Sepultamentos de 8.200 anos na Rússia contêm pingentes feitos de osso humano

Uma escavação arqueológica centenária na Rússia traz uma nova surpresa.

0
111
Uma ilustração representando o sepultamento de um homem adulto na ilha de Ostrov Oleny, na Rússia. (Créditos: Tom Björklund)

Traduzido por Julio Batista
Original de para a Live Science

Quase um século atrás, arqueólogos escavando um cemitério de 8.200 anos no noroeste da Rússia notaram vários pingentes de ossos e dentes de animais enterrados com pessoas da Idade da Pedra ali sepultadas. Mas quando os pesquisadores recentemente começaram a reanalisar os pingentes de osso para determinar de qual espécie de animal cada um veio, eles tiveram um choque.

Alguns dos pingentes não eram feitos de osso de animal. Eles eram humanos.

“Quando obtivemos os resultados, pensei primeiro que deveria haver algum erro aqui”, disse Kristiina Mannermaa, arqueóloga da Universidade de Helsinque, na Finlândia, que liderou a pesquisa.

Mas não foi um erro, disse Mannermaa à Live Science. Misturados com ornamentos feitos de dentes de urso, alce e castor, havia fragmentos sulcados de osso humano, incluindo pelo menos dois pingentes feitos do mesmo fêmur humano.

Uma descoberta surpreendente

Esses pedaços de osso foram encontrados em um local chamado Yuzhniy Ostrov Oleny (Sul da Ilha dos Cervos, na tradução livre), um cemitério com 177 sepultamento de cerca de 6200 a.C. na região da Carélia, na Rússia. As pessoas ali eram caçadores-pescadores-coletores, disse Mannermaa, com uma dieta centrada principalmente em peixes. Enquanto alguns foram enterrados sem adornos, outros foram encontrados com muitos ornamentos de dentes e ossos, alguns dos quais parecem ter sido costurados nas bainhas de mantos ou casacos há muito deteriorados ou usados ​​para fazer o barulho de chocalhos.

Como parte de um grande projeto que buscava entender como essas pessoas da Idade da Pedra interagiam com os animais, Mannermaa e sua equipe analisaram alguns desses ornamentos com um método que analisa as diferenças moleculares no colágeno ósseo entre as espécies.

Dos 37 pingentes feitos de fragmentos de ossos de 6 sepulturas diferentes, 12 eram humanos, mostrou a análise. (Outros dois retornaram resultados indicando que eles também podem ser humanos, mas as descobertas eram incertas.) Essas dúzias de pingentes vieram de três sepulturas diferentes: duas contendo homens adultos sozinhos e um de um homem adulto enterrado com uma criança. Pode haver outros pingentes de ossos humanos no cemitério, disse Mannermaa, mas esses artefatos ainda estão sendo analisados.

Esses dois pingentes são feitos do mesmo fêmur humano.(Créditos: Anna Malyutina/Museu de Antropologia e Etnografia Pedro, O Grande (Kunstkamera))

Usando ossos humanos

Curiosamente, os ossos não pareciam ser tratados de forma diferente de outros materiais pelas pessoas que os transformaram em decorações. Eles foram esculpidos com bastante rapidez, disse Mannermaa, com sulcos simples entalhados em suas extremidades, onde um cordão poderia ser enrolado. Eles também eram semelhantes em tamanho e forma aos dentes de animais encontrados nas proximidades, talvez indicando que eles foram usados ​​​​como substitutos para dentes de animais perdidos na bainha de uma roupa, Mannermaa e sua equipe relataram na edição de junho da revista o Journal of Archaeological Science: Reports. Padrões de desgaste nos ornamentos sugerem que eles foram usados ​​por seus donos antes de serem enterrados com eles.

“Dá a impressão de que quando um humano ou animal morreu, eles não viram tanta diferença no corpo e nas partes”, disse Mannermaa.

Essa aparente intercambialidade não significa que as pessoas viam o osso humano como algo sem sentido, disse Amy Gray Jones, professora sênior de arqueologia da Universidade de Chester, no Reino Unido, que não esteve envolvida no estudo. Pingentes e ferramentas de ossos de animais da Idade da Pedra na Europa são frequentemente tratados com cuidado e descartados de maneiras específicas após serem usados, disse Gray Jones à Live Science. Ao contrário de hoje, quando o osso animal é amplamente desvalorizado na cultura ocidental, os antigos europeus podem ter infundido tanto o osso animal quanto o humano com grande simbolismo.

“Isso não significa necessariamente que o osso humano e o pingente sejam apenas outro material, mas que talvez também tenha uma importância ou um significado como o osso do animal”, disse Gray Jones.

O registro arqueológico é escasso, no entanto. Este é o primeiro uso desse tipo de osso humano do nordeste da Europa, disse Mannermaa, embora pingentes de dentes humanos de cerca de 6000 a.C. foram encontrados em um local chamado Vedbaek Henriksholm Bøgebakken na Dinamarca. Em 2020, algumas pontas de flecha de osso humano foram descobertas na Holanda. Há também alguns outros exemplos dispersos de ossos humanos esculpidos de toda a Idade da Pedra na Europa, incluindo um osso do braço da Sérvia com entalhes feitos nele.

“Provavelmente estamos tendo apenas um vislumbre parcial do uso do osso humano”, disse Gray Jones. O método de análise de moléculas de colágeno usado no estudo atual é relativamente novo, e é provável que mais fragmentos ósseos já descobertos sejam identificados como humanos se forem testados, disse ela.

Mannermaa e sua equipe estão agora estudando os pingentes de ossos de animais encontrados em Yuzhniy Ostrov Oleny para confirmar que eles foram, de fato, trabalhados de maneira semelhante ao osso humano. Seria interessante, disse ela, tentar extrair o DNA dos pingentes para ver se as pessoas de onde veio o osso estavam relacionadas com as pessoas que foram enterradas com os pingentes. Mas esses estudos exigem a destruição de grandes quantidades de osso, disse ela, então não é provável que os pesquisadores continuem essa pesquisa neste momento.