Estudo de Stanford descobre que caminhadas melhoram a criatividade

Pesquisadores de Stanford descobriram que caminhadas aumenta a inspiração criativa. Eles examinaram os níveis de criatividade das pessoas enquanto caminhavam e enquanto sentavam. A produção criativa de uma pessoa aumentou em média 60% ao caminhar.

0
115
Muitas pessoas afirmam que pensam melhor enquanto caminham. Um novo estudo descobriu que caminhar realmente aumenta a inspiração criativa. (Créditos: LA Cicero)

Traduzido por Julio Batista
Original de May Wong para a Universidade Stanford

Steve Jobs, o falecido cofundador da Apple, era conhecido por suas reuniões ambulantes. Mark Zuckerberg, do Facebook/Meta, também foi visto realizando reuniões a pé. E talvez você tenha andado de um lado para o outro ocasionalmente para surgir com ideias.

Um novo estudo de pesquisadores de Stanford fornece uma explicação para isso.

O pensamento criativo melhora enquanto uma pessoa está andando e logo após esse exercício físico, de acordo com um estudo de coautoria de Marily Oppezzo, doutoranda em psicologia educacional de Stanford, e Daniel Schwartz, professor da Faculdade de Graduação em Educação de Stanford.

O estudo descobriu que caminhar em ambientes fechados ou ao ar livre também aumentava a inspiração criativa. O próprio ato de caminhar, e não o ambiente, foi o principal fator. Em geral, os níveis de criatividade foram consistentemente e significativamente mais altos para aqueles que caminhavam em comparação com os que estavam sentados.

“Muitas pessoas alegam que pensam melhor quando caminham. Finalmente podemos estar dando um ou dois passos para descobrir o porquê”, escreveram Oppezzo e Schwartz no estudo publicado no Journal of Experimental Psychology: Learning, Memory and Cognition.

Andar x sentar

Outras pesquisas se concentraram em como o exercício aeróbico geralmente protege a função cognitiva de longo prazo, mas até agora não parecia haver um estudo que examinasse especificamente o efeito da caminhada não aeróbica na geração criativa simultânea de novas ideias e depois as comparasse com o ato de sentar, disse Oppezzo.

Uma pessoa caminhando dentro de casa – em uma esteira em uma sala de frente para uma parede vazia – ou caminhando ao ar livre ao ar livre produziu o dobro de respostas criativas em comparação com uma pessoa sentada, descobriu um dos experimentos.

“Achei que caminhar ao ar livre iria mostrar resultados muito superiores, mas caminhar em uma esteira em uma sala pequena e monótona ainda teve resultados fortes, o que me surpreendeu”, disse Oppezzo.

O estudo também descobriu que a criatividade continua a fluir mesmo quando a pessoa se senta logo após uma caminhada.

Medindo o pensamento criativo

A pesquisa compreendeu quatro experimentos envolvendo 176 estudantes universitários e outros adultos que concluíram tarefas comumente usadas por pesquisadores para avaliar o pensamento criativo. Os participantes foram colocados em diferentes condições: caminhar em uma esteira ou sentar em um ambiente fechado – ambos voltados para uma parede vazia – e caminhar ao ar livre ou sentar-se ao ar livre enquanto eram empurrados em uma cadeira de rodas – ambos ao longo de um caminho pré-determinado no campus de Stanford. Os pesquisadores colocaram os participantes sentados em uma cadeira de rodas do lado de fora para apresentar o mesmo tipo de movimento visual da caminhada.

Diferentes combinações, como duas sessões consecutivas sentadas, ou uma sessão de caminhada seguida de outra sentada, também foram comparadas. As sessões de andar ou sentar usadas para medir a criatividade duraram de 5 a 16 minutos, dependendo das tarefas testadas.

