Este ancestral humano extinto evoluiu para lidar com as mudanças climáticas, mas não sobreviveu

0
386
O crânio do DNH 155. Créditos: Jesse Martin / David Strait.

Por Peter Dockrill
Publicado na ScienceAlert

A descoberta de um crânio de 2 milhões de anos em uma caverna sul-africana está mudando o que pensamos saber sobre um dos ancestrais primitivos da humanidade, relatam cientistas em um novo estudo.

Mas o espécime fóssil recém-desenterrado da extinta espécie humana Paranthropus robustus também está fornecendo aos pesquisadores uma perspectiva única sobre as transformações que as mudanças climáticas podem desencadear em uma população que vive sob estresse ambiental – estimulando adaptações que podem tornar a vida mais fácil e mais provável a sobrevivência.

P. robustus, assim chamado por causa de sua aparência robusta por conta do crânio, mandíbula e dentes grandes e largos, surgiu cerca de 2 milhões de anos atrás na África do Sul e eventualmente se tornou uma das primeiras espécies de hominídeos descobertas e estudadas por antropólogos em meados do século 20.

Parece, porém, que nem todos os indivíduos da espécie P. robustus eram igualmente robustos, e sabemos disso graças ao espécime recém-descoberto, identificado como DNH 155.

O crânio reconstruído do DNH 155. Créditos: Jesse Martin / David Strait.

DNH 155, descoberto em 2018 por um estudante em uma expedição de campo no sistema de cavernas Drimolen a noroeste de Joanesburgo, parece ser um pouco diferente de seus parentes P. robustus, pelo menos com base na evidência fóssil descoberta até agora.

DNH 155, um macho, é significativamente menor do que outros espécimes de P. robustus tidos como machos, que foram recuperados de um local próximo chamado Swartkrans. Na verdade, a estatura menor do DNH 155 se assemelha mais a um indivíduo fêmea, conhecido como DNH 7, também encontrado na pedreira de Drimolen.

Mas há mais do que uma geografia que divide essas duas populações antigas. Há também a questão do tempo: cerca de 200.000 anos, mais ou menos.

“Drimolen é mais antigo que Swartkrans em cerca de 200.000 anos, então acreditamos que o P. robustus evoluiu ao longo do tempo, com Drimolen representando uma população inicial e Swartkrans representando uma população posterior, mais deriva anatomicamente”, explica o coautor e candidato a PhD em paleociência Jesse Martin de Universidade La Trobe na Austrália.

Em seu novo estudo, Martin e sua equipe afirmam que o DNH 155 e o DNH 7 fornecem um vislumbre de um estado primitivo de P. robustus antes que as mudanças microevolutivas ao longo dos próximos 200 milênios encorajassem as adaptações vistas no conjunto de Swartkrans.

Um dos principais fatores que poderiam ter ocasionado tal evento, pensam os pesquisadores, foi um episódio de mudança climática que afetou a paisagem sul-africana há cerca de 2 milhões de anos, no qual o ambiente se tornou mais aberto, seco e frio.

Essas mudanças teriam deixado sua marca em muitas coisas, incluindo os tipos de alimentos que estavam disponíveis para O P. robustus, necessitando de uma mordida e uma mastigação mais forte para uma vegetação mais resistente – alimentos que não teriam sido tão fáceis para DNH 155 e DNH 7 mascar e mastigar, dada a disposição de seus dentes e músculos da mastigação.

“Quando comparado a espécimes geologicamente mais jovens do local próximo de Swartkrans, o crânio de Drimolen mostra muito claramente que não estava bem adaptado para comer esses itens desafiadores do menu”, disse o antropólogo evolucionário Gary Schwartz, da Universidade do Estado do Arizona (EUA).

Apesar das adaptações bem-sucedidas que mudaram lentamente o corpo do P. robustus ao longo de cerca de 200.000 anos, infelizmente elas não foram suficientes. A espécie acabou morrendo. Mais ou menos na mesma época, nosso ancestral direto, o Homo erectus, também estava surgindo na mesma parte do mundo.

“Essas duas espécies muito diferentes, H. erectus com seus cérebros relativamente grandes e dentes pequenos, e P. robustus com seus dentes relativamente grandes e cérebros pequenos, representam experimentos evolutivos divergentes”, diz a coautora e arqueóloga Angeline Leece, da Universidade La Trobe.

“Embora fôssemos a linhagem que venceu no final, o registro fóssil sugere que o P. robustus era muito mais comum do que o H. erectus na paisagem há 2 milhões de anos”.

Os resultados são relatados na Nature Ecology & Evolution.