtiva. Eles também sabem que muitas pessoas são sugestionáveis, de modo que os psicoterapeutas sem escrúpulos possam conseguir plantar falsas memórias em seus cérebros.

Resumindo, a pseudociência acadêmica é tão tóxica quanto a anticiência acadêmica. Por que estudiosos sérios e socialmente responsáveis devem tolerá-las? Sendo uma caricatura de pesquisa científica, devem ser dissecadas e expostas, ensinadas apenas para exemplificar falsa ciência. [60]

4. DOIS TIPOS DE IGNORÂNCIA: NATURAL OU DIRETA, E ARTIFICIAL OU
INTENCIONAL

Nenhum departamento de química contrataria um alquimista. Um departamento de cristalografia não é lugar para crentes no poder psíquico de cristais. Nenhuma escola de engenharia iria manter a intenção de alguém em projetar uma máquina de movimento perpétuo. Um observatório astronômico não é lugar para pessoas que acreditam que os planetas são empurrados por anjos. Um departamento de biologia iria fechar suas portas para qualquer um que rejeite a genética. Ninguém que nega a existência de campos de concentração nazistas ou campos comunistas de trabalho seria capaz de ensinar história em uma universidade decente. Nenhum departamento de matemática iria tolerar alguém defendendo que a lógica é uma ferramenta de dominação masculina e que a quantidade é masculina. Nenhuma psicologia junguiana é ensinada em qualquer departamento de auto-respeito da psicologia. Quem crê em homeopatia não pode fazê-la em uma escola médica credenciada. Para generalizar: nem falsidades ou mentiras comprovadas são ensinadas em qualquer instituição científica ou tecnológica. E por uma razão muito boa também: a saber, porque tais instituições são criadas com o propósito específico de encontrar, refinar, aplicar, ou ensinar verdades, e não apenas velhas opiniões.

Dê alguns passos de distância das faculdades de ciência, engenharia, medicina ou direito; em direção a faculdade de artes. Aqui você vai conhecer um outro mundo. Onde falsidades e mentiras são toleradas, ou melhor, fabricadas e ensinadas em quantidades industriais. Aqui, o aluno incauto pode fazer cursos em todos os tipos de tolices e falsidades. Aqui, alguns professores são contratados, promovidos ou dados ao poder de ensinar que a razão é inútil, que a evidência empírica é desnecessária, que a verdade objetiva é inexistente, que a ciência básica é uma ferramenta de dominação capitalista ou masculina, e afins. Aqui encontramos pessoas que rejeitam o conhecimento adquirido meticulosamente ao longo do último meio milênio. Este é o lugar onde os alunos podem ganhar créditos para a aprendizagem de superstições, novas e antigas, de quase todos os tipos, e onde podem desaprender a escrever, de forma a soar como fenomenólogos, existencialistas, desconstrucionistas, etnometodologistas, ou psicanalistas. Este é o lugar onde o dinheiro dos contribuintes é desperdiçado na manutenção da enorme indústria de involução cultural centrada em torno da rejeição deliberada da discussão racional e testes empíricos. Esta fraude tem de ser parada em nome da honestidade intelectual e responsabilidade social. Que não haja engano: eu não estou propondo que ensinemos apenas o que pode ser verificado como verdadeiro. Pelo contrário, devemos duvidar de nosso aprendizado, e devemos continuar a ensinar que somos todos ignorantes em muitos aspectos e em algum grau ou outro. Mas também temos de ensinar que a ignorância pode ser superada, gradativamente, pela pesquisa rigorosa; que a falsidade pode ser detectada, que a verdade parcial pode ser atingida e aperfeiçoada – do jeito que Arquimedes ilustrou com aproximações sucessivas para computar seus valores exatos da área de um círculo.

Nós também devemos perceber e ensinar que há dois tipos de ignorância: natural e tradicional, e pós-moderna e intencional. A primeira é inevitável e sua admissão é obrigatória; é parte de ser um cauteloso aprendiz e um honesto professor. Por outro lado, a ignorância intencional ou pós-moderna é a negação deliberada em aprender itens relevantes para seus próprios interesses. Exemplos: a recusa do psicoterapeuta e do filósofo da mente em aprender algo de psicologia experimental e neuropsicologia; a recusa do crítico literário com interesses sociológicos em aprender um pouco da ciência que ele assevera a respeito. Todos esses são exemplos de ignorância intencional. Este é o único tipo intolerável de ignorância, pois é uma forma de desonestidade. E ainda, este tipo de ignorância está sendo vendida atualmente em muitas faculdades de artes.

