Fósseis de folhas em Bornéu revelam uma antiga floresta de 4 milhões de anos

0
87
Créditos: Peter Wilf et al., PeerJ, 2022.

Por David Nield
Publicado na ScienceAlert

Fósseis de folhas em Bornéu foram estudados em detalhes pela primeira vez, disseram pesquisadores, revelando que as florestas tropicais que cobrem a superfície da ilha estão naquele lugar e fomentam a biodiversidade há pelo menos 4 milhões de anos.

A paisagem atual, dominada por árvores dipterocarpos, se parece muito com a época do Plioceno, cerca de 2,6 a 5,3 milhões de anos atrás, disseram os pesquisadores – e isso o torna um ecossistema valioso a ser preservado para as gerações futuras.

Bornéu é o lar de quase 270 espécies de dipterocarpos, o que representa mais da metade do total de espécies globais. Com a biodiversidade tropical asiática atualmente sob grave ameaça, a ilha desempenha um papel crucial no suporte a essa biodiversidade.

Um fragmento fóssil de uma enorme folha de dipterocarpo. Créditos: Peter Wilf et al., PeerJ, 2022.

“Esta é a primeira demonstração de que a forma de vida dominante característica de Bornéu e de todos os trópicos úmidos asiáticos, as árvores dipterocarpos, não estava apenas presente, mas era na verdade dominante”, disse o paleobotânico Peter Wilf, da Universidade Estadual da Pensilvânia (EUA). “Encontramos muito mais fósseis de dipterocarpos do que qualquer outro grupo de plantas”.

Esses dipterocarpos estão entre as árvores tropicais mais altas do mundo, com alguns indivíduos capazes de crescer até alturas de cerca de 100 metros.

No entanto, fósseis de suas folhas em rochas são difíceis de encontrar, por causa da cobertura fornecida pelas florestas e seus solos, segundo Wilf.

Anteriormente, o pólen fossilizado era usado para estudar a vida vegetal em Bornéu, mas como o pólen de dipterocarpo decai tão rapidamente, havia uma suspeita de que esses estudos de pólen não mostravam o quadro completo. Aqui, a equipe encontrou rochas com muitos fósseis de folhas de dipterocarpo, mas pouco em termos de pólen de dipterocarpo, apoiando a hipótese de viés.

Créditos: Peter Wilf et al., PeerJ, 2022.

Este novo estudo combina pólen de folha e fóssil, identificando um mundo antigo de manguezais e pântanos cercado por florestas tropicais de planície, com vegetação rasteira diversificada e uma abundância de plantas trepadeiras.

“Estamos começando a realmente ver como era o ambiente há milhões de anos”, disse Wilf. “Era muito parecido com o que você pode encontrar lá agora, embora esses habitats tenham sido desmatados em grande parte da Ásia tropical”.

As florestas estão sob pressão de atividades madeireiras, uso agrícola da terra e mudanças climáticas. Existem altas taxas de desmatamento em Bornéu, embora na área de Brunei da ilha – onde o estudo foi realizado – a maioria das florestas tropicais antigas ainda esteja preservada.

Manter e expandir essa preservação deve ser uma prioridade, disseram os pesquisadores. Por meio da polinização e de um vasto estoque de sementes nutritivas, as árvores de dipterocarpos atuam como a base da vida para vários tipos de flora e fauna – incluindo macacos-narigudos, leopardos-nebulosos, ursos-do-sol e calaus-rinocerontes.

Créditos: Peter Wilf et al., PeerJ, 2022.

Agora, cerca de 89% das 460 espécies de dipterocarpos asiáticos têm status de Quase Ameaçado, enquanto 57% são rotulados como Ameaçados, Criticamente Ameaçados ou Extintos. Se permitirmos que o desmatamento continue, segundo este último estudo, estaremos perdendo quatro milhões de anos de história florestal. Uma maior compreensão da história da região deve ajudar os esforços de conservação.

“Há muito poucos estudos de fósseis dos trópicos asiáticos”, disse o ecologista Ferry Slik, da Universidade de Brunei Darussalam. “Espero que este estudo estimule mais esforços de pesquisa sobre fósseis nos trópicos, pois eles nos dirão muito sobre a história natural da região”.

A pesquisa foi publicada no PeerJ.