Escopolamina: droga conhecida como “sopro do diabo”

3
2559
Árvore "borrachero", de onde pode ser extraída a escopolamina. Créditos da Imagem: Getty Images.

A farmacologia colinérgica trata dos fármacos que agem simulando, potencializando ou bloqueando direta ou indiretamente os efeitos da acetilcolina (Ach), principalmente, no sistema nervoso parassimpático. Para saber mais sobre o sistema nervoso parassimpático e suas aplicações, visite O que o veneno “chumbinho” tem a ver com as armas químicas utilizadas no Oriente?A escopolamina é uma antagonista direta dos receptores muscarínicos e é usada como antiemético, adjuvante de medicamentos para conforto de paciente terminal, controle de secreções, sedação e tratamento de cinetose. Sua via mais comum é a transdérmica, mas pode ser usada por via intravenosa (GOLAN et al., 2014).

Entretanto, ultimamente, além do uso convencional, há pesquisas sendo feitas acerca da utilização da escopolamina como fins de anti-depressivo. Um artigo publicado na AMA Archives of General Psychiatry relatou que, em um estudo-piloto, a administração de hidrobrometo de escopolamina gerou rápidas reduções na severidade da depressão se comparada com placebos. Depois, em um ensaio clínico, que foi a base principal do trabalho, concluiu-se fortes respostas anti-depressivas em pacientes com a patologia e que tinham predominante prognósticos ruins (FUREY & DREVETS, 2006). O estudo foi, então, replicado e, novamente, observou-se os mesmos resultados, que foram reportados, dessa vez, no Biological Psichyatry. (DREVETS & FUREY, 2010).

Além dos fatores supracitados, sabe-se que a acetilcolina desempenha um papel essencial nos processos de aprendizagem e memória, então, um trabalho de 1999 buscou demonstrar efeitos da droga no condicionamento Pavloviano do medo em ratos. Descobriu-se, dentre muitos outros fatores, então, que esse medicamento pode ser indutor da amnésia retrógrada (ANAGNOSTARAS, 1999). Tais efeitos na memória também são bem conhecidos atualmente (ex: ACOSTA et al., 2009).

Ainda, é conhecido que a escopolamina possa ocasionar efeitos alucinógenos, assim como, além do que já foi citado, insônica, palpitação, irritabilidade, falta de habilidade na concentração e rubor (JALALI et al., 2014).

Partindo de todos esses conhecimentos, é de relevância finalizar o texto noticiando acontecimentos criminosos recentes que envolvem o uso da escopolamina. A droga é apelidada de “sopro do diabo” e é usada para uma intensa sedação. Em uma reportagem publicada no DailyMail, um traficante relata o seu uso para o crime; segundo ele, a droga “transforma as pessoas em completos zumbis e bloqueia a formação de memórias. Assim, depois que o efeito da droga passa, as vítimas não têm noção do que aconteceu”. Dessa maneira, é possível que o criminoso faça o que quiser com algum indivíduo. No mesmo texto, é citado que, de acordo com a Revista Britânica de Farmacologia Clínica, a droga causa os mesmos efeitos de perda de memória que o diazepam e que a CIA costumava utilizá-la como parte de interrogatórios na Guerra Fria. Na Colômbia, a droga pode facilmente ser obtida por meio da planta “borrachero” (STEBNER, 2012).

Referências

  1. GOLAN, D. E. et al. Princípiosde farmacologia: a base fisiopatológica da farmacoterapia. 3. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2014.
  2. FUREY, M. L. & DREVETS, W. C.. Antidepressant Efficacy of the Antimuscarinic Drug Scopolamine: A Randomized, Placebo-Controlled Clinical Trial. Arch Gen Psychiatry, 63 (10), pp. 1121-1129, out. 2006
  3. DREVETS W.C. & FUREY, M. L. Replication of scopolamine’s antidepressant efficacy in major depressive disorder: a randomized, placebo-controlled clinical trial. Biol Psychiatry, 67 (5), pp. 432-8, jan. 2010. DOI: 10.1016/j.biopsych.2009.11.021
  4. ANAGNOSTARAS S. G. et al.. Scopolamine and Pavlovian Fear Conditioning in Rats: Dose-Effect Analysis. Neuropsychopharmachology, 21, pp. 731-744, 1999. DOI: 10.1016/S0893-133X(99)00083-4
  5. ACOSTA J. L. et al.. Premarin improves memory, prevents scopolamine-induced amnesia and increases number of basal forebrain choline acetyltransferase positive cells in middle-aged surgically menopausal rats. Horm Behav, 55(3), pp. 454-464, dec. 2008. DOI: 10.1016/j.yhbeh.2008.11.008
  6. JALALI F. et al.. Smoking crushed hyoscine/scopolamine tablets as drug abuse. Subs Use Misuse, 49 (7), pp. 793-7, fev. 2014. DOI: 10.3109/10826084.2014.880178
  7. STEBNER, J. The most dangerous drug in the world: ‘Devil’s Breath’ chemical from Colombia can block free will, wipe memory and even kill. 2012. Disponível em: . Acesso em 05 jul. 2017.
CONTINUAR LENDO
Artigo anteriorPor que os Vikings da Groenlândia desapareceram?
Próximo artigoNão, o Facebook não se apavorou e desativou IA que estava ficando perigosamente inteligente
Josikwylkson Costa Brito
Olá, meu nome é Josikwylkson Costa Brito (não, meu pai não deu uma cabeçada no teclado), mais conhecido como o Príncipe do Cosmos Nordestino, e nasci na cidade de Campina Grande, na Paraíba, onde moro atualmente. Tenho 18 anos atualmente, estou no segundo ano do curso de medicina e publico textos de cunho científico ou filosófico para o presente site, porém, em virtude dos estudos, não estou a fazê-lo com muita frequência. De todas as minhas publicações, gosto de publicar no âmbito de minha área (saúde), mas também arrisco em postar textos que contradigam o senso comum e que criticam as pseudociências, o que me faz ser esquartejado por muitos irracionalistas (que, inclusive, andam vagando por essa página). As críticas que mais recebo desses senhores são as de que não tenho autoridade o suficiente para falar de determinado assunto (mesmo que eu poste artigos científicos advindos de sites e/ou universidades de confiança). Então, em razão dos 'amigáveis' seguidores que se travestem de conhecedores de argumentação lógica e que rejeitam qualquer postagem minha por tal status, por favor, finjam que eu sou uma pessoa com 40 anos doutor em filosofia, cosmologia, biologia e medicina.