A ignorância intencional vem de dois modos: pura ou natural, e disfarçada ou artificial. A pura ou indocta ignoratia é a clara rejeição à ciência, ou o que implica em dizer – a negação de qualquer diferença entre ciência e não ciência, em particular, pseudociência. Isto é o que os irracionalistas e os construtivistas-relativistas pregam: é parte das “teorias” ambientalistas e radical feministas, bem como é parte do existencialismo, pós estruturalismo, semiótica geral, hermenêutica filosófica, desconstrutivismo, e modas obscurantistas semelhantes.

O primeiro a negar a diferença entre ciência e não ciência foi Paul K. Feyerabend, o Deus-Pai filosófico da “nova” filosofia e sociologia da ciência. Ele foi ouvido porque acreditaram erroneamente que ele conhecia algo em física. Mas na verdade, sua ignorância em relação a ela, a única ciência que ele tentou aprender, era abissal. Assim, ele compreendeu mal as únicas duas fórmulas que ocorrem em seu Against Method, o livro que lhe rendeu a celebridade instantânea.[61] A primeira fórmula, que ele chama de “princípio da equipartição” é na verdade, a função de distribuição de Maxwell-Boltzmann para um sistema de partículas em equilíbrio térmico (a propósito, a constante ocorrente na fórmula correta não é R, o gás universal constante, mas a k de Boltzmann, que é bem mais universal. Este não é um erro pequeno, porque torna a fórmula de Feyerabend dimensionalmente errada). A segunda fórmula, a de Lorentz, não dá a “a energia de um elétron se movendo em um campo magnético constante” (grifos meus), como Feyerabend afirma. Ao invés disso, a fórmula dá a força que um campo eletromagnético arbitrário <E, B> exerce sobre uma partícula com uma carga elétrica arbitrária (a propósito, a constante c está ausente na cópia de Feyerabend – o que mais uma vez, torna sua fórmula dimensionalmente incorreta). Acima de tudo, Feyerabend substitui a segunda fórmula pela primeira; e não surpreendentemente, ele obtém um resultado estranho que, de um modo misterioso, o leva a especular sobre os (inexistentes) monopolos magnéticos imaginados por seu professor, Felix Ehrenhaft. Mas a substituição não pode ser feita, porque (a) a segunda fórmula não nos dá uma energia, que ocorre na primeira; (b) a primeira fórmula se refere a um sistema de partículas, enquanto a segunda se refere a uma única partícula; e (c) ao contrário da energia, que é uma escalar, a força é um vetor e portanto, não pode ocorrer por si só no argumento de uma função exponencial, a qual é definida apenas para escalares. [62] Nenhum dos críticos de Feyerabend detectou esses erros elementares – um indicador preocupante no atual estado da filosofia da ciência. Em suma, um dos gurus da nova filosofia da ciência foi culpado de indocta ignorantia. Ele também foi visto como um guru do movimento estudantil esquerdista.

Contudo, o irracionalismo, em particular a desconfiança da ciência, não tem cor política; é encontrado na esquerda, centro e direita. Ainda, na maioria dos casos, é passivo: Babbitt não é Torquemada, mas é apenas indiferente e suspeito de perseguições intelectuais. Por outro lado, o filistinismo (pequena burguesia) é forte na Nova Esquerda, na Velha Direita e na ala religiosa da Nova Direita. Isto não é coincidência: todos esses grupos são autoritários. E, como Popper assinalou há meio século, o autoritarismo é incompatível com o racionalismo em sentido amplo, ou seja, “a disposição para ouvir argumentos críticos e aprender com a experiência”. [63] Na verdade, o cidadão de uma democracia deveria formar suas próprias opiniões sobre assuntos de interesse público, discuti-los na ágora, e participar de alguma forma na gestão do povo. A racionalidade é então, um componente necessário na vida democrática, assim como a irracionalidade é um ingrediente necessário para o adestramento de um sujeito fiel, leal a um regime totalitário. Lembre-se do mandamento de Mussolini: “Acredite, obedeça, lute”. O bastante para a anticiência acadêmica.

