Estudo diz que a Pika pode estar indo bem com as mudanças climáticas

0
450
Pika-americana coletando materiais para os ninhos em Cawridge, Alberta (Canadá). Créditos: Frédéric Dulude-de Broin / Wikimedia.

Por Jacinta Bowler
Publicado na ScienceAlert

A pika-americana (Ochotona princeps) é tradicionalmente considerada uma espécie sentinela quando se trata do aumento das temperaturas na América.

Construindo suas casas no alto das regiões montanhosas mais frias do oeste da América do Norte, essas criaturas adoráveis ​​podem superaquecer em altas temperaturas – tornando-as incrivelmente sensíveis às mudanças climáticas.

Ou, pelo menos, é o que pensávamos.

Uma nova revisão da literatura científica pelo conservacionista Andrew T. Smith afirma o contrário – que a pika está se saindo muito bem, considerando as circunstâncias.

“Esses resultados mostram que as pikas são capazes de tolerar um conjunto mais amplo de condições de habitat do que se pensava anteriormente”, explica Smith.

As pika-americanas são pequenas criaturas territoriais semelhantes a coelhos, que passam os dias comendo ervas e cardos, armazenando comida para o inverno, gritando para predadores e cantando canções para parceiros em potencial.

Elas vivem nas montanhas do oeste da América do Norte – da Colúmbia Britânica e Alberta, no Canadá, até o Novo México e a Califórnia, nos Estados Unidos.

Elas moram em áreas de taludes nas montanhas – uma paisagem de pedras quebradas e pedregulhos, onde fazem seus ninhos sob rochas que os mantêm frescos em condições de calor e os protegem de predadores como águias, falcões e raposas.

Para manter seus ninhos climatizados, os cientistas acham que elas podem migrar lentamente montanha acima para condições mais frias conforme o clima esquenta ano após ano, mas há um limite para escalar a montanha antes de chegar a um beco sem saída.

Elas não podem simplesmente mover as montanhas com a fé quando a temperatura fica muito alta – elas estão presas nessas ilhas do céu.

Antes de falarmos sobre a pesquisa em si, é importante observar que este estudo é uma revisão bibliográfica – o que significa que nenhuma informação nova foi encontrada.

Em vez disso, uma revisão bibliográfica é um tipo de artigo científico que analisa pesquisas e conhecimentos atuais sobre um tópico.

Mas colocar os estudos individuais em um contexto mais amplo pode revelar tendências e inconsistências que, de outra forma, poderiam ter sido ignoradas, e Smith acredita que a Pika-americana está muito melhor do que pensávamos.

“Grande parte da narrativa sobre as pikas e as mudanças climáticas foi baseada em estudos de uma parte restrita e marginal de sua distribuição geográfica”, ele escreve no artigo.

“Mas, como as respostas das pikas ao ambiente podem variar muito em sua ampla área geográfica, deve-se tomar cuidado ao generalizar de uma região para outra”.

Ele aponta para uma ampla pesquisa em 2018 feita por sua equipe, onde 3.250 registros de locais ocupados (ou existentes), recentemente desocupados (extirpados) ou há muito tempo desocupados (sinais antigos) por pikas em 40 cadeias de montanhas foram compilados e analisados.

“O grande número de locais existentes, extirpados e de sinais antigos em toda a Grande Bacia documentados por Millar et al., permitiu uma avaliação robusta de como as características climáticas podem ter afetado o habitat das pikas”, ele escreve no jornal.

“Embora houvesse diferenças nos valores climáticos em seis sub-regiões da Grande Bacia, em todos os locais existentes o modelo expandiu a gama de valores de temperatura e precipitação em comparação com a maioria das outras regiões em toda a gama das espécies”.

Smith observou que há áreas onde as pikas-americanas não estão indo tão bem – elevações baixas que também estão isoladas e limitando a variedade das espécies. Ele acha que isso se deve, pelo menos parcialmente, à dispersão ou à disseminação da espécie.

Em pequenos fragmentos de habitats isolados, há menos recursos – incluindo abrigos de rocha – disponíveis para as pikas jovens que estão em busca de seus próprios ninhos, especialmente nas áreas de baixa altitude mais quentes. Os pesquisadores observaram a perda de populações locais de pika nessas circunstâncias.

“Devido à capacidade relativamente baixa das pikas de se dispersarem entre as áreas, esses habitats provavelmente não serão recolonizados, principalmente devido ao aquecimento climático”, disse Smith em um comunicado de imprensa.

“Apesar da saúde geral das pikas em toda a sua extensão, essas perdas representam uma via de mão única, levando a uma perda gradual de algumas populações de pikas”.

No entanto, a revisão de Smith destaca a importância de compreender como uma espécie está se movimentando em toda a sua extensão antes de tirar conclusões.

Isso obviamente não significa que a mudança climática não seja um grande problema – especialmente para as espécies alpinas presas nas ilhas do céu  – e um problema que não precisamos enfrentar agora.

Mas é bom saber que a minúscula pika-americana pode ter mais chances de sobrevivência do que pensávamos.

O artigo foi publicado no Journal of Mammalogy.