Gás do riso encontrado no espaço pode significar vida

0
171
O sistema TRAPPIST-1, onde em breve poderemos ter mais informações sobre as atmosferas de planetas rochosos semelhantes à Terra do Telescópio Espacial James Webb. É possível que a atmosfera contenha óxido nitroso, o que pode indicar vida. (Créditos: NASA/JPL-Caltech)

Traduzido por Julio Batista
Original de Jules Bernstein para a UC Riverside

Cientistas da UC Riverside estão sugerindo que algo está faltando na lista típica de produtos químicos que os astrobiólogos usam para procurar vida em planetas ao redor de outras estrelas – gás do riso.

Compostos químicos na atmosfera de um planeta que podem indicar vida, chamados bioassinaturas, normalmente incluem gases encontrados em abundância na atmosfera da Terra hoje.

“Houve muito pensamento colocado em oxigênio e metano como bioassinaturas. Poucos pesquisadores consideraram seriamente o óxido nitroso, mas achamos que isso pode ser um erro”, disse Eddie Schwieterman, astrobiólogo do Departamento de Ciências da Terra e Planetárias da UCR.

Esta conclusão, e o trabalho de modelagem que levou a ela, são detalhados em um paper publicado essa semana no The Astrophysical Journal.

Para chegar a esse resultado, Schwieterman liderou uma equipe de pesquisadores que determinaram quanto óxido nitroso os seres vivos em um planeta semelhante à Terra poderiam produzir. Eles então fizeram modelos simulando um planeta em torno de diferentes tipos de estrelas e determinaram quantidades de N2O que poderiam ser detectadas por um observatório como o Telescópio Espacial James Webb.

“Em um sistema estelar como o TRAPPIST-1, o melhor e mais próximo sistema para observar as atmosferas de planetas rochosos, você poderia detectar óxido nitroso em níveis comparáveis ​​ao CO2 ou metano”, disse Schwieterman.

O óxido nitroso é um constituinte da atmosfera da Terra que fornece evidências de vida. Esta imagem representa uma visão da Terra da Lua. (Créditos: Equipe científica da NASA/Lunar Reconnaissance Orbiter Camera)

Existem várias maneiras pelas quais os seres vivos podem criar óxido nitroso, ou N2O. Os microrganismos estão constantemente transformando outros compostos de nitrogênio em N2O, um processo metabólico que pode produzir energia celular útil.

“A vida gera resíduos de nitrogênio que são convertidos por alguns microorganismos em nitratos. Em um tanque de peixes, esses nitratos se acumulam, e é por isso que você precisa trocar a água”, disse Schwieterman.

“No entanto, sob as condições certas no oceano, certas bactérias podem converter esses nitratos em N2O”, explicou Schwieterman. “O gás então vaza para a atmosfera.”

Sob certas circunstâncias, o N2O pode ser detectado em uma atmosfera e ainda assim não indicar vida. A equipe de Schwieterman foi responsável por isso em sua modelagem. Uma pequena quantidade de óxido nitroso é criada por um raio, por exemplo. Mas junto com N2O, os raios também criam dióxido de nitrogênio, o que daria aos astrobiólogos uma pista de que o clima não vivo ou os processos geológicos criaram o gás.

Outros que consideraram o N2O como um gás de bioassinatura muitas vezes concluem que seria difícil detectá-lo de tão longe. Schwieterman explicou que esta conclusão é baseada nas concentrações de N2O na atmosfera da Terra hoje. Como não há muito disso neste planeta, que está repleto de vida, alguns acreditam que também seria difícil detectar em outros lugares.

O Telescópio Espacial James Webb poderá em breve enviar informações sobre as atmosferas dos planetas do sistema TRAPPIST-1. (Créditos: NASA-GSFC/Adriana M. Gutierrez)

“Esta conclusão não leva em conta os períodos da história da Terra em que as condições dos oceanos teriam permitido uma liberação biológica muito maior de N2O. As condições nesses períodos podem refletir onde um exoplaneta está hoje”, disse Schwieterman.

Schwieterman acrescentou que estrelas comuns como as anãs K e M produzem um espectro de luz que é menos eficaz em quebrar a molécula de N2O do que o nosso Sol. Esses dois efeitos combinados podem aumentar muito a quantidade prevista desse gás de bioassinatura em um mundo habitado.

A equipe de pesquisa incluiu os astrobiólogos da UCR Daria Pidhorodetska, Andy Ridgwell e Timothy Lyons, além de cientistas da Universidade Purdue, do Instituto de Tecnologia da Geórgia, da Universidade Americana (EUA) e do Centro de Voos Espaciais Goddard da NASA.

A equipe de pesquisa acredita que agora é a hora de os astrobiólogos considerarem gases alternativos de bioassinatura como o N2O, porque o telescópio James Webb pode em breve enviar informações sobre as atmosferas de planetas rochosos semelhantes à Terra no sistema TRAPPIST-1.

“Queríamos apresentar essa ideia para mostrar que não está fora de questão encontrarmos esse gás de bioassinatura, se o procurarmos”, disse Schwieterman.