A pseudociência acadêmica é um jogo diferente: é muito mais sutil e portanto, muito mais difícil de diagnosticar e erradicar. Na verdade, ela usa-se de alguns apetrechos da ciência genuína, em particular, um esotérico jargão que engana os incautos, ou até mesmo, um aparato simbólico que intimida o inumerismo. Parece ciência, mas não é científica porque não enriquece o conhecimento; e, longe de ter um esquema de autocorreção, é dogmática. Por enganar os inocentes, a pseudociência acadêmica é, pelo menos, tão letal quanto a absoluta anticiência.

5. CONCLUSÃO

Sugiro que os charlatães acadêmicos não mereçam a liberdade acadêmica da qual desfrutam hoje em dia. Eles não a conquistaram porque eles produzem ou circulam lixo cultural, o que não é apenas uma atividade não acadêmica, mas anti-acadêmica também. Deixe-os fazer isso em qualquer lugar que eles queiram, mas não nas escolas; pois elas devem ser lugares de aprendizagem. Devemos expulsar os charlatães da universidade antes que eles se deformem do reconhecimento e expulsem os pesquisadores sérios de verdade. Eles devem ser criticados, ou melhor, denunciados, com o mesmo rigor e vigor que Julien Benda atacou os mercenários intelectuais de seu tempo (1927) em seu memorável La trahison des clercs, que aliás, lhe valeu o ódio dos então chamados intelectuais orgânicos de todas as linhas políticas. Poupe o bastão e estrague o charlatão. Estrague o charlatão e coloque a cultura moderna em risco. Comprometa a cultura moderna e mine a civilização moderna. Debilite a civilização moderna e prepare-se para uma nova Idade das Trevas.

Em tempos anteriores, o ensino superior era apenas uma forma refinada de entretenimento e uma ferramenta de controle social. Hoje, é tudo isso e mais: a tecnologia baseada na ciência científica, e as humanidades racionalistas, não são apenas bens públicos intrinsecamente valiosos, mas também, dos meios de produção e do bem-estar, bem como as condições de debate democrático e a resolução racional de conflitos. A busca do conhecimento acadêmico deve, portanto, ser protegida de ataques e falsificações dentro e fora da Academia. Para este fim, eu proponho a adoção da seguinte Charter of Intellectual Academic Rights and Duties (Carta da Academia Intelectual de Direitos e Deveres):

1. Todo acadêmico tem o dever de procurar a verdade e o direito de alcançá-la.

2. Todo acadêmico tem o direito e o dever de questionar qualquer coisa que
lhe interesse, desde que ele faça isso de uma forma racional.

3. Todo acadêmico tem o direito de cometer erros e o dever de corrigi-los
assim que detectá-los.

4. Todo acadêmico tem o dever de expor disparates, sejam populares ou
acadêmicos.

5. Todo acadêmico tem o dever de expressar-se da forma mais clara
possível.

6. Todo acadêmico tem o direito de discutir qualquer ponto de vista pouco
ortodoxo que lhe interesse, desde que essas opiniões sejam claras o
suficiente para serem discutidas racionalmente.

7. Nenhum acadêmico tem o direito de apresentar como ideias verdadeiras,
aquilo que ele não pode justificar em termos de qualquer razão ou
experiência.

8. Ninguém tem o direito de se envolver conscientemente em qualquer
indústria acadêmica.

9. Todo corpo acadêmico tem o dever de adotar e aplicar os mais rigorosos
padrões conhecidos de erudição e aprendizagem.

10. Todo corpo acadêmico tem o dever de ser intolerante tanto com a
contracultura quanto a cultura falsificada.

Para concluir, vamos tolerar, ou melhor, encorajar, toda a busca por verdade. Por mais excêntrico que isso possa parecer, desde que preze pela razão ou experiência. Mas vamos lutar contra todas as tentativas de suprimir, desacreditar, ou falsificar esta busca. Deixemos todos os genuínos intelectuais entrarem para o Esquadrão da Verdade e ajudar a desmantelar o Cavalo de Troia “pós moderno” estabulado nas universidades antes que ele as destrua.

