Estudo associa células cerebrais à depressão

Uma nova pesquisa que liga a depressão maior a um número reduzido de células no cérebro que sustentam a função dos neurônios traz esperança para opções de tratamento direcionadas.

0
292
O transtorno depressivo maior é uma condição médica significativa que leva a uma variedade de problemas emocionais e físicos graves. Uma nova pesquisa destaca ainda mais o potencial papel dos astrócitos na depressão. Essas células sustentam a função dos neurônios no cérebro e a análise postmortem revela que elas são encontradas em números reduzidos em pacientes deprimidos que morreram por suicídio. Espera-se que essas descobertas orientem opções de tratamento direcionadas para aqueles que sofrem desse transtorno debilitante. (Créditos: Shutterstock)

Traduzido por Julio Batista
Original de Tania Fitzgeorge-Balfour para a Frontiers

Um novo estudo destacando ainda mais uma causa fisiológica potencial de depressão clínica poderia orientar futuras opções de tratamento para este grave transtorno de saúde mental. Publicado na Frontiers in Psychiatry, os pesquisadores mostram diferenças entre a composição celular do cérebro em adultos deprimidos que morreram por suicídio e em indivíduos que não eram casos psiquiátricos e morreram repentinamente por outros meios.

“Encontramos um número reduzido de astrócitos, destacado pela coloração da proteína vimentina, em muitas regiões do cérebro em adultos deprimidos”, relata Naguib Mechawar, professor do Departamento de Psiquiatria da Universidade McGill, Canadá, e autor sênior deste artigo. “Essas células em forma de estrela são importantes porque sustentam a função ideal dos neurônios do cérebro. Nossas descobertas confirmam e estendem pesquisas anteriores envolvendo astrócitos na patologia da depressão.”

O transtorno depressivo maior, também conhecido como depressão clínica, causa um sentimento persistente de tristeza e perda de interesse, levando a uma variedade de problemas emocionais e físicos graves. Com a aprovação do Comitê de Ética em Pesquisa, a equipe do Instituto Douglas (Universidade McGill) usou a análise postmortem para adicionar peso à teoria de que os astrócitos desempenham um papel neste distúrbio.

Mesma forma, número diferente

“Analisamos os astrócitos no cérebro por meio da coloração de proteínas específicas encontradas em sua estrutura – vimentina e GFAP. A coloração da vimentina não foi usada antes neste contexto, mas fornece uma visão clara, completa e sem precedentes de toda a estrutura microscópica dessas células”, explica Liam O’Leary, que concluiu este estudo na Universidade McGill como parte de sua pesquisa de doutorado. “Usando um microscópio, contamos o número de astrócitos em seções transversais do cérebro, o que nos permitiu estimar quantos havia em cada região. Também analisamos a estrutura 3D de mais de trezentos astrócitos individuais em busca de quaisquer diferenças.”

A análise postmortem revelou que, na depressão, embora o número de astrócitos seja diferente, eles têm uma estrutura semelhante à de indivíduos psiquiatricamente saudáveis.

“Essa pesquisa indica que a depressão pode estar ligada à composição celular do cérebro. A notícia promissora é que, ao contrário dos neurônios, o cérebro humano adulto produz continuamente muitos novos astrócitos. Encontrar maneiras de fortalecer essas funções cerebrais naturais pode melhorar os sintomas em indivíduos deprimidos”, disse Mechawar.

Alvo para tratamento

“Nosso estudo fornece uma forte justificativa para o desenvolvimento de medicamentos que neutralizam a perda aparente de astrócitos na depressão”, disse O’Leary. “Nenhum antidepressivo foi desenvolvido para atingir essas células diretamente, embora a principal teoria para a rápida ação antidepressiva da cetamina, uma opção de tratamento relativamente nova, é que ela corrige anormalidades de astrócitos”.

Pesquisas futuras esperam abordar algumas limitações do estudo atual e examinar mais profundamente a associação de astrócitos com a depressão.

“Embora este estudo seja o mais abrangente até agora, ele foi conduzido apenas com amostras de pacientes do sexo masculino. Queremos ampliar este estudo para investigar amostras de pacientes do sexo feminino, pois agora se sabe que a neurobiologia da depressão difere significativamente entre homens e mulheres”, disse Mechawar, que também reconhece o papel crítico dos doadores e de suas famílias.

“A doação de tecidos para pesquisas científicas nos permite entender melhor as disfunções celulares e moleculares subjacentes aos distúrbios cerebrais, embasando assim o desenvolvimento de melhores tratamentos de saúde mental.”