Enquanto o mundo se concentra no coronavírus, outra devastadora ameaça à saúde está surgindo

0
555
Micrografia de um Staphylococcus aureus resistente à meticilina (MRSA). Créditos: Callista Images / Cultura / Getty Images.

Por Thor Benson
Publicado no Business Insider

Enquanto o mundo luta para acabar com a pandemia de COVID-19, os especialistas dizem que já estamos lidando com outra ameaça global de doenças infecciosas.

Bactérias resistentes a antibióticos não recebem tanta atenção quanto a COVID-19, já que as doenças que elas causam se espalham de forma lenta e contínua, em vez de tomar o mundo como uma tempestade em um curto período de tempo.

Mas as bactérias podem se tornar uma ameaça do nível da COVID-19, dizem os especialistas. E isso acontecerá em marcha lenta.

De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA, quase 3 milhões de americanos por ano contraem uma infecção bacteriana resistente a antibióticos. Destes, cerca de 35.000 morrem.

Globalmente, cerca de 700.000 pessoas morrem dessas infecções a cada ano. A Organização Mundial da Saúde projeta que, nas taxas atuais, cerca de 10 milhões de pessoas podem morrer de infecções resistentes a antibióticos anualmente até 2050.

Por causa da prescrição excessiva de antibióticos, do uso excessivo deles na pecuária e de outros fatores, muitos tipos diferentes de infecções bacterianas, incluindo cepas de gonorreia, tuberculose e salmonela, tornaram-se extremamente difíceis, às vezes até impossíveis, de tratar. Isso porque a pequena porção de bactérias que sobrevivem a esses antibióticos evoluem e se reproduzem, desenvolvendo resistência. Em todo o mundo, 230.000 pessoas morrem a cada ano apenas de tuberculose resistente a antibióticos.

“É cada vez mais provável que essas infecções bacterianas sejam muito difíceis de tratar, se não forem intratáveis, e infecções bacterianas intratáveis ​​são ruins. Infecções bacterianas intratáveis ​​causam muitos danos”, disse Sarah Fortune, professora de imunologia e doenças infecciosas da Universidade de Harvard (EUA), ao Insider. “Elas matam pessoas”.

Steffanie Strathdee, professora de medicina da Universidade da Califórnia (EUA) em San Diego, disse à Insider que não estamos falando sobre a ameaça o suficiente.

“Ao contrário da COVID-19, que apareceu de repente e explodiu em cena, a crise das superbactérias está fervendo”, disse Strahdee. “Já é uma pandemia. Já é uma crise global e está piorando com a COVID-19”.

Tom Frieden, o ex-diretor dos CDCs e CEO da Resolve to Save Lives, disse à Insider que o governo dos EUA precisa de uma abordagem mais agressiva e multifacetada para combater o que ele chama de “bactérias vindas de um pesadelo”. Ele acrescentou que a comunidade médica deve se concentrar em como as doenças infecciosas se espalham pelos hospitais

“Não tenho absolutamente nenhuma dúvida de que em 20 ou 40 anos, olharemos para trás para ver como foi tratada a saúde em 2020 e balançaremos nossas cabeças pensando sobre como eles puderam ter deixado tantas infecções se espalharem nas instalações de saúde”, disse Frieden.

“Não estamos nem perto de onde precisamos estar em termos de prevenção e controle de infecções”.

Um teste de antibiótico. Créditos: Brian Snyder / Reuters.

Um sistema de saúde pública “disfuncional” torna o problema difícil de resolver

Muita da atenção e dos recursos que seriam dedicados à ameaça das bactérias são atualmente direcionados para tentar derrotar a COVID-19, disse Strathdee. Nesse sentido, a pandemia de coronavírus pode, perversamente, estar piorando o problema das bactérias resistentes aos antibióticos.

Em julho, a OMS pediu um uso mais cuidadoso de antibióticos entre os pacientes com COVID-19 para ajudar a conter a ameaça de resistência aos antibióticos. Uma revisão de maio descobriu que entre cerca de 2.000 pacientes hospitalizados com COVID-19 em todo o mundo, 72% receberam antibióticos, embora apenas 8% tivessem infecções bacterianas ou fúngicas documentadas.

À medida que as bactérias se tornam mais resistentes aos antibióticos, aumenta o risco de consequências catastróficas. E. coli, por exemplo, causa milhões de infecções do trato urinário todos os anos.

Se uma cepa extremamente resistente a antibióticos se desenvolver, pode se espalhar e matar “incontáveis ​​mulheres jovens”, de acordo com Lance Price, diretor fundador do Centro de Ação contra a Resistência a Antibióticos da Universidade George Washington.

“Elas poderiam ir ao médico achando se tratar de uma infecção de bexiga rotineira e acabarem mortas por infecções da corrente sanguínea, já que os médicos tentariam e não conseguiriam tratar suas infecções à medida que ela vai da bexiga para os rins e depois para o sangue”, disse Price.

