Engenheiros estão trabalhando para corrigir uma falha misteriosa na sonda Voyager 1

0
126
(Créditos: NASA/JPL-Caltech)

Traduzido por Julio Batista
Original de Paola Rosa-Aquino para o Business Insider

Em maio, cientistas da NASA disseram que a espaçonave Voyager 1 estava enviando dados imprecisos de seu sistema de controle de atitude. A misteriosa falha ainda está em andamento, de acordo com a equipe de engenharia da missão.

Agora, para encontrar uma solução, os engenheiros estão vasculhando manuais de décadas.

A Voyager 1, juntamente com sua gêmea Voyager 2, foi lançada em 1977 com uma vida útil de cinco anos para estudar Júpiter, Saturno, Urano, Netuno e suas respectivas luas de perto.

Depois de quase 45 anos no espaço, ambas as espaçonaves ainda estão funcionando. Em 2012, a Voyager 1 se tornou o primeiro objeto feito pelo homem a se aventurar além do limite de influência do nosso Sol, conhecido como heliopausa, e entrar no espaço interestelar. Está agora a cerca de 23,5 bilhões de quilômetros da Terra e enviando dados de fora do Sistema Solar.

“Ninguém pensou que duraria tanto”, disse Suzanne Dodd, gerente de projeto da missão Voyager no Laboratório de Propulsão a Jato da NASA, ao Insider, acrescentando: “E aqui estamos”.

Desenterrando documentos antigos de naves espaciais

A Voyager 1 foi projetada e construída no início da década de 1970, complicando os esforços para solucionar os problemas da espaçonave.

Embora os atuais engenheiros da Voyager tenham alguma documentação – ou mídia de comando, o termo técnico para a papelada contendo detalhes sobre o projeto e os procedimentos da espaçonave – daqueles primeiros dias da missão, outros documentos importantes podem ter sido perdidos ou extraviados.

Durante os primeiros 12 anos da missão Voyager, milhares de engenheiros trabalharam no projeto, de acordo com Dodd.

“Como eles se aposentaram nos anos 70 e 80, não houve um grande esforço para ter uma biblioteca de documentos do projeto. As pessoas levavam suas caixas para suas garagens”, acrescentou Dodd. Em missões modernas, a NASA mantém registros de documentação mais robustos.

Existem algumas caixas com documentos e esquemas armazenados fora do Laboratório de Propulsão a Jato, e Dodd e o resto dos operadores da Voyager podem solicitar acesso a esses registros. Ainda assim, pode ser um desafio.

“Obter essas informações exige que você descubra quem trabalha nessa área no projeto”, disse Dodd.

Para a última falha da Voyager 1, os engenheiros da missão tiveram que procurar especificamente por caixas sob o nome de engenheiros que ajudaram a projetar o sistema de controle de atitude. “É um processo demorado”, disse Dodd.

Origem do erro

O sistema de controle de atitude da espaçonave, que envia dados de telemetria de volta à NASA, indica a orientação da Voyager 1 no espaço e mantém a antena de alto ganho da espaçonave apontada para a Terra, permitindo que ela transmita dados para nós.

“Os dados de telemetria são basicamente um status sobre a saúde do sistema”, disse Dodd. Mas as leituras de telemetria que os operadores da espaçonave estão recebendo do sistema estão distorcidas, de acordo com Dodd, o que significa que eles não sabem se o sistema de controle de atitude está funcionando corretamente.

Até agora, os engenheiros da Voyager não conseguiram encontrar uma causa principal para a falha, principalmente porque não conseguiram redefinir o sistema, disse Dodd. Dodd e sua equipe acreditam que é devido a uma parte envelhecida. “Nem tudo funciona para sempre, mesmo no espaço”, disse ela.

A falha da Voyager também pode ser influenciada por sua localização no espaço interestelar. De acordo com Dodd, os dados da espaçonave sugerem que partículas carregadas de alta energia estão no espaço interestelar.

“É improvável que atinjam a espaçonave, mas se ocorrer, pode causar mais danos à eletrônica”, disse Dodd, acrescentando: “Não podemos identificar isso como a fonte da anomalia, mas pode ser um fator.”

Apesar dos problemas de orientação da espaçonave, ela ainda está recebendo e executando comandos da Terra e sua antena ainda está apontada para nós.

“Não vimos nenhuma degradação na força do sinal”, disse Dodd.

A jornada da Voyager 1 continua

Como parte de um esforço contínuo de gerenciamento de energia que aumentou nos últimos anos, os engenheiros estão desligando sistemas não técnicos a bordo das sondas Voyager, como seus aquecedores de instrumentos científicos, na esperança de mantê-los funcionando até 2030.

Desde a descoberta de luas e anéis desconhecidos até a primeira evidência direta da heliopausa, a missão Voyager ajudou os cientistas a entender o cosmos.

“Queremos que a missão dure o maior tempo possível, porque os dados científicos são muito valiosos”, disse Dodd.

“É realmente notável que ambas as espaçonaves ainda estejam operando e operando bem – pequenas falhas, mas operando extremamente bem e ainda enviando esses dados valiosos”, disse Dodd, acrescentando: “Elas ainda estão falando conosco”.