6. NOTAS

1 I. M. Heidegger, Sein und Zeit, p. 192.
2 Ibid., P. 331.
3 Heidegger, Einfübrung in die Metaphysik, pp. 20, 37.
4 Ibid., p. 92.
5 Ibid., p. 152.
6 E. Husserl, Die Krisis der europäischen Wissetischaftgen and die tranzendentale
Phänomenologie, p. 187.
7 Husserl, Cartesianische Meditationen, p. 68.
8 Ibid.
9 Ibid., p. 183.
10 Ibid., p. 76.
11 Ibid., section 34.
12 Ibid., p. 118.
13 Ibid., p. 97.
14 E.g., A. Schu[e]tz, The Phenomenology of the Social World; and P. Berger & T. Luckmann, The
Social Construction of Reality.
15 E.g., H. Garfinkel, Studies in Ethnomethodology; and E. Goffman, Behavior in Public Places.
16 M. Lynch, E. Livingston & H. Garfinkel, “Temporal Order in Laboratory Work,”
p. 206.
17 P. Atkinson, “Ethnomethodology: A Critical Review.”
18 H. Garfinkel, Studies in Ethnomethodology, p. 1.
19 Ibid., p. 11.
20 R. Collins, “Interaction Ritual Chains, Power and Property.”
21 M. F. Belenky, B. McV. Clinchy, N. R. Goldberger & J. M. Thrule, Women’s Ways of Knowing.
The Development of Self, Voice, and Mind. ,
22 Sandra Harding, The Science Question in Feminists, P. 113.
23 Herbert Marcuse, One-Dimensional Man: Studies in the Ideology of Industrial Society.
24 Michel Foucault, Discipline and Punish.
25 D. Patzai & N. Koertge, Professing Feminism. Cautionary Tales from the Strange World of
Women’s Studies, p. 157.
26 P. R. Gross & N. Levitt, Higher Superstition: The Academic Left and Its Quarrels with Science.
27 Para mais anticiência, em particular nos estudos sociais, ver M. Bunge, Finding Philosopby in
Social Science.
28 Vilfredo Pareto, A Treatise on General Sociology, section 2087.
29 Ibid. e.g., section 2148.
30 Ibid., section 2466.
31 Ibid., p. 509.
32 Ibid., chapter 5.
33 Pitrim Sorokin, Fads and Foibles in Modern Sociology and Related Sciences.
34 Pitrim Sorokin, Social and Cultural Dynamics, vol. 3, p.162.
35 Samuel Huntington, Political Order in Changing Societies, p.55.
36 Ver S. Lang,The File.
37 Gary S. Becker, The Economic Approach to Human Behavior, p. 257.
38 Milton Friedman, “A Theoretical Framework for Monetary Analysis.”
39 Ver, e.g., D. Kahnemann, P. Slovic, & A. Tversky, eds., Judgement Under Uncertainty:
Heuristics and Biases; and M. Bunge “Two Faces and Three Masks of Probability.”
40 Ver P. Tillers, “Decision and Inference” and the subsequent papers.
41 H. Poincaré, Correspondence of Léon Walras and related papers, vol. 3., pp. 164-165.
42 M. Allais, “The Foundations of a Positive Theory of Choice Involving Risk and a Criticism of
Postulates and Axioms of the American School.”: A. Tversky, “A Critique of Expected Utility
Theory: Descriptive and Normative Considerations”; J. W. Hernstein, “Rational Choice Theory:
Necessary but Not sufficient.”
43 M. Bunge, “Game Theory is Not a Useful Tool for the Political Scientist.”; “The Poverty of
Rational Choice Theory”; Philosophy in Social Science; D. P. Green, & I. Shapiro, Pathologies of
Rational Choice Theory: A Critique of Applications in Political Science.
44 J. N. Rosenau, Turbulence in World Politics: A Theory in Change and Continuity.
45 Courtney Brown, “Politics and the Environment: Nonlinear Instabilities Dominate.”
46 Ver e.g., R. K. Merton, The Sociology of Science. Theoretical and Empirical Investigations.
47 Ver e.g., the journal Social Studies of Science; B. Barnes ed., Sociology of Science. Selected
Readings, D. Bloor, Knowledge and Social Imagery; K. D. Knorr-Cetina & M. Mulkay, eds.,
Science Observed. Perspectives on the Social Study of Science; and B. Latour & S. Woolgar,
Laboratory Life: The Social Construction of Scientific Facts.
48 B. Latour, “A Relativistic Account of Einstein’s Relativity.”
49 B. Latour, “Who Speaks for Science?”
50 M. Mulkay, “Some Aspects of Cultural Growth in the Natural Species.”
51 D. Goldsmith, ed., Scientists Confront Velikovsky. Papers from an AAAS Symposium.
52 Ver, e.g., T. J. Pinch & H. M. Collins, “Is Anti-science Not-science?” and “Private Science and
Public Knowledge: The Committee for the Investigation of Claims of the Paranormal and Its Use in
the Literature.”
53 More criticisms in M. Bunge, “A Critical Examination of the New Sociology of Science, Part 1”:
“A Critical Examination of the New Sociology of Science, Part 2”: L. Wolpert, The Unnatural
Nature of Science; R. Bourdon & M. Clavelin, eds., Le Relativsme est-il irrésistible? Regards sur la
sociologie des sciences; e R. Boudon, Le juste et le vrai.
54 Ver, e.g., S. J. GOULD, The Mismeasure of Man.
55 E. S. Russell, “Report of the Ad Hoc Committee.”
56 Y. Ezrahi, “The Political Resources of American Science.”
57 Ver, e.g., M. Bunge & R. Ardila. Philosophy of Psychology.
58 R. J. Herrnstein & C. Murray, The Bell Curve: Intelligence and Class Structure in American
Life.
59 C. Lane, “The Tainted Sources of the Bell Curve.”
60 Mais sobre pseudociências nos estudos sociais pode ser encontrado em M. Bunge, Finding Philosophy in
Social Science and Social Science under Debate.
61 P. K. Feyerabend, Against Method, Outline of an Anarchistic Theory of Knowledge, p. 62.
62 Mais sobre a incompetência científica de Feyerabend em M. Bunge, “What is Science? Does It Matter to
Distinguish It from Pseudoscience? A Reply to My Commentators.”
63 K. R. Popper, The Open Society and Its Enemies, capítulo 24.

