Fator catastrófico que levou à maior extinção em massa da Terra é revelado em fósseis

0
126
Créditos: PaleoFactory / Hana Jurikova.

Por David Nield
Publicado na ScienceAlert

Os cientistas acreditam que finalmente chegaram mais perto de identificar a causa da pior extinção em massa da Terra, rastreando o fator geoquímico que pode ter iniciado tudo.

Conhecido como a Grande Morte, o evento de extinção Permiano-Triássico aconteceu há cerca de 252 milhões de anos. A nova pesquisa é baseada em um estudo de conchas fósseis deixadas por braquiópodes semelhantes a moluscos onde hoje são os Alpes do Sul.

As conchas registram os níveis de pH da água do mar que são afetados pelas concentrações atmosféricas de CO2, e parece que há cerca de 252 milhões de anos houve uma introdução repentina e intensa de dióxido de carbono na atmosfera.

Provavelmente foi devido a uma série gigantesca de erupções vulcânicas na Sibéria, dizem os pesquisadores. O aumento do aquecimento e a acidificação dos oceanos teriam matado certas espécies muito rapidamente, enquanto as águas cada vez mais ricas em nutrientes teriam, então, esgotado os níveis de oxigênio no oceano por um longo período de tempo, causando mais extinções.

“Este colapso semelhante a um dominó dos ciclos e processos de sustentação da vida interconectados levou, enfim, à extensão catastrófica de uma extinção em massa na fronteira do Permiano-Triássico”, disse a biogeoquímica marinha Hana Jurikova,  que agora está na Universidade de St Andrews em o Reino Unido.

A equipe mediu diferentes isótopos de boro e carbono nas conchas para obter uma leitura da acidez da água do mar usando instrumentos de alta precisão como a Espectrometria de Massa de Íons Secundários (SIMS). Combinados com modelos computacionais detalhados, os dados poderiam ser usados ​​para reconstituir a Grande Morte.

Os cientistas há muito tempo aceitaram que uma série de erupções vulcânicas onde hoje é a Sibéria foram as principais causas da Grande Morte, mas esta é a primeira vez que uma reconstrução das circunstâncias atmosféricas é feita com tantos detalhes. Isso nos fornece mais informações sobre os mecanismos subjacentes do que aconteceu na Terra na época e quais foram as consequências ao longo dos próximos milhares de anos.

Este estudo responde a algumas perguntas sobre a combinação de eventos e suas sequências, relacionando claramente o aumento de CO2 com a atividade vulcânica. A análise e modelagem também sugerem que outro fator – a liberação de grandes quantidades de metano por micróbios no fundo do mar – não foi tão importante.

“Com esta técnica, podemos não apenas reconstruir a evolução das concentrações atmosféricas de CO2, mas também rastreá-la claramente de volta à atividade vulcânica”, disse o bioquímico marinho Marcus Gutjahr do Centro Helmholtz de Pesquisa Oceânica de Kiel da GEOMAR, na Alemanha.

“A dissolução de hidratos de metano, que foi sugerida como uma causa potencial adicional, é altamente improvável com base em nossos dados”.

Os cientistas continuam a juntar as peças da história do que aconteceu na extinção do Permiano-Triássico com base em registros geológicos que têm centenas de milhões de anos – não é a parte mais fácil do trabalho de detetive.

Ainda há muito mais para descobrir sobre quais foram os fatores contribuintes, quanto tempo eles duraram e como algumas espécies sobreviveram. Cerca de 96% das espécies marinhas e 70% das espécies de vertebrados terrestres se foram para sempre.

O que torna este novo estudo interessante é que ele mostra como nossa compreensão pode ser aprofundada por meio de técnicas de análise aprimoradas que estão surgindo online, incluindo o uso de espectrometria e o estudo de fósseis de braquiópodes.

“Sem essas novas técnicas, seria difícil reconstruir os processos ambientais de mais de 250 milhões de anos no mesmo nível de detalhes que temos agora”, disse o geoquímico marinho Anton Eisenhauer, da GEOMAR. “Além disso, os novos métodos podem ser aplicados para outras áreas científicas”.

A pesquisa foi publicada na Nature Geoscience.