Espada das Cruzadas de 900 anos é encontrada coberta por cracas na costa de Israel

0
78
A espada encontrada no fundo do mar. Crédito: Shlomi Katzin.

Por Brandon Specktor
Publicado na Live Science

Peixes nadando na costa do Monte Carmelo, no oeste de Israel, podem ter ficado alarmados no sábado passado ao ver um mergulhador saindo da água com uma grande espada incrustada de cracas na mão.

O mergulhador – um aquarista chamado Shlomi Katzin – acabou por descobrir um tesouro de artefatos de 900 anos no leito do Mar Mediterrâneo, aparentemente datando do período sangrento dos cruzados na região, disse a Autoridade de Antiguidades de Israel (AAI) em um comunicado.

A espada, que foi “incrustada com organismos marinhos”, acredita-se ser feita de ferro e mede aproximadamente 1 metro de comprimento, com um cabo medindo mais 30 centímetros de comprimento, de acordo com a AAI.

A espada, como o mergulhador Katzin a encontrou. Crédito: Shlomi Katzin.

“A espada, que foi preservada em perfeitas condições, é um achado lindo e raro e, evidentemente, pertencia a um cavaleiro cruzado”, disse Nir Distelfeld, inspetor da Unidade de Prevenção de Roubos da Autoridade de Antiguidades de Israel, no comunicado.

“É emocionante encontrar um objeto tão pessoal, levando você 900 anos de volta no tempo para uma era diferente, com cavaleiros, armaduras e espadas”.

A lâmina incrustada de cracas. Crédito: Shlomi Katzin.

Perto do local onde a espada foi descoberta, Katzin também encontrou uma variedade de pedras e âncoras de metal, bem como fragmentos de cerâmica.

Achados arqueológicos anteriores na área sugerem que a enseada era usada como um ancoradouro natural para navios em busca de abrigo e está em uso desde a Idade do Bronze tardia, pelo menos 4.000 anos atrás, de acordo com a AAI.

Enquanto muitos artefatos vão parar no fundo do mar, o movimento constante de água e areia em todo o Mediterrâneo significa que descobertas como essas acabam sendo fruto da sorte.

“Mesmo a menor tempestade move a areia e revela áreas no fundo do mar, enquanto enterra outras”, disse Kobi Sharvit, diretor da Unidade de Arqueologia Marinha da AAI.

“Portanto, é de vital importância relatar tais descobertas e sempre tentamos documentá-las in situ, a fim de recuperar o máximo de dados arqueológicos possível”.

Nir Distelfeld com a espada. Créditos: Anastasia Shapiro / Autoridade de Antiguidades de Israel.

Katzin recebeu um certificado por chamar a atenção da AAI para a descoberta (e por não adicionar a lâmina medieval à sua estante de troféus pessoal). A espada será exibida ao público após um estudo completo, disse a AAI.

As Cruzadas duraram aproximadamente de 1095 a 1291. Durante esse tempo, muitos cavaleiros europeus viajaram para a Terra Santa em uma missão sancionada pela igreja para recuperar a área dos governantes muçulmanos. Achados arqueológicos incríveis do período são regularmente descobertos em todo o Oriente Médio.