7. REFERÊNCIAS

ALEXANDER, J. C., B. GIESEN, R. MÜNCH & N. J. SMELSER, eds. The Micro-Macro Link
Berkeley, CA: University of California Press, 1987.

ALLAIS, M. “The Foundations of a Positive Theory of Choice Involving Risk and a Criticism of
the Postulates and Axioms of the American School.” In Expected Utility Hypotheses and the Allais Paradox, edited by M. Allais & O. Hagen. Boston: Reidel, 1979.

ATKINSON, P. “Ethnomethodology: A Critical Review.” Annual Review of Sociology 14 (1988):
441-465.

BARNES, B., ed. Sociology of Science. Selected Readings. London: Penguin, 1972.

BECKER, G. S. The Economic Approach to Human Behavior. Chicago, IL: University of Chicago Press, 1976.

BELENKY, M. F., B. MCV. CLINCHY, N. R. GOLDBERGER & J. M. TARULE. Women’s Ways
of Knowing. The Development of Self, Voice, and Mind. New York, NY: Basic Books, 1986.
BENDA, J. La trahison des clercs. 2nd edit. Paris: Grasset, 1946.

BERGER, P. & T. LUCKMANN. The Social Construction of Reality. Garden City, NJ: Doubleday,
1966.

BLOOR, D. Knowledge and Social Imagery. London: Routledge and Kegan Paul, 1976.
BOUDON, R. Lejuste et le vrai. Paris: Fayard, 1995.

BOUDON, R. & M. CLAVELIN, eds. Le relativismie est-il irrésistible? Regards sur la sociologie
des sciences. Paris: Presses Universitaires de France, 1994.

BROWN, C. “Politics and the Environment: Nonlinear Instabilities Dominate.” American Political Science Review 88 (1994): 292-303.

BUNGE, M. “Two Faces and Three Masks of Probability.” In Probability in the Sciences, edited by E. Agazzi. Dordrecht: Reidel, 1988.

——–Game Theory is Not a Useful Tool for the Political Scientist.” Epistemologia 21 (1989): 195-212

——–What is Science? Does It Matter to Distinguish It from Pseudoscience? A Reply to My
Commentators.” New Ideas in Psycbiology 9 (1991): 245-283.

——— “A Critical Examination of the New Sociology of Science, Part I.” Philosophy of the Social Sciences 21 (1991): 524-560.

——— “A Critical Examination of the New Sociology of Science, Part 2:’ Philosophy of the Social Sciences 22 (1992): 46-76.

———The Poverty of Rational Choice Theory.” In Critical Rationalism, Metaphysics and
Sciences, Vol. 1., edited by I. C. Jarvie & N. Laor. Dordrecht: Kluwer Academic Publishers, 1995. Yale University Press.

———Finding Philosophy in Social Science. New Haven, CT. In press.

——–Social Science under Debate. Forthcoming.

