Espere… Talvez os hippies não estivessem certos

Uma proposta recente sobre a consciência é fascinante - mas não é ciência.

0
339

Recentemente, um texto de Tam Hunt foi publicado na Scientific American, que provocativamente declarou que os hippies estavam certos e que tudo se trata de vibrações.

A alegação de Hunt é que a consciência emerge dos efeitos ressonantes encontrados na natureza em uma ampla gama de escalas. Isso é uma reminiscência de argumentos que foram feitos desde o desenvolvimento da ciência da termodinâmica há mais de duzentos anos. Em resumo, características intrigantes e surpreendentes de sistemas complexos foram descobertas e rigorosamente definidas com termos tão tentadores como “emergência”, “ressonância” e “auto-organização”.

Esses tipos de características do mundo natural são tão surpreendentes – até mesmo estranhas – que inspiraram uma especulação selvagem quanto a suas possíveis implicações. Existem conexões profundas entre esses fenômenos e os aspectos mais misteriosos de nossa existência, como vida, consciência e inteligência? Poderiam até nos fornecer insights sobre possíveis respostas a questões expansivas fundamentais, como por que há algo em vez de nada?

Especular sobre tais mistérios é um passatempo compreensível. Diversos pensadores, de físicos a filósofos, psicólogos e teólogos, escreveram vários tratados tentando esclarecer as possíveis respostas a essas questões profundas. Ao longo do caminho, ideias inspiradas por resultados científicos tiveram graus variados de sucesso. Conceitos como magnetismo animal, vitalismo, sincronicidade e misticismo quântico tiveram seu dia ao Sol apenas para acabar sendo desmascarados ou rejeitados por céticos e cientistas que, ou apontaram a falta de dados empíricos apoiando as alegações ou mostraram que as ideias eram incompatíveis com o que descobrimos sobre o mundo natural.

À luz dessa história, li a obra de Hunt e o artigo que ele publicou no Journal of Consciousness Studies (revista acadêmica). Hunt oferece uma releitura do pampsiquismo, uma ideia com uma história interessante, mas em grande parte sem provas a favor ou contra. Embora as descrições de fenômenos naturais de Hunt pareçam amplamente corretas, o que eu não vi foi qualquer conexão convincente desses fenômenos a uma estrutura científica testável para explicar a existência da consciência.

Em vez disso, acho que sua apresentação é mais ou menos uma lista de conceitos que ele acredita serem consistentes com o pampsiquismo. Mas por que essa ideia deveria ser uma proposta mais razoável do que qualquer outra? Existe uma maneira de mostrar que a ideia de Hunt é correta e, por exemplo, a ideia de que a consciência é uma ilusão está incorreta?

Historicamente, a Scientific American tem se dedicado a reportar investigações metodologicamente cuidadosas, mas em áreas onde os mistérios permanecem eu posso entender que especulações um pouco mais fantasiosas podem ser permitidas. No entanto, é importante que ideias novas sejam apresentadas de uma forma que as submeta à crítica. Na minha aula “A Vida no Universo” no LaGuardia Community College, os alunos e eu gastamos tempo avaliando as afirmações feitas sobre a realidade de acordo com as heurísticas ásperas que Carl Sagan delineou em seu livro, O Mundo Assombrado Pelos Demônios: A Ciência Vista Como Uma Vela No Escuro. Neste trabalho, Sagan propõe que todos nós mantenhamos um “kit de detecção de mentiras” com ferramentas destinadas a nos ajudar a avaliar se as alegações estão corretas ou incorretas. Uma das coisas que Sagan nos pede para considerar é se o que está sendo apresentado é uma hipótese falsificável.

Pelos meus cálculos, a proposta de Hunt falha, minimamente, neste teste. De fato, em seu artigo Hunt parece até reconhecer isso: “… não há prova possível em relação à minha estrutura proposta. Mas ‘a ciência examina, não prova’ (Bateson, 1980). Devemos, cada um de nós, proceder à evidência, inferência e estética disponíveis.”

De fato, é verdade que nunca há “prova” na ciência, no sentido de que pode haver na lógica formal ou matemática; porém, crucialmente, há refutação. Eu afirmo que a ideia de Hunt em sua formulação expansiva não fornece nenhum meio para descobrirmos que ela está incorreta. É, ao contrário, um exemplo de um ipse-dixitism, uma afirmação que é apresentada como evidentemente verdadeira e não falsificável, e, por causa disso, passa de uma afirmação científica para uma informação qualquer.

Evitando previsões demonstráveis e mensuráveis, Hunt tem uma ideia que não pode ser avaliada em termos científicos. Isso tem o efeito de evitar o risco de que possa estar sujeito aos tipos de críticas que foram levantadas contra outras especulações tensas sobre a consciência. Por exemplo, Roger Penrose e Stuart Hammeroff propuseram que a consciência surge dos efeitos de coerência da mecânica quântica em neurônios, uma alegação de que, pelo menos em sua formação mais simples, Max Tegmark mostrou que foi falsificado pela decoerência quântica que ocorreria no ambiente de alta temperatura do cérebro.

Como proposta científica, pelo menos a ideia de Penrose e Hammeroff tem o louvável atributo de ser falseável em princípio. Em contraste, a proposta de Hunt é simplesmente infalsificável. Pode ser uma descrição atraente para alguns, mas não fornece nenhum meio para avaliarmos se é verdade.

Joshua Tan é professor assistente de física e astronomia no LaGuardia Community College, na cidade de Long Island.

CONTINUAR LENDO