Fortes evidências mostram Sexta Extinção em Massa da biodiversidade global em andamento

0
459
Créditos: Skodonnell / iStock.

Por Marcie Grabowski
Publicado na Phys.org

A história da vida na Terra foi marcada cinco vezes por eventos de extinção em massa da biodiversidade causados ​​por fenômenos naturais extremos. Hoje, muitos especialistas alertam que uma crise de Sexta Extinção em Massa está em andamento, desta vez inteiramente causada por atividades humanas.

Uma avaliação abrangente das evidências desse evento de extinção em andamento foi publicada recentemente na revista Biological Reviews por biólogos da Universidade do Havaí em Mānoa e do Museu Nacional de História Natural em Paris, França.

“Taxas de extinção de espécies drasticamente elevadas e declínio abundante de muitas populações de animais e plantas estão bem documentadas, mas alguns negam que esses fenômenos representem extinção em massa”, disse Robert Cowie, principal autor do estudo e professor e pesquisador do Centro de Pesquisa de Biociências do Pacífico da Faculdade de Ciências e Tecnologia do Oceano e da Terra (SOEST) da UH de Mānoa. “Essa negação é baseada em uma visão tendenciosa da crise que se concentra em mamíferos e aves e ignora os invertebrados, que obviamente constituem a grande maioria da biodiversidade”.

Conchas de caracóis terrestres de Rurutu (Ilhas Austrais, Polinésia Francesa) — recentemente extintas antes de serem coletadas e descritas cientificamente. Créditos: O. Gargominy / A. Sartori.

Ao extrapolar as estimativas obtidas para caracóis e lesmas terrestres, Cowie e coautores estimaram que, desde o ano de 1500, a Terra já poderia ter perdido entre 7,5 e 13% dos dois milhões de espécies conhecidas na Terra – impressionantes 150.000 a 260.000 espécies.

“A inclusão de invertebrados foi fundamental para confirmar que estamos de fato testemunhando o início da Sexta Extinção em Massa na história da Terra”, disse Cowie.

Habitat de uma espécie de caracol havaiano nativo em Pu’u Kukui, Maui. Crédito: Robert Cowie.

A situação não é a mesma em todos os lugares, no entanto. Embora as espécies marinhas enfrentem ameaças significativas, não há evidências de que a crise esteja afetando os oceanos na mesma medida que os ambientes terrestres. Em terra, espécies insulares, como as das ilhas havaianas, são muito mais afetadas do que as espécies continentais. E a taxa de extinção das plantas parece menor do que a dos animais terrestres.

Infelizmente, juntamente com a negação da ciência se firmando na sociedade moderna em uma série de questões, o novo estudo aponta que algumas pessoas também negam que a Sexta Extinção tenha começado. Além disso, outros a aceitam como uma trajetória evolutiva nova e natural, pois os humanos são apenas mais uma espécie desempenhando seu papel natural na história da Terra. Alguns até consideram que a biodiversidade deve ser manipulada apenas para benefício da humanidade – mas benefício definido por quem?

“Os humanos são a única espécie capaz de manipular a biosfera em grande escala”, enfatizou Cowie. “Não somos apenas mais uma espécie evoluindo diante de influências externas. Em contrapartida, somos a única espécie que tem escolha consciente em relação ao nosso futuro e da biodiversidade da Terra”.

Para combater a crise, várias iniciativas de conservação foram bem-sucedidas para certos animais carismáticos. Mas essas iniciativas não podem atingir todas as espécies e não podem reverter a tendência geral de extinção de espécies. No entanto, é essencial continuar esses esforços, continuar a cultivar o interesse pela natureza e documentar a biodiversidade antes que ela desapareça.

“Apesar da retórica sobre a gravidade da crise, e embora existam soluções corretivas e sejam levadas ao conhecimento dos tomadores de decisão, está claro que falta vontade política”, disse Cowie. “Negar a crise, aceitá-la sem reagir, ou mesmo incentivá-la, constitui uma revogação da responsabilidade comum da humanidade e abre caminho para que a Terra continue em sua triste trajetória em direção a uma Sexta Extinção em Massa”.