BUNGE, M. & R. ARDILA. Philosophy of Psychology. New York, NY.: Springer-Verlag, 1987.

COLLINS, R. “Interaction Ritual Chains, Power and Property.” In The Micro-Macro Link, edited by J. C. Alexander, B. Giesen, R. Münch & N.J. Smelser. Berkeley, CA: University of California Press, 1987.

EZRAHI, Y. “The Political Resources of American Science.” In Sociology of Science Selected
Readings, edited by B. Barnes. London: Penguin Books, 1972.

FEYERABEND, P. K. Against Method. Outline of an Anarchistic Theory of Knowledge. London:
Verso, 1978.

FOUCAULT, M. Discipline and Punish. New York, NY: Vintage Books, 1977.

FRIEDMAN, M. “A Theoretical Framework for Monetary Analysis.” In Milton Friedman’s
Monetary Framework, edited by R. J. Gordon. Chicago, IL: University of Chicago Press, 1970.

GARFINKEL, H. Studies in Ethnomethodology. Englewood Cliffs, NJ: Prentice-Hill. 1967.

GOFFMAN, E. Behavior In Public Places. New York, NY. Free Press. 1963.

GOLDSMITH, D., ed. Scientists Confront Velikovsky. Papers from an AAAS Symposium, Ithaca. NY: Cornell University Press, 1977.

GOULD, S. J. The Mismeasure of Man. New York, NY: W. W. Norton, 1981.

GREEN, D. P. & I. SHAPIRO. Pathologies of Rational Choice Theory: A Critique of Applications
in Political Science. New Haven, CT: Yale University Press, 1994.

GROSS, PAUL R. & NORMAN LEVITT. Higher Superstition.- The Academic Left and Its
Quarrels with Science. Baltimore, MD: Johns Hopkins University Press. 1994.

HARDING, S. The Science Question in Feminism. Ithaca, NY: Cornell University Press, 1986.

HEIDEGGER, M. Sein und Zeit. 16th edit. Tübingen: Max Niemeyer, 1986.

———Einführung in die Metaphysik. 5th edit. Tübingen: Max Niemeyer. 1987.

HERRNSTEIN, J. W. “Rational Choice Theory: Necessary but Not Sufficient.” American
Psycbologist 45 (1990): 356-367.

HERRNSTEIN, R. J. & C. MURRAY. The Bell Curve. Intelligence and Class Structure in
American Life. New York, NY-. Free Press, 1994.

HUNTINGTON, S. P. Political Order in Changing Societies. New Haven. CT: Yale University
Press, 1968.

HUSSERL, E. “Cartesianische Meditationen.’ In Husserliana: Gesammelte Werke, vol. 1. The
Hague: Martinus Nijhoff, 1950.

——–Die Krisis der europäischen Wissenschaften und die tranzendentale Phänomenologie. In Husserliana: Gesammelte Werke, Vol. 6. The Hague: Martinus Nijhoff, 1954.

KAHNEMAN, D., P. SLOVIC & A. TVERSKY, eds. Judgement Under Uncertainty:. Heuristics
and Biases. Cambridge: Cambridge University Press, 1982.

KNORR-CENTINA, K. D. & M. MULKAY, Eds. Science Observed. Perspectives on The Social
Study of Science. London: Sage Publications, 1983.

KOBLITZ, N. “Mathematics as Propaganda: A Tale of Three Equations; or, the Emperors Have No Clothes.” Mathematical Intelligencer 10 (1988): 4-10.

LANE, C. “The Tainted Sources of ‘The Bell Curve.’”New York Review of Books 41, no.20 (1994): 14-19.

LANG, S. The File. New York, NY: Springer-Verlag, 1981.

LATOUR, B. “Give Me a Laboratory and I Will Raise the World.” In Science Observed, edited by K. D. Knorr-Cetina & M. Mulkay. London: Sage Publications. 1983.

———“A Relativistic Account of Einstein’s Relativity.” Social Studies of Science 18 (1988): 3-44.

———“Who Speaks for Science?” The Sciences 35 (1995): 6-7.

LATOUR, B. & S.WOOLGAR. Laboratory Life: The Social Construction of Scientific Facts.
Beverly Hills, CA: Sage Publications, 1979.

LYNCH, M. E. “Sacrifice and the Transformation of the Animal Body into a Scientific Object:
Laboratory Culture and Ritual Practice In the Neurosciences.” Social Studies of Science 18 (1988): 265-289.

