Este é um pedaço de um protoplaneta perdido e é oficialmente mais antigo que a Terra

0
132
Um pedaço do EC 002. Crédito: A. Irving.

Por Michelle Starr
Publicado na ScienceAlert

Um pedaço de meteorito encontrado nas areias do deserto da Argélia pode ser uma parte de um planeta bebê que nunca “cresceu”.

De acordo com uma análise aprofundada da composição e idade da rocha, o meteorito conhecido como Erg Chech 002 não é apenas mais antigo que a Terra, mas também se formou de forma vulcânica – sugerindo que poderia ter feito parte da crosta de um objeto conhecido como protoplaneta.

Como tal, representa uma rara oportunidade de estudar os primeiros estágios da formação dos planetas e aprender mais sobre o cenário dos primeiros dias do Sistema Solar, quando os planetas que conhecemos e amamos hoje ainda estavam em formação.

O EC 002 foi encontrado em maio do ano passado, constituído de vários pedaços de rocha com um peso combinado de 32 quilogramas do conjunto de dunas Erg Chech, no sudoeste da Argélia. Foi rapidamente identificado como incomum; em vez da composição condrítica da maioria dos meteoritos recuperados – que se formam quando pedaços de poeira e rocha se juntam – sua textura era ígnea, com inclusões de cristal de piroxênio.

Portanto, foi classificado como acondrito, um meteorito feito do que parece ser um material vulcânico, originado de um corpo que sofreu derretimento interno para diferenciar o núcleo da crosta – um protoplaneta, um dos estágios intermediários da formação do planeta.

Das dezenas de milhares de meteoritos que foram identificados, apenas alguns milhares – 3.179, de acordo com o Meteoritical Bulletin Database – são acondritos.

A maioria desses acondritos vem de um dos dois corpos-mãe e são de composição basáltica. Isso significa que eles não podem nos dizer muito sobre a diversidade de protoplanetas no início do Sistema Solar.

Já o EC 002 não é basáltico, mas um tipo de rocha vulcânica conhecida como andesito, como determinou uma equipe de cientistas liderada pelo geoquímico Jean-Alix Barrat, da Universidade da Bretanha Ocidental, na França.

De todos os meteoritos que encontramos até agora, mesmo entre os acondritos, isso torna o EC 002 extremamente raro – e abre um novo caminho para a compreensão da formação de planetas.

De acordo com a análise da equipe, a rocha é muito antiga. O decaimento radioativo dos isótopos de alumínio e magnésio sugere que esses dois minerais se cristalizaram há cerca de 4,565 bilhões de anos, em um corpo-mãe que se formou há 4,566 bilhões de anos. Para contextualizar, a Terra tem 4,54 bilhões de anos.

“Este meteorito é a rocha magmática mais antiga analisada até hoje e pode ajudar a esclarecer sobre a formação das crostas primordiais que cobriam os protoplanetas mais antigos”, escreveram os pesquisadores em seu estudo.

Ao contrário do basalto, que se forma a partir do rápido resfriamento da lava rica em magnésio e ferro, a andesita é composta principalmente de silicatos ricos em sódio e – pelo menos na Terra – se forma em zonas de subducção, onde a borda de uma placa tectônica é empurrada para baixo de outra.

Embora raramente seja encontrado em meteoritos, a recente descoberta de andesito em meteoritos encontrados na Antártica e na Mauritânia levou os cientistas a investigar como isso pode ocorrer. Evidências experimentais sugerem que ele pode se formar a partir do derretimento do material condrítico.

Como os corpos condríticos são tão comuns no Sistema Solar, é possível que a formação de protoplanetas com crostas de andesito também fosse comum. No entanto, quando a equipe comparou as características espectrais do EC 002 – ou seja, a maneira como ele interage com a luz – com as características espectrais dos asteroides, eles não encontraram nada no Sistema Solar que correspondesse ao meteorito.

Restos da crosta terrestre andesítica não são apenas raros no registro de meteoritos; eles também são raros no cinturão de asteroides. O que levanta a questão: se o processo de formação foi tão simples e comum, então onde diabos todos os protoplanetas diferenciados foram parar?

Provavelmente, acabou no mesmo lugar que a maior parte do material do Sistema Solar: eles foram pulverizados ou incorporados em corpos rochosos maiores; ou, talvez, uma combinação de ambos.

Como o EC 002 é um pouco mais velho que a Terra, é até possível que seus irmãos protoplanetários tenham ajudado a construir a Terra a partir de um nó de material mais denso na nuvem de poeira que orbitava o jovem Sol.

Embora tenhamos um conhecimento bastante razoável sobre como nascem os planetas bebês, crescendo ao longo de milhões de anos à medida que aglomerados de rochas e poeira se juntam, as especificidades do processo são um pouco mais misteriosas.

EC 002 representa uma oportunidade espetacular para refinar nossa compreensão de como nosso sistema doméstico emergiu da poeira.

A pesquisa foi publicada no PNAS.