A pandemia da COVID-19, acrescentou Price, expôs como nosso “disfuncional” sistema de saúde pública “nos deixou vulneráveis ​​a bactérias resistentes a antibióticos de propagação lenta”.

“Os Estados Unidos não estão preparados para lidar com pandemias bacterianas, conforme comprovado por nossa incapacidade de lidar com muitas epidemias e pandemias simultâneas e contínuas de bactérias multirresistentes que estão circulando atualmente”, disse Price.

Fortune disse ao Insider que as bactérias vão ganhar resistência a novos antibióticos com o tempo, então teremos que ser cuidadosos sobre como os usamos e continuar desenvolvendo novos medicamentos para enfrentar o problema.

Mas já se passaram décadas desde que uma nova classe de antibióticos foi desenvolvida. Empresas como Achaogen e Aradigm, que se concentraram na criação de novos antibióticos, fecharam nos últimos anos. E gigantes farmacêuticos como Novartis e Allergan abandonaram totalmente o esforço.

Os fabricantes de medicamentos, disse a Fortune, não veem tanto lucro no desenvolvimento de novos antibióticos quanto veem com outros medicamentos. Muitos investiram no desenvolvimento de um novo antibiótico e fracassaram, disse ela, e eles podem ganhar mais dinheiro desenvolvendo medicamentos que as pessoas tomam regularmente, em vez de apenas quando têm uma infecção.

As empresas também não podem cobrar tanto por antibióticos quanto por outros medicamentos que eles atualmente desenvolvem, e a vida útil de um antibiótico é relativamente curta, disse Fortune. Portanto, se vamos obter novos antibióticos, precisamos encontrar maneiras de fazer com que as empresas priorizem sua criação.

O Reino Unido está trabalhando para criar esses incentivos.

O país está investindo US$ 60 milhões no desenvolvimento de antibióticos por meio de um fundo de inovação, e seu Serviço Nacional de Saúde (NHS) desenvolveu um acordo de financiamento destinado a estimular as empresas farmacêuticas a fabricar novos antibióticos. De acordo com esse plano, a NHS pagaria antecipadamente as empresas pelo acesso aos antibióticos, em vez de pagar por eles com base na quantidade de comprimidos que vendem.

Combatendo bactérias com mais vírus

Além do desenvolvimento de novos antibióticos, um tipo de vírus pode ser a solução.

Uma categoria de vírus chamada bacteriófagos atinge e mata naturalmente tipos específicos de bactérias. Se você conseguir encontrar um bacteriófago específico que mata a bactéria com a qual uma pessoa está infectada, poderá usá-lo para tratar a infecção.

Strathdee tem experiência pessoal com esse tipo de tratamento. Seu marido foi infectado por uma superbactéria em 2015 e, quando os antibióticos não funcionavam, Strathdee deu atenção para pessoas que estudavam bacteriófagos e superbactérias.

Examinando esgotos e os resíduos de currais, onde os bacteriófagos são abundantes, e os bacteriófagos que eles já haviam isolado, os pesquisadores encontraram o bacteriófago que combinava com a bactéria que infectou Strathdee. Eles injetaram bilhões de bacteriófagos com um coquetel e ele teve uma recuperação completa.

“Não sou apenas um epidemiologista de doenças infecciosas, mas a vida de minha própria família virou de cabeça para baixo e nunca mais foi a mesma por conta de uma superbactéria. E se isso me pegou desprevenido, vai pegar todos desprevenidos, porque a pessoa média não sabe o quão grande é esse problema”, disse Strathdee.

O centro que ela cofundou, IPATH, está agora se preparando para iniciar o primeiro ensaio clínico de uma terapia bacteriofágica financiada pelos Institutos Nacionais da Saúde dos EUA.

“O que precisamos é de uma biblioteca gigante de bacteriófagos que seja de código aberto, que possa ser usada para relacionar os bacteriófagos com uma infecção bacteriana específica e usada com antibióticos para curar esses superbactérias”, disse Strathdee.

Os especialistas também enfatizam que os Estados Unidos precisam monitorar melhor a disseminação de superbactérias, desenvolver antibióticos, pesquisar por terapias bacteriofágicas, usar os antibióticos existentes com mais cuidado e investir muito mais para lidar com esse problema antes que se torne uma crise maior.

Abordar a questão também requer cooperação internacional, disse Frieden.

“O resultado final é que precisamos de uma resposta pluripotente”, disse Frieden. “Isso significa financiamento sustentável para organizações de saúde relacionadas ao governo dos EUA, incluindo os CDCs. Isso significa total apoio para a Organização Mundial da Saúde, tanto em termos de financiamento quanto de responsabilidade, e isso significa uma abordagem melhor e mais forte para identificar e corrigir as lacunas que estão em prontidão em todo o mundo”.