LYNCH, M. E., E. LIVINGSTON & H. GARFINKEL. “Temporal Order in Laboratory Work.” In
Science Observed. Perspectives on The Social Study of Science, edited by K. D. Knorr-Cetina & M. Mulkey. London: Sage Publications, 1983.

MACKINNON, C. Toward a Feminist Theory of the State. Cambridge, MA: Harvard University
Press, 1989.

MARCUSE, H. One-Dimensional Man: Studies in the Ideology, of Industrial Society Boston, MA: Beacon, 1964.

MERTON, R. K. Social Theory and Social Structure Rev. edit. New York, NY: The Free Press,
1957.

———The Sociology of Science. Theoretical and Empirical Investigations. Chicago, IL: University of Chicago Press, 1973.

MULKAY, M. “Some Aspects of Cultural Growth in the Natural Sciences.” Reprinted in Sociology of Science. Selected Readings, edited by B. Barnes. London: Penguin, 1972.

PARETO, V. A Treatise on General Sociology 4 vols. New York, NY: Harcourt, Brace and Co.,
1935. Reprint. New York, NY. Dover Publications, 1963.

PATAI, D. & N. KOERTGE. Professing Feminism. Cautionary Tales from the Strange World of
Women’s Studies. A New Republic Book. New York, NY: Basic Books. 1994.

PINCH, T. J. & H. M. COLLINS. “Is Anti-science Non-science?” Sociology of The Sciences Yearbook, Vol. 3: 221-250.

Private Science and Public Knowledge: The Committee for the Scientific Investigation of Claims of the Paranormal and Its Use of the Literature.” Social Studies of Science 14 (1984): 521-546.

POINCARÉ, H. “Letter to L. Walras.” In Correspondence of Léon Walras and Related Papers, Vol. 3, edited by W Jaffé. Amsterdam: North Holland, 1965.

POPPER, K. R. The Open Society and Its Enemies. 2 vols. 2nd edit. London: Routledge and Kegan Paul, 1962.

ROSENAU, J. N. Turbulence in World Politics. A Theory of Change and Continuity. Princeton, NJ: Princeton University Press, 1990.

RUSSELL, E. S. “Report of the Ad Hoc Committee.” Genetics 83 (1976): s99-s101.

SCHU[E]TZ, A. The Phenomenology of the Social World. Evanston, IL: Northwestern University Press, 1967.

SOROKIN, P. A. Social and Cultural Dynamics. Vol. 3. London: Allen and Unwin, 1937. Fads and Foibles in Modern Sociology and Related Sciences. Chicago, IL: Henry Regnery, 1956.

TILLERS, P. “Decision and Inference” Cardozo Law Review 13 (1991): 253-256. TVERSKY, A. “A Critique of Expected Utility Theory: Descriptive and Normative Considerations.” Erkenntnis 9 (1975): 163-173.

WOLPERT. L. The Unnatural Nature of Science. London: Faber and Faber. 1992.

A pesquisa que levou a este trabalho foi apoiada em parte pela Humanities and Social Sciences Research Council Of Canada. Alguns parágrafos deste artigo foram retirados do Finding Philosophy in Social Science e do Social Science under Debate de Mario Bunge.

Tradução: Glauber Frota

Fonte: aqui.

CONTINUAR LENDO
Compartilhar
Artigo anteriorFalseabilidade da Teoria de Cordas
Próximo artigo3º Hangout do Universo Racionalista – Evolução Biológica: Fatos e Enganos
Cético desde que me entendo por gente, quando comecei a questionar se Deus tinha face. Headbanger nas horas vagas, técnico em informática - buscando aperfeiçoamento - e em dúvida quanto a seguir carreira pública, acadêmica ou privada. Ávido autodidata. Interessado por filosofia da ciência (com ênfase às ciências naturais), história da filosofia, história da ciência, filosofia política, política geral, economia, direitos humanos, psicologia, psiquiatria (incluindo forense) e cultura em geral. Crítico das ditas "modas anti-intelectuais" tais como as pseudociências e correntes filosóficas como o existencialismo, a fenomenologia, diversas vertentes de idealismo, as correntes de pensamento "pós-modernas" e culturas comerciais. Buscador de um mundo moderno, mais justo e igualitário através da ciência e da tecnologia. Onde o charlatanismo e o "macaneo", que em espanhol platino é gíria para "embuste", ou mesmo, "delírio", não encontram lugar.