Este corajoso cientista oferece a si mesmo como alimento para mosquitos infectados em nome da ciência

0
159
Ross e seu braço coberto de mosquitos e picadas. Créditos: Perran Ross / Twitter.

Por Jacinta Bowler
Publicado na ScienceAlert

Tudo começou com um braço coberto de mosquitos.

Mas não é a história do seu amigo azarado em um churrasco no verão. O braço de Perran Ross foi o almoço de um enxame de mosquitos infectados com uma bactéria chamada Wolbachia –  parte de uma estratégia abrangente e ambiciosa para livrar o mundo de dengue.

Quem já teve dengue provavelmente não vai esquecer. O vírus da dengue passa entre humanos por meio de mosquitos, e os infectados sofrem dores de cabeça, vômitos, dores musculares, erupções cutâneas e uma febre alta característica e que não passa por dias.

Uma parte menor dos casos de dengue desenvolve febre hemorrágica ou síndrome do choque – causando sangramento sob a pele e vômitos intensos. O número de infecções está aumentando ano a ano, e em 2019 a Organização Mundial da Saúde (OMS) registrou 4,2 milhões de casos, embora, felizmente, relativamente poucas mortes.

Em certos lugares como a Austrália, porém, os surtos de dengue são coisa do passado.

Créditos: Perran Ross / Twitter.

Embora a dengue nunca tenha sido endêmica na Austrália, no norte de Queensland os surtos de dengue às vezes ocorriam esporadicamente, quando um viajante infectado era picado por um mosquito, que picava outra pessoa, transmitindo o vírus.

Nos últimos anos, porém, o número de casos na Austrália despencou. Até o momento, neste ano, apenas dois casos positivos de transmissão local local foram identificados.

“O Extremo Norte de Queensland é agora essencialmente uma área livre de dengue pela primeira vez em mais de 100 anos”, disse o médico Richard Gair, Diretor de Serviços de Saúde Pública Tropical em Cairns, Austrália, em abril.

Temos que agradecer a bactéria Wolbachia por isso.

Desde 2011, pesquisadores e agentes de saúde pública têm liberado mosquitos infectados com Wolbachia na natureza do Norte de Queensland.

Wolbachia já era uma forma de bactéria infecciosa muito comumente distribuída – um estudo na década de 1990 descobriu que 17 por cento das espécies de insetos testadas estavam infectadas, embora seja provável que seja significativamente mais.

A bactéria – que bloqueia naturalmente a transmissão da dengue – se transfere de geração para geração nos mosquitos e não parece afetar os humanos, o que a torna uma escolha atraente para os esforços de erradicação da dengue.

Porém, há apenas um problema: a Wolbachia não ocorre naturalmente no mosquito transmissor da dengue, Aedes aegypti, e não há uma maneira fácil de infectá-los em massa.

Em vez disso, os ovos do mosquito A. aegypti devem ser infectados individualmente com a bactéria com o auxílio de um microscópio.

“Colocamos os ovos do mosquito em uma lâmina de vidro e, em seguida, usamos o micromanipulador para perfurar o ovo com uma agulha muito fina”, explica Ross, um entomologista da Universidade de Melbourne.

“Nós, então, sugamos as células que contêm a Wolbachia de um óvulo e injetamos em outro. Se você tiver sorte, ela sobreviverá e será passada para a próxima geração”.

É um trabalho árduo. Um pesquisador pode ser capaz de injetar a bactéria em algumas centenas de ovos por dia, mas pode levar de 200 a 10.000 ovos para encontrar uma única fêmea de mosquito infectada com Wolbachia que transmitirá a bactéria para a próxima geração.

“Pode ser, por exemplo, seis meses de trabalho em tempo integral para obter uma única população estável”, disse Ross ao ScienceAlert. “Mas, na verdade, é um pequeno preço a pagar, dado o valor de uma única linhagem de mosquitos transmissores de Wolbachia“.

Depois de obter a linhagem do mosquito, podemos começar a reproduzi-los no laboratório. Se você deseja que os mosquitos infectados tenham uma boa chance de se reproduzir com mosquitos selvagens suficientes na área, você precisa de cerca de um mosquito para cada três a dez casas em uma região. Você pode imaginar a rapidez com que esses números se somam.

“Você tem que criar centenas de milhares de mosquitos no laboratório e depois soltá-los em todos os lugares”, disse Ross ao ScienceAlert. “Esses mosquitos em particular não viajam muito sozinhos”.

Ross trabalha com esses mosquitos diariamente, monitorando os efeitos de longo prazo e a estabilidade da Wolbachia em mosquitos australianos. Parte desse monitoramento está alimentando milhares de bocas famintas. Para isso, o próprio Ross é a isca.

Uma foto de seu braço coberto de picadas se tornou viral em maio, depois que Ross alimentou 5.000 mosquitos em um único dia.

Créditos: Perran Ross / Twitter.

“Às vezes pode doer um pouco se eles pegam em lugares sensíveis, mas na maioria das vezes é apenas uma leve irritação”, diz Ross. “É uma coceira absurda depois. Assim que eu estico meu braço, eu tenho que resistir à vontade de coçar”.

É provável que Ross tenha muito mais mosquitos para alimentar no futuro. Acontece que a Wolbachia não apenas reduz as taxas de infecção da dengue, mas também pode limitar as infecções de outras doenças transmitidas por mosquitos, ao mesmo tempo em que encurta a expectativa de vida dos mosquitos A. aegypti infectados com ela.

Por causa disso, os mosquitos infectados com Wolbachia também estão sendo liberados em outras partes do mundo, principalmente em lugares onde o zika, a dengue e o vírus chikungunya ameaçam se tornar sérios riscos à saúde.

Impactos positivos dos esforços de liberação do mosquito. Crédito: World Mosquito Program.

Em 2019, os cientistas explicaram que haviam eliminado todos os mosquitos em duas ilhas chinesas, usando uma cepa de Wolbachia em conjunto com uma dose de radiação para esterilizar os insetos.

Há outra liberação de mosquitos infectados por Wolbachia atualmente em andamento na Malásia, com a esperança de impedir a propagação dos vírus da dengue, Zika e chikungunya.

“Eles liberaram mosquitos em Kuala Lumpur – e a dengue é endêmica lá”, explica Ross. “Foi reduzido em 40 a 60 por cento. Isso é bastante significativo”.

No ano passado, o ministério da saúde da Malásia expandiu o programa por causa de seu sucesso.

Até a pandemia de COVID-19 obrigar uma parada temporária no programa, grupos sem fins lucrativos, tais como o World Mosquito Program foram trabalhando para conseguir levar mais mosquitos infectados pela Wolbachia para outras áreas afetadas por vírus em todo o mundo. O projeto já liberou mosquitos infectados em 12 países.

A pesquisa de Ross mostrou que a Wolbachia parece permanecer estável em uma população, então, mesmo em locais onde a COVID-19 afetou a implementação do programa, os mosquitos que já foram soltos provavelmente permanecerão no local.

Apesar dos desafios contínuos, Ross está otimista sobre o papel de Wolbachia no combate à dengue em todo o mundo.

“Vai ser caro e requer muito envolvimento e planejamento da comunidade”, explica Ross.

“Mas eu acho que vai ser possível”.