Três dos experimentos contavam com um teste de criatividade de “pensamento divergente”. O pensamento divergente é um processo de pensamento ou método usado para gerar ideias criativas, explorando muitas soluções possíveis. Nesses experimentos, os participantes tiveram que pensar em usos alternativos para um determinado objeto. Eles receberam vários conjuntos de três objetos e tiveram quatro minutos para apresentar o maior número possível de respostas para cada conjunto. Uma resposta foi considerada nova se nenhum outro participante do grupo a usou. Os pesquisadores também avaliaram se uma resposta era apropriada. Por exemplo, um “pneu” não poderia ser usado como um anel de mindinho.

A esmagadora maioria dos participantes desses três experimentos foram mais criativos enquanto caminhavam do que sentados, segundo o estudo. Em um desses experimentos, os participantes foram testados em ambientes fechados – primeiro sentados e depois caminhando em uma esteira. A produção criativa aumentou em média 60% quando a pessoa estava andando, de acordo com o estudo.

Um quarto experimento avaliou a produção criativa medindo as habilidades das pessoas para gerar analogias complexas para frases rápidas – conhecidas como estímulos. As respostas mais criativas foram aquelas que capturaram a estrutura profunda do estímulo. Por exemplo, para o estímulo “um cofre roubado”, uma resposta de “um soldado sofrendo de transtorno do estresse pós-traumático” capta a sensação de perda, violação e disfunção. “Uma carteira vazia” não.

O resultado: 100 por cento dos que caminharam do lado de fora foram capazes de gerar pelo menos uma analogia nova e de alta qualidade, em comparação com 50 por cento dos que estavam sentados no interior.

Nenhuma conexão para o pensamento focado

Mas nem todos os processos de pensamento são iguais. Embora o estudo tenha mostrado que caminhar beneficiou o brainstorming criativo, não teve um efeito positivo no tipo de pensamento focado necessário para respostas corretas e únicas.

“Isso não quer dizer que todas as tarefas no trabalho devam ser realizadas enquanto caminhamos simultaneamente, mas aquelas que exigem uma nova perspectiva ou novas ideias se beneficiariam disso”, disse Oppezzo, agora membro adjunto do corpo docente da Universidade de Santa Clara (EUA).

Os pesquisadores deram aos participantes uma tarefa de associação de palavras, comumente usada para medir a percepção e o pensamento focado. Dadas três palavras, os participantes tiveram que gerar uma palavra que pudesse ser usada com todas as três para formar palavras compostas. Por exemplo, dadas as palavras “cottage, Swiss and cake” (chalé, suíço e bolo), a resposta correta é “cheese” (queijo).

Neste teste, aqueles que responderam enquanto caminhavam tiveram um desempenho levemente pior do que aqueles que responderam enquanto estavam sentados, de acordo com o estudo.

A criatividade produtiva envolve uma série de etapas – da geração da ideia à execução – e a pesquisa, disse Oppezzo, demonstrou que os benefícios da caminhada se aplicam ao elemento “divergente” do pensamento criativo, mas não à característica mais “convergente” ou do pensamento focado característico da percepção.

“Não estamos dizendo que caminhar pode transformá-lo em Michelangelo”, disse Oppezzo. “Mas pode ajudá-lo nos estágios iniciais da criatividade.”

As fortes descobertas do estudo pavimentarão novos caminhos, levando a mais pesquisas sobre as vias neurológicas e fisiológicas, prevê Schwartz.

“Há trabalho a ser feito para descobrir os mecanismos causais”, disse Schwartz. “E este é um paradigma muito robusto que permitirá que as pessoas comecem com aplicações práticas, para que possam rastrear como o corpo está influenciando a mente.”

Uma possível questão de pesquisa futura: é a caminhada em si ou outras formas de atividade física leve têm efeitos de elevação criativa semelhantes?

Entretanto, “já sabemos que a atividade física é importante e que ficar sentado muitas vezes não é saudável. Este estudo é mais uma justificativa para integrar atividades físicas ao dia, seja no recreio da escola ou transformando uma reunião de trabalho em uma caminhada”, disse Oppezzo. “Seríamos mais saudáveis ​​e talvez mais inovadores com isso.”