Esfera de Dyson foi descartada como explicação para estranho escurecimento da “estrela de Tabby”

0
685
Esta ilustração artística representa um hipotético anel de poeira orbitando Tabby's Star, mais conhecido como KIC 846. Crédito: NASA / JPL-Caltech

Por Mike Wall
Publicado na Scientific American

Astrônomos concluíram que poeira pode ser a causa da diminuição do brilho da estrela de Tabby. O novo estudo descartou a possibilidade de uma esfera de Dyson ou uma megaestrutura alienígena.

“A poeira é provavelmente a razão pela qual a luz da estrela parece escurecer e iluminar”, disse o líder do estudo, Tabetha Boyajian, astrônoma da Louisiana State University, em um comunicado. “Os novos dados mostram que diferentes cores de luz estão sendo bloqueadas em diferentes intensidades. Portanto, tudo o que está passando entre nós e a estrela não é opaco, como seria de esperar de um planeta ou uma megaestrutura alienígena.”

A estrela de Tabby, mais formalmente conhecida como KIC 8462852, fica a cerca de 1.500 anos-luz da Terra e é um pouco maior e mais quente que o Sol. A estrela já esteve nas notícias desde 2015, quando uma equipe liderada por Boyajian (daí o apelido da estrela) informou que o brilho da estrela diminuiu dramaticamente nos últimos cinco anos, chegando a diminuir enormes 22%.

Observações subsequentes aumentaram o mistério. Por exemplo, um grupo de pesquisa diferente descobriu que a estrela de Tabby também havia diminuído seu brilho em aproximadamente 20 por cento de 1890 a 1989.

Nos últimos dois anos, os astrônomos tentaram descobrir o que exatamente está acontecendo com a estrela de Tabby. Uma série de explicações em potencial foram lançadas, desde órbita de fragmentos de um cometa, uma enorme nuvem de poeira entre a Terra e a KIC 8462852, até estruturas de coleta de energia construídas por uma civilização alienígena avançada.

Os pesquisadores sempre enfatizaram que esta última possibilidade era bastante remota. E agora parece que podemos descartá-la completamente.

Para o novo estudo, Boyajian e sua equipe observaram a KIC 8462852 de março de 2016 a dezembro de 2017, usando múltiplos telescópios terrestres administrados pelo Observatório de Las Cumbres. Eles detectaram e analisaram quatro eventos de atenuação separados, que ocorreram no verão de 2017.

Os novos resultados são consistentes com os de outro grupo de pesquisa, que no final do ano passado concluiu que a estrela de Tabby provavelmente é orbitada por uma nuvem de poeira que completará uma volta a cada 700 dias terrestres.

Boyajian e sua equipe financiaram as novas observações através de uma campanha do Kickstarter, que elevou mais de U$ 107.000,00. Isso é apropriado, pois cientistas cidadãos ajudaram Boyajian a reconhecer a estranheza da estrela de Tabby. Seu artigo de 2015 foi uma colaboração com voluntários do grupo online Planet Hunters, que examinam os dados coletados pelo telescópio espacial Kepler da NASA, procurando mundos alienígenas. (Kepler detecta os pequenos eventos de atenuação causados ​​quando os planetas em órbita atravessam o rosto da estrela da perspectiva da nave espacial. Os mergulhos de brilho maciços da KIC 8462852 se destacaram no conjunto de dados Kepler como algo muito diferente.)

“Estou tão agradecido com todas as pessoas que contribuíram para isso no ano passado – cientistas cidadãos e astrônomos profissionais”, disse Boyajian. “É bastante humilde ter todas essas pessoas contribuindo de várias maneiras para ajudar a descobrir isso”.

Ainda há trabalho a fazer, no entanto: A poeira pode ser a principal explicação para o comportamento estranho da KIC 8462852, mas não é a única possibilidade.

“Esta última pesquisa exclui as megaestruturas alienígenas, mas aumenta a probabilidade de outros fenômenos estarem por trás do escurecimento”, disse o escritor coautor Jason Wright, um astrônomo da Universidade Estadual da Pensilvânia, na mesma declaração.

“Existem modelos envolvendo material circunstelar – como exocometas, que foi a hipótese original da equipe de Boyajian – que parecem ser consistentes com os dados que temos”, disse Wright. Mas, acrescentou ele, “alguns astrônomos favorecem a ideia de que nada está bloqueando a estrela – que ela apenas fica mais fraca por conta própria – e isso também é consistente com os dados deste verão”.

O novo estudo foi publicado online hoje (03 de janeiro) no Astrophysical Journal Letters.

CONTINUAR LENDO
Compartilhar
Artigo anteriorA mentira no Reino Animal
Próximo artigoMilton Friedman e a metodologia da economia (positiva)
Felipe Sérvulo
Graduado em Física pela UEPB. Mestre em física com ênfase em Cosmologia pela UFCG. Possui experiência na área de divulgação científica com ênfase em astronomia, astrofísica, etnoastronomia, astrobiologia, cosmologia, biologia evolutiva e história da ciência. Possui experiência na área de docência informática, física, química e matemática, com ênfase em desenvolvimento de websites e design gráfico. Artista plástico. Fundador do Projeto Mistérios do Universo, colaborador, editor, tradutor e colaborador da Sociedade Científica e do Universo Racionalista. Membro da Associação Paraibana de Astronomia. Pai, nerd, geek, colecionador, aficionado pela arte, pela astronomia e pelo Universo. Curriculum Lattes: http://lattes.cnpq.br/8938378819014229